quarta-feira, 16 de março de 2011

Mensagens, Estudos e Esboços Para Liderança Cristã



"A revelação de Deus
EM TEMPO DE CRISE "

TEXTO: Ezequiel 1:1-3

Introdução
A Bíblia ensina que Deus é soberano. Cada detalhe de nossas vidas sob seu controle. Não só as coisas boas mas também coisas ruins. Mesmo no "tempestades" da vida, estamos em mãos de Deus.
Ezequiel viveu em uma época de crise, e seu ministério deve ser entendida à luz desta realidade. Foi um momento de crise que obrigou o ministério deste servo de Deus. O Senhor em Seu amor, quis falar ao Seu povo durante esta crise, e foi esta revelação que levou o ministério profético de Ezequiel.
Para compreender melhor este assunto, consulte três detalhes da revelação que Deus deu a Ezequiel.
• O Momento da Revelação Divina
• O lugar da revelação divina
• O Caminho da Revelação Divina

1. Época da revelação (v. 1-2)
O primeiro passo na interpretação da Bíblia, a ter em conta o contexto original da revelação divina. Deus não fala no vazio, há sempre um contexto em que ele fala.E isso é muito importante para compreender o contexto histórico, a fim de interpretar corretamente a mensagem de Deus.
O texto bíblico indica o momento exato que Deus falou a este grande homem, Ezequiel. Foi o quinto dia do quarto mês (v.1-2). O que está claro é o ano da revelação. A confusão é que os primeiros versos deste livro refere-se a duas datas diferentes.
a. Foi dos Trinta Anos (v.1)
O livro de Ezequiel começa da seguinte forma: "Aconteceu no trigésimo ano ..." (v.1). O problema é que Ezequiel não diz o que você quer dizer. "30 anos de quê? A falta de clareza tem dado origem a uma variedade de interpretações:
i. A idade de Ezequiel
O v.3 indica que Ezequiel era de uma família sacerdotal. Para os sacerdotes, os 30 anos foi significativo, foi a idade em que eles poderiam começar a exercer seu ministério sacerdotal (Nm 04:03) 1.
Deus prometeu ser um "pequeno santuário" para os exilados (Ezequiel 11:16). A palavra "santuário" foi aplicado para a morada de Deus (Êx 15:17, 25:8). Se Deus ia ser um "santuário" para Israel, era necessário dar-lhes também um sacerdote, ministro no exílio. Ezequiel foi o padre! Aos 30 anos, estava pronto para começar o seu ministério, então Deus chamou-o nessa idade, e consagrou-o como um 2 profeta.
Embora a ideia seja interessante, não é inteiramente convincente. Se o número 30 se refere à idade de Ezequiel, por que mencionar o dia eo mês do seu trigésimo ano de vida? Não é normal falar dessa maneira. Podemos dizer: "Deus me chamou para o ministério em 30 anos ', mas ninguém diz:" Deus me chamou para o ministério quando eu tinha 30 anos, quatro meses e cinco dias. "
ii. 30 anos após a descoberta do livro da lei
Uma cópia do livro da lei ("Deuteronômio") foi descoberto em 18 do reinado de Josias (2 Crônicas 34:8, 14-21). 13 anos depois, Josias morreu. As pessoas Jeoacaz coroado rei, mas ele governou apenas três meses. Joaquin reinou depois de 11 anos, até que ele foi feito prisioneiro para a Babilônia. Portanto, entre a descoberta do livro da lei, e do exílio de Joaquim, passou 24 ou 25 anos. Adição de 5 anos de cativeiro, chegou à cifra de 30 anos.
Esta interpretação encontra apoio no Targum 3 de Ezequiel 01:01, que afirma explicitamente que "o trigésimo ano" se refere ao ano em que foi descoberto o livro da lei.
Embora a declaração do Targum de Ezequiel 01:01 é interessante, essa interpretação sofre a mesma desvantagem da interpretação acima. A referência ao quinto dia do quarto mês, sugere uma data do calendário, em vez do aniversário de um dia importante para Israel, como a descoberta do Livro da Lei 4.
Isso deixa uma terceira interpretação, que parece mais correto:
iii. 30 anos do império babilônico
30 anos antes da chamada de Ezequiel, pai de Nabucodonosor (Nabopolassar), independente do império da Assíria, Babilônia. Isso aconteceu no ano 625 aC, data que passou a ser considerada como o início do império babilônico. Portanto, alguns comentadores são da opinião de que, quando Ezequiel fala dos anos 30, ele estava se referindo ao calendário do império babilônico. Esta interpretação é mais viável, e explica a referência para o quarto mês do ano eo quinto dia do mesmo mês.
CONCLUSÃO: Se assim for, podemos dizer que o chamado de Ezequiel era no ano 595 aC
b. O quinto ano (v.2)
Esta data é muito mais clara. Ezequiel diz que a revelação de Deus veio no quinto ano do cativeiro do rei Joaquim. Lemos deste rei em 2 Reis 24:8-12. Joaquin tornou-se rei aos 18 anos 5, mas foi um mau rei, dedicado à idolatria. Assim, após três meses de seu reinado, o rei Nabucodonosor atacou a cidade de Jerusalém, e levou-o prisioneiro (2 Reis 24:12). Isso ocorreu no oitavo ano do reinado de Nabucodonosor.
Joaquim foi o último rei da dinastia de David (cf. Jer 22:30). O próximo rei (Zedequias) foi um parente, mas não seu filho.
Daniel nasceu em 605 aC, quando Jerusalém foi tomada pela primeira vez. É provável que Ezequiel foi levado, juntamente com Joaquim, que foi cerca de 8 anos depois, quando Daniel já estava na corte de Nabucodonosor (cf. Dn 1:5, 18-20).
Durante cinco anos, Ezequiel viveu na Babilônia entre os cativos. Ele foi levado para o cativeiro, porque ele não cometeu nenhum pecado, mas porque Deus tinha um trabalho para ele.
Não bastasse a presença de Daniel? Os dois ministérios eram muito diferentes. Daniel incentivou os exilados, mostrando a fidelidade de Deus em tempos de apostasia. Deus falou através dele sobre o futuro. É tarefa de Ezequiel era para falar aos exilados sobre os acontecimentos em Jerusalém.

2. O lugar da revelação (v.1, 3)
Há dois detalhes que destacamos:
A. Ezequiel estava na Babilônia (v.3)
Estava "na terra dos caldeus." Esta terra foi a milhares de quilômetros da Palestina, sua terra natal. Eu estava lá contra a sua vontade era uma espécie de prisioneiro de guerra. Não sabemos quando ele foi levado para a Babilônia, mas é provável que tenha sido com o rei Joaquim. Se sim, então Ezequiel estava entre um grupo que lemos em 2 Reis 24:14. Como padre, teve a triste experiência de ver algumas coisas templo sagrado para os povos pagãos sendo manipulado e levado para longe de Jerusalém, da terra de Babilônia (2 Reis 24:13). Foi uma experiência desastrosa para ele, como um crente. Mas foi ali, tão longe de onde ele conheceu a Deus, Ezequiel viu uma tremenda revelação de Deus. Talvez se eu tivesse ficado em Jerusalém, nunca teria recebido estas divulgações. Deus tinha um profeta naquela cidade - a Jeremias. Mas, na Babilônia, Deus precisava de um profeta, então ele disse a Ezequiel.

REFLEXÃO: Deus permite que as circunstâncias da nossa vida para cumprir Seus propósitos.
b. Ezequiel estava entre os cativos (v.1)
Enquanto em Babilônia, Ezequiel estava entre os cativos, isto é, entre outras pessoas, que foram levados para o exílio na deportação segundo. Em Jerusalém, Ezequiel teria servido como um padre na Babilônia serviu como um profeta.
Qual o público! Essas pessoas foram preparados, cultos e educados pessoas. A "nata" da sociedade em Jerusalém. No entanto, as pessoas não eram muito sensíveis à Palavra de Deus. Por um lado, a espiritualidade fingiu fingiu um desejo de ouvir a voz de Deus (ver Ezequiel 8:1), mas eles eram teimosos e desobedientes (ver Ezequiel 00:02
Mas Deus tinha um propósito para essas pessoas. Lemos sobre isso em Jer 24:5, eram os "bons figos. Ezequiel confirma, em Ezequiel 11:15-20. Deus os tirou de Jerusalém, para salvá-los da destruição, e para salvá-los da poluição da idolatria, e para salvá-los dos falsos profetas, que abundavam em Jerusalém (Ezequiel 13:2-6). E para ajudar neste processo, que Deus deu a Ezequiel, como um verdadeiro profeta. A sua missão era convencer o julgamento que virá sobre a cidade - a destruição total. Eu também tive que incentivá-los a colocar seus olhos em Deus, se arrepender e voltar para Deus em humildade. Tudo isso levou tempo, e Ezequiel recebeu revelações de Deus para realizar essa tarefa.
REFLEXÃO: Qual é o propósito de Deus para nossas vidas?

3. O CAMINHO DO APOCALIPSE (v.1, 3)
Como Deus mostrou a Ezequiel? O que ele fez para preparar o seu coração e mente para o ministério profético?
Há quatro frases que analisamos:
a. "os céus se abriram" (v.1b)
A sentença aqui é uma expressão hebraica, ou seja, uma maneira de falar, uma expressão que os judeus usavam. Não deve ser tomado literalmente, talvez, é uma expressão figurativa. No Peru, alguns dizem: "Eu acendi um foco", para significar: 'Tive uma idéia ".
Deus, que dá a este tipo de experiência? Certas condições são atendidas:
i. É uma pessoa que está tentando entender os propósitos de Deus ...
ii. É uma pessoa que quer ver para além das circunstâncias que o rodeiam terrena ...
iii. É uma pessoa que dá tempo para estar na presença de Deus ...

Foi a experiência prometida a Natanael (João 1:49-51), Estêvão (Atos 7:55-56) e João (Apocalipse 19:11).
Ezequiel, estando longe de Jerusalém, cercado por pessoas desobediente e rebelde, reuniu-se a esses requisitos, e contou com a enorme experiência que os céus se abriram, e teve uma revelação divina. Qual era essa revelação?
b. "Eu tive visões de Deus" (v.1b)
Os outros cativos estava procurando coisas terrenas, eles estavam colocando suas esperanças nas coisas deste mundo estavam jogando sua situação em termos meramente material e terrestre. Um homem viu além do que ...
O que significa esta expressão? Podemos interpretá-lo de duas maneiras:
i. Teve visões de Deus, isto é, Deus viu. Esse parece ser o conteúdo do primeiro capítulo. Ezequiel viu a glória de Deus. Vi em outras ocasiões (Ezequiel 03:23; 10:1-4, 43:1-4).

ii. Ele tinha visões que veio de Deus, visões que tinha a ver com a idolatria em Jerusalém, a glória de Deus saindo do templo, etc.

Como decidir entre essas duas interpretações? Bem, duas coisas eram certas, mas o conteúdo do livro indica que a ênfase deve ser colocada sobre a última. Deus deu ao profeta uma série de visões que o ajudou a entender os propósitos de Deus, e falar com autoridade.
Hoje, essa experiência é necessário! Necessita de pessoas no meio de uma crise, saber olhar para além das coisas terrenas e ver o mundo através dos olhos de Deus e Sua palavra.
c. "veio a palavra do Senhor" (v.3a)
Que uma grande experiência! Ezequiel e tinha a palavra de Deus - a palavra escrita. Haviam sido descobertos no templo (2 Reis 22:8), é mais que provável que Ezequiel, sendo um sacerdote, familiarizado com essa palavra. Seu pai era provavelmente afetada pelas reformas implementadas pelo rei Josias (2 Reis 23).
No entanto, essa pessoa já tinha a palavra de Deus ", veio a palavra do Senhor."
O ministério profético é baseado nesta experiência. Sem essa experiência não pode ser um ministério profético.
A Igreja deve ser caracterizado pelo ministério profético. "A arte de profetizar."
É assim que Deus trabalha. Quando você fala a seu povo, levantar um 'profeta'. M. Lutero, etc
Quais são os requisitos?
i. Um conhecimento profundo da palavra escrita já dada.
ii. A sensibilidade à voz de Deus.

Quando estudamos o conteúdo do livro de Ezequiel, encontramos algo muito interessante. A Palavra de Deus que veio a Ezequiel tinha vários ingredientes:
i. Revelação - idolatria em Jerusalém (que os cativos sabiam?)
ii. Previsão - a destruição de Jerusalém.
iii. Interpretação - a glória é sair do templo.
iv. Exortação - "compreender", "arrepender".
v. Declaração - 'fazer isso'.

Ezequiel fez muitas coisas estranhas. Por quê? Porque as pessoas não querem ouvir a Palavra de Deus! Algumas das coisas que Ezequiel teve de fazer foi muito desagradável para ele (Ezequiel
palavra que é necessário hoje?
d. "veio sobre mim a mão do Senhor" (v.3b)
Esta frase é muito interessante. Por que adicionar? O que significa isso? Sobre o poder da presença de Deus. Ezequiel precisava disso, porque a tarefa era difícil (Ezequiel 2:3-8).
Ezequiel era um "tipo" de Cristo. O poder de Deus estava sobre ele, para pregar a Palavra de Deus, um povo teimoso e rebelde.
Conclusão
E nós? Não temos a Palavra de Deus? O que Deus está dizendo ao Seu povo?
Somos sensíveis ao que o Espírito diz à Igreja?
Existe uma visão de Deus? Vemos o céu aberto?
Temos que ter uma palavra de Deus para o mundo ...
para a Igreja de hoje ...
para os actuais restantes ...


O pastor: SUA RELAÇÃO COM DEUS


Introdução
O pastor passa a maior parte do seu tempo interagindo com as pessoas - com sua família, com irmãos, com outros companheiros servos com os incrédulos. MAS, a sua relação primária deve ser o único com Deus. O outro perigo é que as relações de tirar o tempo para o relacionamento do casal. E não é bem desenvolvida relação primária (com Deus), têm problemas com os outros.
O que deve a sua relação com Deus?
1. AMOR

O pastor deve ter um profundo amor a Deus (Pai, Filho e Espírito Santo).
Exemplo: Paulo (Filipenses 3:7-8)
Perigo - Perder o amor (o filho mais velho, Lucas 15:25-31, a Igreja de Éfeso, Apocalipse 2:4).
Como nutrir e revitalizar o amor?
i. Meditação (quem é Deus, o que ele fez por nós, etc.).
ii. Saber mais (Seus atributos, Suas obras, etc.).
iii. Gastar tempo com Deus.

Como está o seu amor por Deus?
2. Comunhão íntima

O pastor deve ser a pessoa na igreja que gasta mais tempo com Deus. Ele precisa, o ministério precisa, sua congregação em necessidade, a necessidade de não convertidos.
Exemplo: David (Sl 27:4)
Perigo - tão ocupado, não temos tempo para desfrutar a comunhão íntima com Deus.
Como podemos aprofundar a nossa comunhão com Deus?
i. Temos de dar tempo para ele.
ii. Devemos ter fome e sede de Deus (Salmo 63:1-2).
iii. Deve retiro tempo (o exemplo de Cristo.)
iv. Deve ser removido da nossa vida as coisas que incomodam / ofender / incomodar.

Como é a nossa comunhão com Deus?
3. OBEDIÊNCIA

Por que é importante para o nosso relacionamento com Deus? Porque precisamos da sua ajuda no ministério, precisamos ouvir a Sua voz, é preciso experimentar o seu endereço.
Não é a experiência nada disso, se não viver em obediência. A obediência é a chave para manter um bom relacionamento com Deus.
Exemplo: David (Sl 25:10, 12, 14)

Quando você gosta de que a comunhão com Deus, eo amava de todo meu coração, e
guardado os mandamentos de Deus, como era a vida de Davi? Derrotou Golias
(1 Sam 17:45-47).
Mas quando se tornou rei, ele perdeu muito do que a comunhão com Deus (o
primeiro amor), o resultado foi a desobediência (2 Sam 11), e que trouxe sérios problemas
em seu reino (2 Sam 13-21).
Como podemos manter uma vida de obediência a Deus?
i. Passar um tempo em Sua presença, ouvir Sua voz.
ii. Passar o tempo lendo a Bíblia, e enchendo nossas mentes com seus ensinamentos.
iii. Ser sensível à voz do Espírito Santo e da consciência.
iv. Aprender a crucificar a "carne", e colocar nossos olhos no eterno.

Como é a vida de obediência?
4. APRESENTAÇÃO

Um dos problemas no ministério está em perigo de ter autoridade. Para ter autoridade, que perdem gradualmente a atitude de submissão a Deus. Vivemos em uma situação onde todos se submete a nós. O perigo é que nos esquecemos que somos indivíduos de Cristo.
EXEMPLO: Moisés (Nm 20:7-12).
Como podemos manter uma boa atitude de submissão a Deus?
i. constantes lembretes de que Deus é rei.
ii. Lembrando que a chamada é de graça.
iii. A manutenção de um coração simples e humilde.
iv. Buscando sujeição mútua, colocando-me sob alguma autoridade.

Será que estamos sujeitos a Deus? Nossa autoridade no ministério dele brota.
Conclusão
Quão importante é manter um bom relacionamento com Deus! Invista tempo nele.

O CRESCIMENTO DA IGREJA E O PASTOR
TEXTO 1 Tessalonicenses 1

Introdução
Hoje em dia - você inventou vários modelos de crescimento da igreja. Alguns bons, cheios de critérios humanistas. Poucos fizeram um estudo sobre o que Paulo diz em 1 Tessalonicenses.
Aqui é um tremendo testemunho. Em poucas semanas, em meio a terrível perseguição, Paulo foi capaz de estabelecer uma igreja forte e vibrante. É triste quão pouco tem sido estudado essa passagem.
Como isso funciona? Um fator crucial é o homem. O que Paulo fez em que a cidade não pode ser separada da sua vida espiritual. Seu relacionamento com Deus levou Paulo a ter certas convicções pessoais, e trabalho de Salónica reflete estas convicções.
Quais foram essas crenças? Notamos TRÊS:

1. A NECESSIDADE DE pregamos a Cristo crucificado (Atos 17:2-3)

Paulo foi à sinagoga, para apresentar a Cristo. Ele fez isso de três formas:
• Discutindo "dizer algo enfaticamente '
• Afirmando: "abertura" do sujeito muito '
• Ensino: 'apresentar'

O importante não era o caminho, mas o conteúdo.
NOTA: Hoje é demasiada ênfase sobre a forma ou método, e pouca ênfase também na
conteúdo.
Por que nós pregamos a Cristo?
i. Ele é o único Salvador (Atos 4:12).
ii. Porque é o método que Deus escolheu (1 Coríntios 1:21-24). Portanto, devemos. O modelo que seguimos é a de Paulo (1 Cor 2,1-5).
iii. Porque nós amamos (Fl 3:7-11).

O conteúdo de nossa pregação diz muito sobre a nossa vida espiritual

2. A importância da pregação NO PODER DO ESPÍRITO (1 Tessalonicenses 1:5)

Há dois aspectos do poder espiritual a considerar:
• Power experimentado pelo pregador (1 Tessalonicenses 2:1-2)
• Power experimentado pelo ouvinte (1 Tessalonicenses 1:5)

Paulo desejava pregar desta forma. Ele fez em Corinto (1 Coríntios 2:4), em Éfeso (Atos 19:10-12, 20) e, em Salónica.
Como é este poder?
i. Reconhecer a nossa fraqueza pessoal (1 Coríntios 2:1, 3).
ii. Chamadas em alta potência, rezando e esperando (Atos 2).
iii. Vivendo uma vida consagrada a Deus (1 Ts 2).

A forma como pregar o evangelho diz muito sobre nosso relacionamento com Deus.

3. A SOBERANIA DE DEUS NA SALVAÇÃO (1 Tessalonicenses 1:4)

A doutrina da eleição não é hoje muito popular. Isso reflete a influência que o humanismo teve sobre a Igreja e seus líderes.
No entanto, Paulo foi muito claro. Ele pregou em muitos lugares. Sempre desejei ter e muito bons resultados, mas nem sempre visto (Atos 17:17, 24:25). Por que estavam em Tessalônica? Porque essa era a vontade de Deus.
Paulo viu isso em seu ministério (veja Atos 13:48; b 18:10). Mantida a doutrina de que tivessem sido tomadas a partir da Palavra de Deus.
Paulo foi muito claro sobre isso, sua tarefa era pregar - Deus fazer o trabalho, que era sua responsabilidade.
Quando ele teve grandes resultados, Paul deu glória a Deus.
Quando os resultados foram poucos, Paulo foi tranquila (no sentido).
Paulo sabia o que era que eu tinha uma responsabilidade, para viver uma vida irrepreensível, para que Deus poderia usar.
Nossa atitude em relação ao resultado diz muito sobre nosso relacionamento com Deus.
Conclusão
Quão importante é ter convicções claras sobre como servir a Deus, para ver a igreja crescer saudáveis.

PASTORAL

Introdução
"Estamos sob constante pressão para gerar novos métodos, novos planos e novas organizações para o avanço da Igreja, e assegurar o crescimento do evangelho. A ênfase contemporânea corre o risco de perder de vista o homem ou afundar o homem no plano ou na organização. A estratégia de Deus é usar muito o homem, torná-lo muito mais do que qualquer outra coisa. Homens são o método que Deus usou. Enquanto a Igreja está à procura de melhores métodos, Deus está buscando homens melhores. "
O bem-estar do povo de Deus depende de sua liderança. Na OT, a liderança de Israel foi dividido em três categorias: Rei, Sacerdote e Profeta. Alguns indivíduos cumprido duas funções. Por exemplo: David (rei e profeta), Ezequiel (sacerdote e profeta). Apenas um deles preencheu os três: Moisés (ver 33:7 Ex-11a). No NT, essas três funções juntos em Cristo. Ele é nosso profeta (Atos 3:22; 7:37), Sumo Sacerdote (Hb 4:14) e King (1 Coríntios 15:25).
Estas três funções são atingidos em menor medida, em que os apóstolos (Atos 6:2-4). Eles levaram o povo de Deus ("rei"), informou a Palavra de Deus ("profeta"), e dedicado à oração ("padre"). Estes são os três principais tarefas do pastor.

1. O PASTOR COMO PROFETA

a. A Natureza do Ministério Profético

A tarefa de um profeta é transmitir a palavra de Deus. O que significa isso?
i. O Profeta ocupa o lugar de Deus. Quando o pastor prega, é no púlpito, em vez de Deus. Esta é uma grande responsabilidade! Estamos cientes disso?

ii. Deve falar a Palavra de Deus. O pastor deve se certificar de que tudo o que ele diz é contrário à Palavra de Deus. O púlpito não é o lugar para discutir suas idéias e teorias, é falar a Palavra de Deus. Ele não está no púlpito para entreter o público, mas para nutrir os fiéis. O único alimento que serve é a Palavra de Deus, a Palavra não adulterado.

iii. Deve ser a revelação de Deus. Embora seja importante a ser bíblica e ortodoxa, essas coisas não são suficientes no ministério da Palavra. O profeta não é simplesmente uma espécie de fotocopiadora "espiritual", que simplesmente reproduz o que já está na Bíblia. Também não é um papagaio que só repete o que lê na Bíblia, ou que os outros dizem nos comentários. Quando o pastor prega, deve haver um elemento da revelação especial.
Durante o sermão, a congregação deve se sentir:
- O que é Deus quem está falando.
- Deus está dizendo algo novo.
- Deus está dizendo algo especialmente para eles.
- Deus está dizendo algo para aquele momento.
b. Requisitos para um ministério profético

O que é preciso para ser um profeta? Várias coisas. O pastor deve:
i. Ser uma pessoa chamada por Deus. Ninguém pode ser concedido o direito de ser "profeta do Altíssimo". Deus escolhe Seus embaixadores. Isto é o que lhes dá autoridade (Amós 7:12-17)

ii. Ser uma pessoa que passa o tempo na presença de Deus. Jeremias estabelecido esse critério (Jeremias 23:16-18, 21-22). Moisés (Êx 33:7-11) e Cristo (Is 50:4) fornecer modelos.

iii. Ser uma pessoa que ler, meditar e estudar a Bíblia profundamente. Daniel nos mostra a importância de que (Daniel 9:1-3), assim Paulo (2 Tm 4:13) e Pedro (2 Pedro 3:15-16). Impress Paulo a Timóteo (1 Tm 4:13, 2 Tm 3:16-17).

iv. Sendo uma pessoa que ouve a voz do Espírito Santo. Não é o suficiente para ler e estudar a Bíblia. Deve haver um elemento da revelação especial.Aqui vemos a grande diferença entre um tipo e um profeta. Em Mateus 2:4, Herodes chamou os sacerdotes e escribas, e perguntou onde o Messias nasceria.Eles responderam bem, porque conhecia bem a Bíblia (Mateus 2:5-6). MAS, o triste é que eles não sabiam que Cristo nasceu. Por que eles não sabem?Porque eles não tinham ouvido a voz do Espírito Santo.

Lucas 2: Que diferença! Havia um homem chamado Simeão. Ele certamente conhecia bem as escrituras, e sabia que o Messias nasceria em Belém. Mas havia uma dimensão extra a sua atenção. O Espírito Santo lhe havia revelado que não morreria sem ver o Messias, e um dia mudei-me para ir ao templo, e não havia Cristo (Lucas 2:26-27). Ele era um profeta!
Reflexão: Será que temos esse tipo de ministério? "Nós queremos isso! Eu não estou dizendo que cada dia Deus vai revelar coisas dramáticas, como fez com Simeão. Mas deve haver um elemento "extra" em nossa pregação, para encorajar os irmãos a vir e ouvir. Se só podemos repetir o que está escrito na Bíblia, então as pessoas têm o direito de perguntar: "Por que eu deveria ir para ouvir o pastor pregar? Por que não posso ficar em casa e ler a Bíblia para mim? "

2. O PASTOR COMO SACERDOTE

A segunda tarefa que o pastor deve cumprir é a de um sacerdote. No Antigo Testamento, Deus escolheu a tribo de Levi, para servi-lo, mas entre todos os levitas, apenas os filhos de Arão, serviram como sacerdotes. Foi um privilégio enorme para ser padre, permitiu o acesso especial para a presença de Deus. Mas também eram enormes responsabilidades. O NT apresenta Cristo como nosso grande Sumo Sacerdote.
a. A natureza do ministério sacerdotal

i. É o representante de Deus aos homens. Quando Deus chamou Moisés, e enviou-o para falar com o povo de Israel (e Faraó), como Moisés foi o representante de Deus (Ex 3:9-10, 14-15). Tendo deixado o Egito, Moisés continuou a representar Deus ao povo de Israel. Vemos isso claramente no Monte Sinai quando Deus deu a Lei a Moisés (Ex 19). O povo chamou-lhe (Ex 20,19). Mas a lei previa para os sacerdotes (especialmente o Sumo Sacerdote) para representar Deus ao povo. Vemos isso na bênção sacerdotal (Números 6:22-27). Que tremendo privilégio!

Na Igreja, que é o trabalho do pastor. É chamado para estar diante dos homens, em nome de Deus. Essa foi uma das tarefas de Cristo na terra. Deus vai julgar as pessoas pelo que elas vêem no pastor. Que tremenda responsabilidade!
ii. É o representante dos homens perante Deus. O padre também foi chamado para representar os homens diante de Deus. Vemos isto na figura de Moisés (Êx 33:7-11). Moisés entrou na presença de Deus, como representante dos homens. A lei estipulava que esta seria a tarefa dos sacerdotes, em especial o sumo sacerdote (cf. Êx 28:9-12). Cristo também cumpre essa tarefa (Hb 9:24).

O pastor deve estar na presença de Deus, em nome de toda a congregação. A
representado diante do trono de Deus. Will como seu representante. Que tremenda
responsabilidade?
iii. Ele é o intermediário entre Deus e os homens. Quando Deus deu a lei para Israel, ele o fez através de Moisés. Para isso foi necessário um longo tempo na presença de Deus (40 dias na montanha). Ele também exigiu todo o trabalho de ensino e instrução (Ex 19:3, 7-8, 9, 10-15, 16-19, 20-25). Como exigentes! Então, a tarefa passou para os sacerdotes e sumo sacerdote. Eles tiveram um maior acesso à presença de Deus. Deus fala sobre os homens, e os homens falar com Deus através delas.

EXEMPLO: O Ministério de Abiatar (1 Sm 23:6, 9-12).
Esta é uma importante tarefa do pastor. Cada crente tem acesso a presença de Deus, mas não orar e orar, e nem todos todos deveriam ouvir e ouvir. O pastor, muitas vezes tem de agir como intermediário entre Deus e os homens.
Paulo fala disto mesmo quando, no contexto da evangelização (2 Coríntios 5:20). As cartas de Paulo e outros apóstolos são apenas isso. Deus fala por meio dos líderes espirituais.
iv. Ela foi apresentada para os homens diante de Deus. Uma importante tarefa do sacerdote foi trazido, por assim dizer, os homens e apresentá-los diante de Deus. Ele fez isso por meio de sacrifícios. O homem levou o animal, talvez uma homenagem de gratidão. O padre tinha sangue na presença de Deus, e assim fez o homem diante de Deus. Agora o homem se sente livre para falar com Deus, para expressar sua gratidão, fazer uma promessa, etc.

Esta é a tarefa do pastor, especialmente na evangelização. Temos de introduzir
os homens a Cristo. Será que vamos cumprir essa tarefa?
v. É que prepara os homens para diante de Deus. Quando um judeu pecado, Deus não poderia se aproximar. Era preciso ser limpo, a fim de estar na presença de Deus. Moisés fez isso, no sopé do Monte Sinai (Ex 19:10-11, 14). Em seguida, houve a tarefa dos sacerdotes.

Finalmente, foi para os pastores. Devemos declarar aos homens como ganhar limpeza espiritual, temos de aplicar a Palavra, e desafiá-los a estar preparado para estar diante de Deus.
vi. É o intercedem pelos homens. Como muitas vezes, Moisés teve que interceder para o povo de Israel! Esta tarefa tornou-se também os sacerdotes, especialmente o sumo sacerdote (Ex 28:7, 9-12).

Cristo cumpriu essa tarefa (Hebreus 7:23-25). Agora, os pastores compartilhar o ministério sacerdotal (Ef 1:15-16, Fl 1:3-4, Col 1:9). Não oramos constantemente para aqueles sob as nossas ordens?
vii. Dig a Vontade de Deus aos homens. Deus guiou o povo de Israel através de Moisés. Em seguida, feita através do Sumo Sacerdote. Eles tiveram os Urim e Tumim, para buscar a vontade de Deus (Ex 28:30). Até mesmo o rei Davi consultou os sacerdotes!

No NT, Deus deu a cada crente o Espírito Santo, cada um pode experimentar a direção de Deus. No entanto, parte do trabalho de um pastor é para ajudar o crente para encontrar a vontade de Deus para sua vida. Estamos fazendo isso?

b. Os requisitos para um ministério sacerdotal

O trabalho sacerdotal é extenso e difícil. Quem é o suficiente para fazê-lo? Veja 2 Coríntios 2:16, 3:4-6.
O que é necessário para servir a Deus como 'padre'?
i. Ser chamado por Deus. Algumas pessoas que não foram chamados por Deus tentou agir como sacerdotes, e foram julgados por ele (Coré e outros, No.16:1-7, Saul 1 Sm 13:8-14; Uzias, 2 Crônicas 26:16-21 .)

ii. Esteja preparado. Os sacerdotes judeus foram preparados a partir de crianças, e não começar a servir como tal até que você tenha 25 ou 30 anos. Se somos chamados por Deus, devemos nos submeter a uma preparação, para implementar integralmente a esse ministério.

iii. Ser Santo. Isto era essencial (Lv 21). Cada sacerdote tinha de ser separado do pecado, tinham a parte com muitas coisas para os outros, eram legítimas (v.1, 5, 7, 10-14), teve que ser separado do trabalho secular.

iv. Ser altruísta. A principal característica era um sacerdote que viveu para os outros. Não vive para si, mas para servir os outros. Seu pensamento teve que ser focada nas necessidades dos outros, não sua.

v. Ser consagrado a Deus. Um padre foi amar a Deus acima de tudo, tiveram que desenvolver uma vida dedicada a Ele e ao Seu serviço. Eu tive que colocar tudo de lado. Exemplo: Cristo (João 17:19, Hebreus 2:11).

Conclusão
Como exigente é este ministério! Mas, ao mesmo tempo, como é glorioso! É Realiza-se neles, Dan 0:03.

3. O PASTOR COMO REI

No OT, qualquer um poderia ser um profeta, só dependia do chamado de Deus e do Espírito Santo. No entanto, para ser padre, a pessoa tinha que ser da tribo de Levi, descendente de Aarão. Esteve à altura da tarefa de ser rei (pelo menos no Reino de Judá). Para sentar no trono, a pessoa tinha que ser da tribo de Judá.
Em Cristo NT foi Profeta, pela presença do Espírito Santo era um padre, porque foi a linha de Melquisedeque (Hebreus 7:17), e era o rei, porque ele era um descendente de David.
Cada pastor deve ter Cristo como seu modelo - a ser 'o profeta', 'padre' e 'rei'. O pastor, como um responsável da congregação, desempenha um papel de autoridade sobre ela. É uma espécie de "rei" da igreja. Como tal, ele é chamado por Deus para exercer a autoridade ea liderança da congregação. A questão é, como é este ministério?
a. Pastor Autoridade

No NT, ambos os títulos reais dos líderes de uma congregação eram "velhos" e "bispos" (Atos 14:23, 20:17, 28, etc.) A palavra "velho" que visam a maturidade espiritual que é esperado em um líder da igreja, e "Estados termo 'bispo que exerce a tarefa de supervisionar a congregação.
Uma leitura do Novo Testamento indica que, após o ministério dos doze apóstolos, a autoridade na igreja caiu no 'velho'. Eles foram responsáveis pelo bom funcionamento da igreja. Eles pregavam a palavra de Deus, estabeleceu a doutrina ea prática da igreja, exercer a disciplina na igreja, e, geralmente, garantido o bom funcionamento da congregação.
Para exercer esta liderança, tinha autoridade espiritual. Vários textos assinalam que a autoridade. Um dos mais claros é Hebreus 13:17. A palavra traduzida por"pastores" é "egeomai" (em espanhol tem hegemonia "a palavra '). 'O governante entende (Atos 7:10).
Este texto nos diz duas coisas importantes sobre a liderança na igreja:
i. Os membros de uma congregação devem se submeter a seus líderes. O autor de Hebreus exorta

o "Obedeçam aos seus líderes." O verbo é 'peitho, esse verbo não significa "obedecer", mas "convencer" ou "persuadir" (Mateus 27:20, 28:14, Lucas 16:31, 2 Coríntios 5:11). Ao usar esta palavra, que o autor está dizendo aos crentes é: "Deixe-se convencer." Isso indica que a obediência que Deus chama os membros da igreja não é uma obediência "cega", como em um exército, mas uma obediência que vem através da persuasão. Temos exemplos desse tipo de liderança e persuasão em Atos 06:05, 15:22 (compare Atos 15:38).

o "E lhes apresentem." Aqui o verbo grego que significa "rendição", ou seja, adotar uma abordagem flexível, quase "fraco", contra a autoridade dos "mais velhos". É o oposto de ser "teimoso", como foram os israelitas que saíram do Egito sob a "liderança de Moisés.

ii. Os líderes da igreja devem assegurar o bem dos fiéis. O autor diz que "prestar atenção para as vossas almas." O verbo ("agrupneo") significa "não dormir". Indica uma atitude de vigilância. Líderes não cuidar de suas almas, mas para as almas dos crentes. Em outras palavras, os líderes devem estar constantemente procurando o bem dos membros da igreja, ou não tão bons ou os seus próprios interesses pessoais. Os pastores não têm autoridade para fazer isso!

Outro texto importante é 1 Tessalonicenses 5:12-13a. Paulo afirma aqui que o 'velho' preside a congregação. stand "antes da palavra significa", a fim de conduzir.Usado para um pai, como chefe de família (1 Tm 3:04), e também para o "velho" (1 Tm 5:17).
Como as pessoas em posição de autoridade, os "mais velhos" têm o direito eo dever de exortar e advertir os crentes (1 Tessalonicenses 5:12). Mas note que Paulo traz equilíbrio para esta questão, em um Tim 5:01 (embora reconheça que alguns necessitam de um sinal de alerta, Tito 2:15).

b. O exercício dessa autoridade

Como devemos exercer a autoridade que Deus nos dá, como líderes da congregação? Talvez a passagem que melhor responde a esta pergunta é de 1 Pedro 5:1-3.Aviso Pedro ênfase TRÊS sobre o ministério do "velho" eo uso de sua autoridade.
i. "Apascentai o rebanho de Deus" (v.2) - a palavra significa "alimentar". Até o presente momento, Pedro tem em mente de Cristo comissão em João 21:15-17. Paulo tem a mesma ênfase (Atos 20:28). Deus nos dá autoridade para alimentar o rebanho.

Reflexão: Como os Apóstolos usar essa autoridade, em Atos 6, para assegurar
uma boa nutrição do rebanho?
ii. "Cuidar do que" (v.2) - o verbo é o significado 'polícia' episkopeo "ou" supervisionar ". Pedro não diz exatamente o que foi que este estudo abrangeu, a ênfase está em como fazê-lo.

o "Não necessariamente" não por compulsão (pressão externa), mas por uma motivação
interna.
o "Voluntariamente", a palavra em grego tem a idéia de "espontaneidade", juntamente
com uma boa disposição.
o "Não é ávido por dinheiro"

o "Ansiosamente"

Que é o que Pedro nos ensina sobre a nossa atitude de trabalho ministerial? Isso nós temos que fazer para o bem da congregação.
iii. "Ser exemplos para o rebanho" (v.3) - grego tupos. O "velho" deve viver de tal modo que a sua vida ser um exemplo para os membros, de modo que eles possam moldar suas vidas de acordo com o que vêem na "velha". Eles também devem ser "exemplos" no sentido de que suas vidas deixar "pegadas" (no bom sentido da palavra!) Nos membros.

"O que devemos evitar", diz Pedro, que é exercer o "domínio" sobre o rebanho (v.3). A palavra é excessiva Senhorio '' '' katakurieuo significado (veja Mateus 20:25-28 e Atos 19:26, "Domino"). A maneira de contornar isso, é apenas como exemplos.

Conclusão
O trabalho de pastorear uma congregação é difícil e exige muito sacrifício e abnegação. Pedro incentiva os "anciãos" do primeiro século, com a promessa: "E quando o Supremo Pastor, recebereis a coroa da glória" (1 Pedro 5:4).

O conceito de uma visão
Neemias 1:1-4


Introdução
"Sem visão o povo perece." Estas palavras se tornaram uma espécie de refrão evangelho, são tomadas a partir de uma versão em Inglês de Provérbios 29:18, que diz: "Onde não há visão, o povo se corrompe" ("Onde não há visão o povo perece" .)
Infelizmente, isso não é uma boa tradução do texto original. O RSV traduz: "Onde não há visão o povo perece", que dá outro significado à palavra "perecer". Embora a KJV traduz: "Sem visão o povo perece", que dá outro significado à palavra "visão".
Considere os termos na língua original. Primeiro, o verbo "perecer". A palavra hebraica é "a" ("perecer"). Esta palavra significa ou 'drop' solta '.Quando usado em um sentido moral, de acordo com uma pessoa que perecem em seu comportamento (veja Salmo 2:1-3). Este parece ser o sentido usado em Provérbios 29:18. Quando um país vive e caminha para a destruição.
O que leva uma pessoa a viver bem? Salomão escreveu: "Quando não há nenhuma" visão ". Hebraico é a palavra 'kjason' que significa 'algo visto', 'um sonho', 'a visão'. No Antigo Testamento é a palavra usada para descrever uma visão profética (Isaías 1:1; Abd 1:1). Em Naum 1:1, o profeta apresenta seu livro como se segue:
"Profecia (hebraico, 'massa') em Nínive.
Vision Paper (hebraico, 'kjason') de Naum Elcos ".
Claramente, a profecia "os termos" e "visão" são usados como sinônimos neste texto. É interessante notar que a carga 'significa' massa a palavra". Esta palavra é usada literalmente em 23:05 Ex. Mas nos livros proféticos, "sentimento interno de carga 'significa' massa 'um profeta, quando ele recebeu a palavra de Deus (Isaías 13:1, 15:1, 17:1, etc) ..
Neemias não era um profeta, não receberam "peso" verbal de uma, ou a visão "profética palavra 'de Deus. Mas se você tivesse "peso" um ministério.E esse 'fardo' estava ligado a uma visão que teve, por Deus, para o trabalho.
'A Igreja precisa de profetas, pessoas que recebem uma "visão" verbal. Ele também precisa de líderes "visionários", pessoas que recebem o "peso" ministério de Deus. Foi o "peso" que Neemias recebeu, que o levou a ser um líder visionário.
O que Neemias viu?
o A distância que ele viu a necessidade de externa / material / físico de Jerusalém, e sentiu-se um fardo para fazer algo sobre isso (Ne 1-2).

o Vi em primeira mão, a necessidade externa / material / físico de Jerusalém, e estabeleceu uma estratégia para fazer algo sobre isso (Ne 3-4).

o Ele viu a ameaça do inimigo, e trabalhou para proteger o povo (Neemias 6:01 - 7:04).

o Ele viu a necessidade de / espiritual judeus interno, e tentou fazer algo sobre isso (Ne 5, 10, 13).

Mas onde é que este "peso" que dá origem a uma "visão"? Tomemos o caso de Neemias como um exemplo. O que podemos aprender com sua experiência?
1. NACE carga em um coração que ama O REINO DE DEUS
A primeira coisa que nos atinge em Neemias é o contexto em que viviam. Observe as seguintes informações oferecidas por este livro:
o Neemias era um mordomo (Neemias 1:11). Este não foi um trabalho muito difícil (fisicamente), mas exigiu muita responsabilidade. A vida do rei estava em suas mãos!

o Neemias passava os dias na presença do rei (Neemias 2:1), por isso nunca foi chato. Havia sempre pessoas interessantes no tribunal, temas interessantes para discutir, ouvir opiniões interessantes, e discussões interessantes para ouvir.

o Neemias viveu na capital do reino da Pérsia (Neemias 1:1), e teve uma vida confortável e luxuosa. Susa foi a cidade onde o rei Artaxerxes, passaram o inverno.

No entanto, quando algumas pessoas vieram a Jerusalém (v.2), a primeira coisa que Neemias foi perguntado: "Como é o remanescente dos judeus?""Como é a cidade de Jerusalém? Coisas deixou o tribunal, e os assuntos do reino da Pérsia, para se interessar pelas coisas de Deus e Seu povo.
Por quê? O que levou este homem para aniquilar os seus empregos, o luxo ea opulência do palácio, as conversas interessantes e intriga política na corte, para obter informações sobre o status do povo de Deus na cidade de Jerusalém? Podemos citar pelo menos três razões:
i. Neemias não amava o "mundo", nem as coisas do "mundo". Quantas vezes é amar o mundo que nos rouba o fruto espiritual (Mateus 13:22). Temos que treinar as pessoas que não amam o "mundo" ou qualquer coisa do "mundo" (1 João 2:15). Mas como podemos fazer se nós amamos o 'mundo'? Não é fácil dar a volta ao "mundo" no momento em que vivemos.

EXEMPLO: Moisés (Hebreus 11:24-26)
Mas isso nunca foi fácil para Demas (2 Tm 4:10).
O amor é o "mundo" que nos rouba a oportunidade de receber uma carga para as coisas de Deus e, portanto, não nos permite ser líderes visionários.
ii. o coração de Neemias bata por outras coisas, as coisas de Deus e do Seu reino. Um Neemias estava em causa o testemunho de Deus nesta terra, o bem-estar do povo de Deus, cumprindo os propósitos de Deus. Seu coração batia para estas coisas.

EXEMPLO: Timóteo (Fl 2:19-21)
Por que foi tão Tim? Porque ele foi discipulado por Paulo (Filipenses 3:7-8).
iii. Neemias estava disposta a deixar tudo para servir a Deus, para fazer algo para Jerusalém. Portanto, Deus confiou-lhe uma "carga", uma "visão", e ajudou a cumprir essa visão. Ele tinha um coração perfeito, não dividida. Se temos um coração dividido, então vamos ser líderes de visão (veja 2 Timóteo 2:4).

Isso é algo que temos de pedir ao Senhor. Davi pediu para ele - veja Sl 86:11, onde a frase: "Ele diz que o meu coração ..." significa "Une o meu coração". O verbo é 'jakjad' que significa 'um' ou 'contato' (cf. Gn 49:6, "chega junto", literalmente, 'ou a'). O Senhor nos adverte que não podemos servir a dois senhores (Mt 6:24), devemos escolher um deles.
Se algo em nossa vida se torna muito importante, o perigo que enfrentamos é que paramos de amar a Deus com todo o teu coração, e começam a perder o "peso" para o trabalho, portanto, deixam de ser líderes visionários. Quando isso acontece, Senhor, o trabalho adoece, e pára.
Onde é que esse grande amor que Neemias tinha para o reino de Deus? Sem dúvida foi o resultado de um grande amor por Deus. Neemias era evidentemente um homem de Deus. Um homem treinado em oração. Um homem que tinha estudado as Escrituras e tinha vindo a conhecer a Deus.
Reflexão: Como está seu coração?
Quais são as coisas que realmente nos interessa?
Será que o primeiro amor do reino de Deus? Mateus 6:33
2. AUMENTA fardo quando vemos a necessidade
É óbvio que, antes de fazer a pergunta, Neemias e sentiu-se um fardo para a cidade de Jerusalém, e as condições em que os judeus estavam lá.Mas a resposta que ele recebeu sua maior "peso".
As visitas relatou alguns detalhes perturbadores:
o "O balanço é ... em grande sofrimento e humilhação" (v.3a)
o "Derrubou o muro de Jerusalém" (v.3b)
o "As suas portas queimadas pelo fogo" (v.3c)

Nós não vamos ter um "peso" para o trabalho até que vejamos tanto a necessidade do mundo que nos rodeia, ea Igreja de Cristo. Permitam-me recordar algumas dessas necessidades:
a. A Necessidade de mundo que nos rodeia

i. Assim, muitas pessoas ainda não conhecem o Senhor ...
ii. Suas vidas estão cheias de problemas, dificuldades, etc dor E não sei e qu. Eles não têm esperança ...
iii. A sociedade está corrompendo mais e mais ...

b. A Situação da Igreja

i. É tão fraco ...
ii. É tão distraída ...
iii. É tão contaminada pelo pecado ...

Nós precisamos mais da glória de Deus (Isaías 62:1-7)
c. Necessidades de Missão

i. Lugares ainda não alcançados em nosso país ...
ii. Lugares abandonados no nosso país ...
iii. lugares não alcançados no mundo ...
iv. Os países muçulmanos ...
v. O desafio da Índia e da China ...
vi. A tragédia na Europa ...

O que temos que fazer é olhar para essas coisas. Siga o exemplo de Neemias. Levante os olhos para o que estamos fazendo o nosso próprio ministério, etc, e perguntar o que está acontecendo no mundo, o que está acontecendo na Igreja. E, ao mesmo tempo que fazemos isso, Deus nos dará um «fardo», o que resultará em uma nova visão de ministério.
3. Carga expressa profunda com um QUEBRA
Qual foi a reação de Neemias, quando ouviu este relatório sobre a condição de que era a cidade de Jerusalém? Vemos isso em v.4. Experimentou um quebrantamento emocional e espiritual profundo. Considere sua reação ao ver o que podemos aprender com ele:
i. Ele sentou-se - o relatório foi destituído de suas forças, ele não conseguia acompanhar. Salmo 137:1 recorda-nos.
ii. Chorei - uma expressão de profunda tristeza.
iii. Ele chorou por dias - o que ele sentiu não foi temporária.
iv. Jejum - uma expressão de profunda preocupação.
v. Ouro - uma expressão de impotência e dependência de Deus.
Por que reagiu? Porque ele amava a Deus com todo o teu coração, e amou a cidade de Jerusalém. Neemias tinha um coração que batia para o bem de Jerusalém (Salmo 84:5). Ele sabia que o Sal 48. O relatório que recebemos sobre Jerusalém quase derrubou o que o salmista escreveu o Salmo.
Foi durante estes dias de jejum e oração que Neemias começou a sentir um "peso" de Jerusalém e do "peso" Neemias estava se preparando para receber a visão que Deus lhe daria.
Conclusão

Hoje, existem muitos líderes visionários, mas a visão que nem sempre corretas, nem sempre a visão de Deus. Se essa visão não nasceu de uma forma semelhante à de Neemias, devemos dúvida que foi uma visão dada por Deus. Não se contente por ter "visão" um humano, que é muitas vezes "adulterada" e ufanista atitudes egoístas, buscar uma visão que vem do trono de Deus, e nasceu de uma profunda "peso" que Deus coloca em nossos corações.
O nascimento de uma visão
Neemias 1:4 b-11
Introdução
Uma visão é projetado para um «fardo». Mas a gênese da visão é conseguida através da oração. Isto é de importância vital. Há muitos pontos de vista que nascem dos pensamentos humanos, mas eles não são Deus. Se nossa visão é de Deus, devemos fazer a visão gestada em oração.
Todos rezam! Mas nem todos rezar bem. Um dos maiores desafios na vida cristã é aprender a rezar bem. Uma maneira de aprofundar a nossa vida de oração é estudar as orações dos grandes servos de Deus que estão na Bíblia. Quando comparamos a nossa maneira de rezar as orações da Bíblia, nós sentimos uma grande vergonha, e um tremendo desafio para aprender a orar melhor.
Uma das grandes orações na Bíblia é a de Neemias, temos nesta passagem. Como Neemias orou? O que podemos aprender com a sua oração? Aqui estão alguns dos aspectos mais salientes deste modelo de oração de Neemias.
1. Grande Reverência (v.5-6)

Primeiro devemos notar a frase no final do v.4, "1 orando perante o Deus dos céus". Ore e não nós. Nem sempre orar, estar ciente da presença de Deus em sua visão. Se fôssemos mais conscientes disso, nossas orações seriam diferentes.
Neemias era usado para estar na presença do rei da Pérsia. Ele sabia como se comportar na frente de Artaxerxes. Eu sabia que não havia ninguém para ser engraçado, ou confianzudo, ou relaxada, ou qualquer coisa assim. O grande dignidade e poder do rei da Pérsia requerem comportamento adequado (veja Neemias 2:1-2), incluindo a forma de falar (veja Neemias 2:3, 5, 7). "Deus merece nada menos?
Observe algumas características da reverência que Neemias estava rezando na presença de Deus
Seu nome: "Jeová" (v.5a), o eterno Deus, o Deus de Israel.
Título: "Deus do céu" (v.4b, 5b). Encontramos esse título em Jonas 1:9, Dan 2:18, Esdras 5:11-12, Neemias 2:4. Essas palavras falam da grandeza do Senhor. Há somente um Deus, uma parte da terra, mas é o Deus do céu e da terra.
Seus atributos: "forte, grande, maravilhoso, que guarda a aliança ea misericórdia" (v.5c). A primeira palavra em hebraico é "o", normalmente traduzida como "Deus", embora a própria palavra significa "forte". A KJV traduz o termo literalmente, enquanto que outras versões traduzem ", grande e maravilhoso Deus." A combinação de "grande e terrível", é repetido em Neemias 4:14. Esses adjetivos são uma reminiscência da revelação de Deus no Monte Sinai, e os textos como Deuteronômio 10:17, Salmo 66:3-5; Naum 1:2-8. Neemias teria estudado passagens como estas, e seu conceito de Deus foi moldada por eles.
Neemias também destaca a fidelidade de Deus e Sua grande compaixão.
Sua Soberania: Neemias descreve a si mesmo como "servo de teu" (v.6a). Ele era o copeiro do rei Artaxerxes grande. Pessoas empurrado por ele.Ele tinha um enorme respeito e até medo, porque Neemias poderia explorar a sua abordagem ao rei Artaxerxes para falar contra ele. No entanto, isso não afetou o coração de Neemias para nada. Pelo contrário, vendo o que significava estar na frente de Artaxerxes, ele meditou sobre o que significava a morada de Deus em oração. O bom uso da sua posição de copeiro do rei da Pérsia, para aprender a salvar a reverência perante o Deus de toda a terra.
REFLEXÃO: É um privilégio servir a Deus, mas há um perigo em ser um líder na Igreja. Podemos começar a sentir um pouco orgulhoso Uma maneira de saber se ser um líder nos afetou, desta forma, honestamente perguntar a nós mesmos, como nos aproximamos de Deus?
2. Sensibilidade para o Pecado (v.6b-7)

Esta segunda característica da oração de Neemias é clara a partir do conhecimento de Deus. Se Deus é o Deus do céu, Ele sabe tudo e vê todos os nossos pecados. Portanto, primeiro temos que dizê-lo, quando chegamos a Ele, que somos pecadores. Não adianta tentar fingir o contrário, ou lutar contra o que Deus diz sobre nós.
i. Aproximarmos de Deus em oração, Neemias confessou os pecados da nação: "Eu confesso os pecados dos filhos de Israel" (v.6b). Foram os pecados que ocasionaram a disciplina de Deus, o que resultou no exílio. Foram os pecados que ocasionaram a destruição de Jerusalém.Bastante Neemias confessa!

ii. Na verdade, o mais perto de Deus, Neemias identificou com os pecados. Confessou a Deus ", os pecados que temos cometido contra ti ... e se eu eo pai, minha casa pecaram" (v.6b). Neemias não tentou culpar os outros, não criticar e condenar os outros, mas que incluiu-se na confissão do pecado.

iii. Neemias explicou pecados: "Nós nos corrompemos contra ti, e não temos guardado os mandamentos, estatutos e ordenanças que você deu a Moisés, teu servo" (v. 7). Ele não tentou desculpar o pecado, ou diminuir, mas foi muito honesto, e falou em voz alta.


Por que é importante para a confissão do pecado quando oramos?
• Promove a humildade na presença de Deus.
• Ela nos ajuda a aceitar a nossa responsabilidade por aquilo que somos.
• Ela nos ajuda a ver a verdadeira natureza do problema que enfrentamos.
• Nós ouvimos as reivindicações que Deus (Lc 18:9-14)

Reflexão: Será que estamos realmente conscientes da gravidade de nossos pecados?
3. Centrado nas Escrituras (v.8-9)

Aproximarmos de Deus em oração, Neemias não trazer as suas próprias ideias ou pensamentos. O que ele fez foi ir para as Escrituras, para lembrar a Deus que Ele já havia dito. Ele fez, não só a reconhecer que Deus tinha todo o direito de punir Israel por seus pecados (v. 8), mas também para trazer à mente as promessas de Deus sobre a restauração espiritual (v.9).
Isto é tão importante. O Senhor ama fazer "lembrar" o que você disse nas Escrituras. Ele mostra uma boa atitude da nossa parte. Indica que as nossas exigências não resultem de nossas próprias idéias, mas surgem as mesmas promessas que Deus tem feito.
Neemias estava trazendo à mente Deut 30:1-5. Certamente, ele meditou sobre essa passagem. O "peso" que Neemias estava em Jerusalém foi transformada em uma "visão", através de sua meditação sobre a Palavra de Deus.
Perigo: Atualmente você ouve um monte de líderes visionários. A preocupação é que os líderes visionários nem sempre demonstram grande interesse em estudar a Palavra de Deus, ou uma vontade de se submeter às instruções bíblicas. Mas, se temos uma boa base bíblica, corremos o risco de inventar a visão humana, que nem sempre pode ser edificante para o povo de Deus, ou realista.
Tendo em conta que Neemias conhecia as Escrituras, ele sabia que Deus havia prometido fazer - restaurar o Seu povo (Dan 9:25). Como Deus ainda não estava fazendo isso, Neemias ousaram clamar a Deus em oração para ele.
ILUSTRAÇÃO: Oração na ilha de Lewis, por avivamento espiritual.
REFLEXÃO: Será que temos uma visão para o nosso ministério?
Temos a certeza de que essa visão reflete o que Deus quer fazer?
Como sabemos? O apoio bíblico devemos acreditar?







4. Reconhece a soberania de Deus (v.10-11)

É impressionante notar que Neemias colocou ênfase na soberania de Deus nestes dois versos:
• Os judeus são teus servos eo teu povo "(v.10)
• Eles existem porque "o ... redimidos pelo seu grande poder e com tua mão poderosa" (v.10)
• Neemias pergunta: "é ouvido" (v.11)
• Além disso, "... dá sucesso ao seu servo" (v.11)

Isto é de grande importância. Ao refletir sobre a soberania de Deus, Neemias percebeu várias coisas:
i. Ele foi o servo de Deus é o Mestre. Portanto, a responsabilidade de Neemias não estava inventando a sua própria visão, mas para pegar a visão de Deus. Ele podia sentir muitas coisas em Jerusalém, a questão importante era o que Deus fez de Jerusalém?

ii. Para todo o prestígio que ele tinha como copeiro, Neemias, afinal, era apenas um homem. Ele não podia fazer nada para Jerusalém. Mas ele meditava sobre o que Deus havia feito por Israel no passado (v.10), e pediu ajuda para ir ao rei Artaxerxes (v.11). Se algo acontecesse, era só porque Deus em Sua soberania, ia fazer, e não Neemias.

Enquanto Neemias estava prestes a falar com o rei Artaxerxes, sua confiança não era o rei da Pérsia, mas o Senhor, o Rei dos reis. É por isso que Artaxerxes de Neemias descreve como "o homem" (v.11)?
REFLEXÃO: reconhecer devidamente a soberania de Deus?
Não corremos o risco de pensar que eu sou a pessoa está fazendo quen
o trabalho?
Conclusão
Neemias passei muito tempo rezando. Precisamos de líderes que saibam rezar também. Quem conhece a Deus profundamente. Precisamos de líderes, cuja visão da obra foi concebida em uma atmosfera de oração.

O nascimento de uma visão
Neemias 2:1-10

Introdução
Neemias recebeu o relatório da situação em Jerusalém foi um "enorme" peso sobre ele, "peso" gerou a esta uma "visão" no coração de Neemias (Neemias 1:1-4a). Tínhamos que fazer alguma coisa para a cidade! Foi ele a pessoa certa para fazer?
Uma vez concebida a "visão", que levou um período de gestação durante o qual a "visão" foi desenvolvida na mente de Neemias, em uma atmosfera de oração (Neemias 1:04 b-11).
Agora é a hora de dar à luz a "visão". Neemias faz, falando com o rei Artaxerxes, e pedindo permissão para ir a Jerusalém, e fazer um projeto de reconstrução. Dar à luz é sempre difícil, doloroso e arriscado. Vemos que nesta passagem, quando "Nehemiah" risco de abrir seu coração antes do Grande Rei da Pérsia. É um momento de tirar o fôlego.
O que aconteceu? Como Neemias deu origem a esta "visão"?
1. O IMPACTO DA VISÃO de Neemias (v.1-2)

Para Neemias, a "visão" que se desenvolveu em sua mente e seu coração não era um acadêmico ou abstrato, mas tocou em algo no fundo de seu coração. Sabemos que o impacto que essa "visão" teve sobre ele. O v.1 indica que Neemias estava "triste". Ele usava a tristeza no rosto, mesmo durante o trabalho. Era um fardo que o afligia constantemente.
Rei Artaxerxes notado essa tristeza, e percebi que era algo sério. O que classifica como "tristeza do coração" (v.2). A questão é: por que Neemias foi assim?
Lembre-se que ele estava jejuando e orando (Neemias 1:4). Este versículo fala de "alguns dias", mas realmente foi muito mais do que isso. Em Neemias 01:01 lemos que Neemias recebido o relatório da situação em Jerusalém no mês chamado Kislev ". Mas Neemias 2:1 refere-se ao mês da"Nissan". Era o nono mês Kislev do calendário judaico, que corresponde ao nosso novembro / dezembro. Nissan foi o primeiro mês do calendário judaico, que corresponde a nossa Março / Abril. Em outras palavras, passou quatro meses. Durante este tempo de Neemias estava orando ao Senhor, perguntando o que fazer. A gestação da visão não foi algo rápido, ou foi algo agradável de Neemias. Afetou profundamente. Tanto que ele não conseguia se concentrar no trabalho, nem na corte do rei da Pérsia, Neemias podia deixar de lado seus pensamentos e seu "peso" para a cidade de Jerusalém. Sua vida tinha sido profundamente afetado pelo "peso" e "visão" que ele estava recebendo de Deus.
Esta é a marca de uma visão de Deus! Um líder visionário deve demonstrar o impacto que o "peso" de Deus está sobre sua vida. É um dos efeitos que acompanham o nascimento de uma verdadeira visão de Deus.
ILUSTRAÇÕES: Hudson Taylor, John Knox.
Reflexão: Será que temos esse tipo de visão para o ministério?
2. Um circunstâncias propícias (v.2-4)

Mas a nascer uma "visão" deve ser um segundo fator - uma circunstância propícia, permitindo o nascimento da "visão". No caso de Neemias, foi favorável ao reconhecimento de tristeza no coração de Neemias, pelo rei Artaxerxes, ea pergunta que ele fez (v.2). A questão em si era um sinal da graça de Deus e como Deus estava trabalhando para facilitar a entrega de visão. "Porque é triste o teu rosto?".
O temor expresso Neemias (v.2b) foi fundada. Nenhum rei na sua corte quer servos, com rostos muito tempo. " E o rei da Pérsia tinha o poder da vida e da morte! No entanto, basta fazer a pergunta, Neemias deu confiança para abrir o seu coração e diga ao rei sobre a situação que existia para a cidade de Jerusalém (v. 3).
O livro conta apenas um versículo, mas é provável que o que Neemias disse que era um pouco mais detalhada. De qualquer forma, disse o suficiente, não só para estimular o interesse ea preocupação do rei, mas também conseguiu transmitir o desejo de fazer algo sobre isso. Então o rei fez uma segunda pergunta importante: "O que é você?" (V.4a). A "Matrix" foi aberto, a visão era nascido.
Sempre será, quando a visão é de Deus.
Exemplo: Paulo para ser apóstolo (Atos 13:1-3), a viagem a Roma (Rm 1:13; 15:22 -
24).
Quão importante é a esperança deste propício! Às vezes, os médicos tentam apressar o parto, para a sua conveniência, mas é sempre arriscado e perigoso. Temos que esperar o momento certo. É igual ao líder visionário. Uma coisa é ter uma visão, mas o líder tem que ter certeza que é a vontade de Deus, e que é hora de Deus.
PERIGO: Moisés matando o egípcio.
3. Uma proposta ousada (v.5)

Quando chega a hora de dar à luz, do corpo da mulher o sugere, mas a mulher não é passiva, ela tem que empurrar. Para colaborar no processo.Assim, com o nascimento de uma visão. Vemos isso no caso de Neemias. Deus providenciou as circunstâncias corretas, mas Neemias tinha que fazer alguma coisa.
Neste momento crítico, Neemias fez duas coisas:
o Orou (v4b) - uma daquelas frases relâmpago, ou telégrafo.

o Ele sugeriu algo (v. 5) - algo extremamente ousado. Pediu permissão para ir a Jerusalém e reconstruir a cidade.

Porque era algo ousado?
i. Porque, para pedir permissão para ir a Jerusalém, Neemias Artaxerxes deu a entender (e outros no tribunal), que ele não estava feliz de servir ao rei da Pérsia, que preferiu não ser em outro lugar, fazendo outro trabalho!

ii. Por que pedir permissão para reconstruir a cidade de Jerusalém poderia ter sido interpretado como um ato de rebelião contra o império persa, porque foi o Império Persa havia ordenado a suspensão dos trabalhos de reconstrução (Esdras 4:17-24).

Como Neemias se atreveu a fazer tal ordem? Porque eu tinha uma "visão", que foi projetado por um 'fardo' que veio de Deus e foi concebido em uma atmosfera de oração. Em outras palavras, Neemias se atreveu a propor a sua fé.
Cada líder visionário deve ser um homem de fé. Se desejar, a fé é o "esforço" que promove o nascimento da visão. Sem fé não há visão, ou seja, sem a fé, a visão é nascido. Mas a fé que conduz ao nascimento de uma visão tem que ser uma fé que vem de Deus, e não apenas um desejo humano.
EXEMPLOS: Ester solicitando uma audiência com o rei Assuero, e em seguida, exigindo a presença de Hamã para um banquete (Ester 5:1-4).

Mulheres siro-fenícia, pedindo a Cristo que curasse sua filha
(Mateus 15:21-28).

4. Um plano preconcebido (v.6-8)

O quarto fator que deu origem à visão de que Neemias era o plano já tinha em mente, porque ele tinha imaginado em sua comunhão com Deus.
Rei Artaxerxes respondeu favoravelmente ao pedido de Neemias (v.6), e Neemias, que o encorajou a fazer mais dois pedidos, que apresentou um plano preconcebido de sua parte.
o solicitadas cartas de salvo-conduto para a viagem (v.7).
o Questionado sobre uma outra carta para obter os recursos para a reconstrução (v.8).

Neemias era um homem de oração, mas não havia, portanto, um homem baixo ou impraticável. Enquanto eu estava orando sobre a visão, queria saber como você pode reconstruir a cidade. Ele sabia o que ele precisava. Não espere que a luz verde, por Deus, basta começar a pensar seriamente sobre o plano.
Visionários têm de ser pessoas dinâmicas práticas. Eles têm que pensar sobre as coisas, as idéias de antecedência, etc De modo que quando as condições para dar à luz a visão, tudo está pronto.
EXEMPLO: Uma mãe prepara a roupa do bebê, etc., Para os nascituros.
Reflexão: Há uma visão que Deus está colocando em seu coração? Se sim, você já deve estar a pensar seriamente, ea elaboração de planos para implementar essa visão, pois a sabedoria de Deus.

Conclusão
A "visão" nasceu de repente! Qual é a explicação? Neemias não tem nenhuma dúvida sobre isso ", segundo a mão do Senhor é bom em cima de mim" (v.8b).

LIDERANÇA pastoral eficaz
Efésios 4:11-16 TEXTO
Introdução
A questão da liderança é fundamental para a Igreja (Pv 29:18).
Entre os diversos estilos e tipos de liderança que pode ser, uma congregação que mais precisa é uma liderança pastoral, dar origem a uma verdadeira pastoral da Igreja.
Também o que é necessário para ser uma liderança eficaz - no sentido de que este atinja os objetivos e finalidades que são desenhados.
O nosso texto chave é Efésios 4:11-16 (especialmente v.12).
Qual é o contexto dessa passagem? Paulo escrevendo à Igreja em Éfeso, duas seções principais:
i. A Obra de Deus na salvação do homem (Ef 1-3).
ii. Responsabilidade do Homem em termos de salvação (Ef 4-6)

Em Efésios 4, o tema é a importância de manter a unidade da Igreja (v.1-6). Deus tem trabalhado para alcançar essa unidade (v.7-13), e agora espera que os membros a trabalhar para fortalecer a unidade (v.14-16).
Em Efésios 4:11-16, observamos três princípios importantes para a liderança pastoral eficaz:
1. Cristo é a cabeça de o líder da Igreja (v. 11-12)
Cristo é o nosso modelo de liderança. Em João 5:17 e 19, o Senhor estabelece um princípio fundamental da liderança. Temos de trabalhar com o Pai!
Hoje, há uma forte ênfase no Ministério (devido à atual cultura do mundo moderno, que transforma o homem em "deus"). Na medida em que esta tendência nos incentiva a trabalhar, tudo bem, podemos evitar o perigo da passividade inerente calvinismo (ou seja, a resposta que foi dada a William Carey, quando ele lançou o desafio das missões).
MAS - o perigo é que uma atitude de "humanista" nos trabalhar de forma independente de Deus, estabelecendo a nossa própria maneira de trabalhar, e definirmos as nossas próprias metas, etc
O equilíbrio é, "Meu Pai ... obras, e eu trabalho também" (João 5:17).
Cristo não veio para fazer a Sua vontade mas a vontade daquele que o enviou (João 6:38). Para isso, o Senhor "ver" o que o Pai estava fazendo, e para dirigir o seu ministério nesta direção (João 5:19). A liderança da igreja deve começar a partir deste princípio fundamental.
agimos como se Deus deve ser encorajado a trabalhar! Às vezes, no entanto, nos primeiros capítulos de Atos, os apóstolos se esforçou para manter o ritmo com a obra que Deus estava fazendo - milhares de convertidos em Jerusalém (Atos 2:41, 4 : 4), "Samaria o encontro com Deus" (Atos 8:5-25), um novo trabalho na África (Atos 8:26-40), a conversão dos gentios (Atos 10), etc
Por que digo isso? A fim de compreender o que Paulo escreve em Efésios 4:12, "Para o aperfeiçoamento dos santos." Muitos acreditam que Paulo está descrevendo o que a liderança da igreja para fazer. Mas duas coisas sugerir que este seria um mal-entendido:
a. Contexto
Deve ser lida no contexto v.12 (v.7-11). A questão central é o que Cristo fez para a Igreja. Ele desceu a este mundo para nos salvar "(v.9), e depois subiu aos céus para nos dar dons espirituais (v. 10, p. 8).
Lembre-se que a KJV é traduzida do texto original, e que a divisão em versos não foi inspirado por Deus. Assim, poderíamos mudar a tradução do v.11-12, da seguinte maneira: "E ele mesmo, a fim de equipar os santos para a obra do ministério, deu uns como apóstolos, etc." Isso poderia indicar que o sujeito da oração é Cristo, Ele é o único que está conduzindo o trabalho.
b. O termo - "perfeito".
Existem dois termos diferentes no NT:
• "Teleios '(' completo ',' finalidade ',' maturidade '), aponta para a nossa responsabilidade (Mt 5:48, 19:21, 1 Cor 14:20, Ef 4:13, Cl 1:28).

• "Katartiz ou '(' completo 'no sentido de" reparação "ou" restaurar "). Chama a atenção para a obra de Deus (Mateus 21:16, Rm 9:22, Hb 10:5, 11:3).Embora por vezes utilizadas para o trabalho dos homens (Gálatas 6:1, 1 Tessalonicenses 3:10).

O contexto aqui parece apontar para a obra de Deus no crente. Deus deu dons aos crentes para estar pronto ("fixo") para servir a Deus e cumprir o Seu propósito em suas vidas. A fundação do ministério cristão não é o que a liderança da Igreja faz aos membros, mas que Deus faz por todo crente - o "perfeito" com pelo menos um dom espiritual, para que possa servir a Deus na edificação do corpo de Cristo.
RESUMO
A liderança da Igreja vem de Deus. Cristo é a cabeça da Igreja. O Pai dá a certas pessoas para salvar (João 17:6, 9; compare João 6:37-39). Cristo está a cargo de salvá-las. O Espírito Santo concede dons espirituais de acordo com o plano de Deus. E a propósito de tudo isto é que os membros do corpo de Cristo operando em conformidade com o plano de Deus.
O que isso significa para a nossa liderança? Temos de "ver" o que a Trindade está fazendo, e se encaixam com o trabalho. Para cada congregação, o trabalho vai ser diferente (variedade enorme!). Assim como Deus tem algumas "boas obras" que Ele quer que façamos como indivíduos (Ef 2:10), também tem algumas "boas obras" que Ele quer que cada congregação tem. Não é uma questão de copiar outras igrejas, mas para ver o que Deus quer para nossa congregação.
Para isso, devemos orar e esperar em Deus (Atos 13:1-3).
MAS, para evitar o perigo da inércia, deve-se notar um segundo ponto:
2. WE são chamados a trabalhar com ele (v.11-12)
A nossa missão como líderes é simplesmente a "cooperar com Deus na obra que está fazendo. Devemos trabalhar de forma independente de Deus, nem emcompetição com Deus, mas em paralelo com Ele.
Se Deus é o doador dos dons, o que é nossa responsabilidade?
a. Ensino - sobre os dons espirituais. Começando com os dons mencionados em Efésios 4:11, em seguida, continuar com os dons mencionados em 1 Coríntios 12:8-10.

Após ter ensinado, o próximo passo é ajudar os irmãos identificar seus dons espirituais. Isso leva tempo e paciência. É difícil com todos, mas uma deve ser capaz de fazer muitas. Pelo menos com todos em um ministério!
b. Disciple - sobre o uso dos dons espirituais. Isto implica várias coisas:

i. Desenvolver uma igreja "ministerial" / "carismática". Ou seja, conscientemente desenvolver vários ministérios na Igreja (como os presentes são reconhecidos).

ii. membros atribuir a estes ministérios como presentes.

iii. Coloque em frente a estes ministérios a um pastor ou líder dotado do talento necessário. Sua missão é não acumular todo o ministério, mas omodelo de ministério.

iv. Proporcionar uma oportunidade para os membros desses ministérios de serviço, sob a tutela eo olhar do pastor.

c. Pastorear - sob os cuidados dos "ministros". Você tem de "pastor" ministerialmente, ajudando a melhorar a utilização dos seus dons, oferecendo mais treinamento, carinho, orgulho, brigas entre os membros da equipe, etc


3. Nós temos que entender os objetivos de Deus (v.13-16)
Para alcançar uma liderança eficaz pastoral, não só devemos cooperar com Deus no caso do uso de dons espirituais, mas nós entendemos o que Deus objetivos.Onde está apontando para ele em tudo que ele faz?
Aqui estão algumas coisas que Paulo destaca-se no v. 13-16
a. 'Atividade total' (v.16)
É objetivo de Deus é "a atividade de cada parte." Cada membro da igreja deveria estar trabalhando, e trabalhando nessa parte ('metron') da obra a que Deus atribuiu, para colocá-lo no "corpo" de Cristo.
b. Spiritual Unity (v.13, 16)
O perigo, para desenvolver diferentes ministérios, é que nós poderíamos dividir a igreja. Este é um risco grave, e devemos evitar a todo custo! Uma maneira é compreender (e ensinar!) Deus é o objetivo que é trazer todos os crentes "para a unidade da fé" (v.13), ou seja, uma unidade conceitual. Todos os membros devem têm a mesma concepção da doutrina cristã.
Também deve haver um corpo por unidade (v.16). Esta é a responsabilidade de liderança - para fazer todas as partes do "corpo" funcionar como deveria, na unidade, por causa do "corpo".
NOTA: Não é fácil. Cada um acredita que o mais importante! Ensine 1 Coríntios 12:18-27. E ver como desenvolver uma vida congregacional em que este é colocado no manifesto.
c. O conhecimento de Cristo (v.13, 15)
O objetivo final de Deus não é funcional, mas cristológico. Isto é, Deus não se contenta em simplesmente criar uma congregação que funciona bem, mas procura formar congregações caracterizado pelo conhecimento de Cristo (v.13).
Congregacional vida deve manifestar à semelhança de Cristo - em caráter, em seu trabalho, suas atitudes, etc Não só os membros devem ser 'cristianoi ", mas mesmo as congregações têm" pequenos Cristos "!
Falar sobre uma série de ministérios!
d. Maturidade Espiritual (v.13, 14)
As crianças são caracterizadas por instabilidade (presentes, etc.) Kids 'espiritual' também são instáveis (espiritualmente), e são levados pelas tendências teológicas e eclesiásticas do dia.
AVISO: Satanás é responsável por usar "artimanha dos homens, que usaram para enganar o ardilosos artifícios do erro" (v.14).
A tarefa da liderança não é apenas para proteger a Igreja de tais coisas, mas para treinar os crentes de tal maneira que elas são cuidadas.
e. semelhança com Cristo (v.13)
Este é o grande objetivo: "." À medida da estatura da plenitude de Cristo alcançar É só quando temos essa igreja cheia de fiéis que se pode dizer que temos cumprido o ministério de liderar o povo de Deus.
"Lutar pelo Evangelho"
TEXTO Timóteo 2 1
Introdução
Paulo foi um grande soldado de Cristo. Por cerca de 20 anos tinha "lutado" para o evangelho (2 Tm 4:7). Ele está agora na prisão, e de quase morte (2 Tm 4:6).Dedique tempo para encorajar Timóteo a tomar a iniciativa, e continuar lutando "o bom combate".
No primeiro capítulo desta carta, Paulo enfatiza duas coisas que qualquer um que quer lutar para que o evangelho deve ter em conta:
1. A vida espiritual de que precisamos lutar bem.
2. As ações que nos encontramos nesta luta espiritual.

1. A vida espiritual de um 'soldado' DE CRISTO
Há três coisas que Paulo menciona neste capítulo, como um pré-requisito para ser um bom soldado de Cristo. Todos soldado cristão deve ter:
a. A fé genuína (v. 5, 9, 12)
Timóteo tinha uma fé não fingida "(v.5). A palavra grega é anupokritos «significado», «sem hipocrisia», Timóteo tinha uma fé verdadeira, com base no trabalho interno do Espírito Santo. A fé é um dom de Deus! Esta fé tem dois elementos importantes:
i. Segurança nos sentimos internamente.
ii. conteúdos específicos (v.9).

Isso se apega a fé de Cristo, e coloca os olhos na eternidade. Paulo teve este tipo de fé (v.12), e também vi Timóteo.
Reflexão: Que tipo de fé que temos 13:05? Cor 2
b. fervor espiritual (v.6)
Um soldado não pode lutar 'para significar' em um half-hearted. Deve ser fervorosa na batalha. Paulo era apaixonado. Vemos isso em toda a sua vida e ministério.
Mas eu sabia que Timóteo tinha um caráter diferente, tinha uma tendência a ser tímido, introvertido. Assim, Paulo exorta-os a viver uma vida de despertar espiritual (v.6). Somente o Espírito Santo pode dar fervor espiritual!
Não sabemos nada sobre isso? Você expressa em nossas vidas e ministérios?
c. Força Espiritual (v.7)
Não é o suficiente para ser sério. "Fervor" Há passageiros! O que é preciso é força espiritual. A força espiritual é importante abordar o sofrimento que nos espera, e evitar o perigo de vergonha (v. 8). A força é a capacidade de continuar quando as coisas ficam difíceis. É ter força espiritual.
EXEMPLOS:
Paul: Na prisão (v.8b) sozinho (v.15), mas não se envergonhavam (v.12).
Onesíforo (v.16-17).
ATENÇÃO: Alguns não eram firmes sob pressão do ministério (v.15).
Reflexão: Somos força espiritual?
2. As acções de 'Soldado' DE CRISTO um
Não basta ter uma boa vida espiritual. Você pode ter boas idéias e intenções, mas não fazem nada. Portanto, quatro coisas devem ser notado que os 'soldados' de Cristo deve fazer, em sua luta para que o evangelho:
a. Conhecer o Evangelho (v.9-10)
Cada soldado deve estar familiarizado com suas armas. O servo de Deus tem várias armas espirituais (2 Coríntios 10:3-5, Efésios 6:10-20), mas a principal arma é o próprio evangelho (Rm 1:16). Portanto, um ministro deve conhecer o evangelho. No v.9-10, Paulo menciona vários elementos importantes do evangelho:
i. A salvação é obra de Deus (v.9a).
ii. Deus chama à salvação (v.9a).
iii. a salvação do homem depende do propósito de Deus (v.9b).
iv. A salvação é de graça (v.9b).
v. Salvação é o resultado do trabalho exclusivo de Cristo (v.10a).
vi. Salvação dá vida e imortalidade (v.10b).

Reflexão: Não sabemos muito bem todos os elementos do evangelho?
b. O testemunho do Evangelho (v.8a, 11)
Não só temos de conhecer o evangelho, mas difundi-lo. Você tem que "dar testemunho" para ele. A palavra grega é "marturion. Assim, muitos morreram por seu testemunho cristão, mártir que a palavra é usada para descrever isso. Todos devem estar dispostos a sofrer algum embaraço, e participar das aflições do evangelho (v. 8).
Esse "testemunho" tem várias partes:
i. "Preacher" (v.11)

«GR» kerux - «Herald». Somos chamados a proclamar a mensagem que nos foi dado pelo Rei dos Reis. Fielmente proclamar! Não mude!
ii. "Apóstolo" (v.11)

«GR» Apostolos - 'enviados'. Usado principalmente daqueles que são enviados para "zonas brancas", para pregar o evangelho onde Cristo não é conhecido, e iniciar novas igrejas.
iii. "Master" (v.11)

«GR» didaskalos. Sua tarefa é a de instruir e edificar os novos crentes. É uma parte importante da Grande Comissão (Mateus 28:20). Nós não deveríamos apenas produzir decisões!
Reflexão: Qual é o nosso ministério?
c. preservar a integridade do Evangelho (v.13-14)
Ao espalhar o evangelho é importante para manter a integridade da mensagem, e não mudá-lo para ser popular ou aceita, ou medo da reação dos outros. Paul aponta para duas coisas específicas que cada servo de Deus deve fazer:
i. Hold "boa forma de expressão" (v.13).

O verbo grego ("ejo") significa "agarrar" ou "tê-lo com firmeza."
O substantivo, "forma" vem de uma palavra grega ('jupotupos'), como root ('tupos "), a marca ou a marca deixada por alguma coisa." Em espanhol, temos o tipo 'as palavras "ou" protótipo ".
Paulo está falando do evangelho. Indica um "rascunho" ou "esboço" do som ('literalmente' higiênica) palavra. As seguintes palavras ("Você já ouviu falar de mim") sugerem que Paulo foi quem deu "esboço" a doutrina (cf. 2 Tm 2:2). Na pregação, Timóteo deve garantir que não existem linhas o verdadeiro evangelho, recebida por Paulo.
Desafio: Não temos uma idéia clara das diretrizes básicas do evangelho?
ii. Salve o "bom depósito" (v.14).

Como um soldado "salva" um prisioneiro, ou um policial "salvar" um tesouro, Timothy é manter o tesouro do Evangelho. A palavra "depósito" em grego, aponta para algo que foi colocado no chão ao pé de Timóteo, e agora ele precisa salvar sua vida.
Paulo não só diz a Timóteo que ele tinha a fazer, mas como você deve fazer:
o Com "fé" (v.13). Não é suficiente para pregar o evangelho, devemos ter fé no evangelho. Não faz nenhum sentido e não importa o que você pensa!

o Com o "amor" (v.13). Não é o suficiente para servir a Deus, devemos amá-los. Se você não tiver amor, tudo o que fazemos é para os outros.

o Com o "Espírito Santo" (v.14). Somente o Espírito Santo pode nos ajudar a cumprir a tarefa. Não adianta tentar fazer "na carne".

Essas coisas analisar profundamente a nossa fé!
d. O sofrimento para o) Evangelho (v.8b
O soldado deve estar disposto a sofrer, entende que esta é a realidade em tempo de guerra. Paulo exorta Timóteo a eles (v.8b), e exibe seu próprio exemplo (12).Notamos que Paulo não se queixa de estar na prisão, tampouco, as condições na prisão. É um bom soldado!
Conclusão
A luta soldados, não só porque sabem que a causa é justa, mas porque esperam ganhar, e receber uma recompensa. Para o soldado de Cristo, a recompensa é eterna (v.12, 18).



"O sofrimento pelo Evangelho"

TEXTO 2 Timóteo 2:1-13
Introdução
Luta para os custos do evangelho. Vimo-lo em 2 Tm 1:08, 12. Nesta seção, Paulo está exortando Timóteo a se comportar como um bom soldado de Cristo. Uma das características de um bom soldado é que ele está disposto a sofrer. Paulo era um bom soldado (v.8-10), exorta Timóteo a ser também (v.3). O maior exemplo é Cristo (v. 8).
Como estão sofrendo por causa do evangelho?
1. ESFORÇANDO no trabalho (v.1)
A tarefa do Servo de Deus é difícil (v.2); tem que ouvir cuidadosamente, e você tem que pedir com cuidado.
Paulo usa três figuras para descrever o trabalho espiritual para fazer:
i. O soldado (v.3-4)
ii. O atleta ou gladiador (v.5)
iii. O agricultor (v.6)

Todo servo de Deus tem de trabalhar (v.1), o que significa sofrer por toda sua vida. O verbo "lutar" é a tradução de "endunamoo. É o mesmo verbo que Paulo usa em Efésios 6:10 ("ser forte"). Há duas coisas interessantes sobre esse verbo:
i. Paulo usa a voz passiva, que tem o sentido de "forças de decisões." Esta força não é algo que Timóteo deve fazer para si, mas deve deixar que Deus faça mais forte.

ii. Paulo usa o tempo presente, indicando que é algo que deve ser feito constantemente. Não é uma questão de um momento para ser reforçada, mas a ser reforçada a cada dia, cada batalha que enfrentamos.

De onde vem essa capacitação? "A graça que há em Cristo Jesus" (v.1b). É Cristo que nos fortalece (veja 1 Tm 1:12). Portanto, devemos permanecer "em Cristo", para aproveitar esta força espiritual.
Reflexão: Estamos conscientes de que a construção?
Será que perdemos a força espiritual?
Não podemos suportar o sofrimento no ministério do que esta força espiritual!

2. Privações Endure (v.3, 9-10)
Paulo exorta a Timóteo: "suportar a dureza" (v.3). Mais uma vez, temos de analisar cuidadosamente o verbo ("sunkakopatheo '). A preposição 'sol', significa 'junto com'. Paulo não está pedindo Timothy simplesmente estar disposto a sofrer pelo evangelho, mas para compartilhar esse sofrimento. É como dizer, "sofre com a gente" ou "sofrimento compartilhado".
No v.9-10, Paulo dá o exemplo de sua própria vida (v.9-10), embora o v.9 usa o verbo simples ('kakopatheo'). Para Paulo, o sofrimento pelo evangelho incluídos:
i. Prisão (v.9).
ii. Injustiça ("como um criminoso", v.9).
iii. dificuldades Geral (2 Cor 11).

O que levou Paulo a resistir a essas dificuldades? Sua resposta: "por causa dos eleitos ..." (v.10). Fê-lo em suas viagens missionárias, sofrendo por causa daqueles que seriam salvos, e faz agora na prisão, sofrendo por causa da Igreja. Veja 2 Coríntios 1:06, Ef 3:13, Col 1:24.
Reflexão: Será que estamos dispostos a sofrer pelo bem-estar espiritual dos outros?
3. Dedicado à tarefa (v.4)
Há dois perigos no ministério:
i. Jogar a toalha quando se trata tempos de sofrimento (por exemplo, João Marcos, Atos 13:13).

ii. Distrair com outras coisas (por exemplo, Demas, 2 Tm 4:10).

NOTA: O verbo "bagunça" ("empleko"), vem de uma raiz ('plek') que significa "dobra". É
utilizados na coroa de espinhos foi tecida e colocada sobre a cabeça de Cristo
(Mateus 27:29).
O servo de Deus deve manter os dois, especialmente o "entrelaçamento" com as questões do mundo. O aviso é claro - 1 João 2:15-17.
Exemplos de "EMARANHADOS ':
i. Engajar-se em um negócio para ganhar mais dinheiro.
ii. Procurar e aceitar cargos administrativos na Igreja (regional ou nacional), que apelam para o nosso orgulho, mas fazemos um bom trabalho evitando pastoral.
iii. Realizar uma pesquisa, simplesmente, em um esforço para conquistar mais títulos. Deus nos chama para servir, não para ganhar troféus!
iv. Envolver-se em relacionamentos românticos, que tiram muito tempo, e enfraquecer a nossa vida espiritual.

Negar estas coisas que nos vai custar muito, mas é a exortação apostólica. Você tem que sofrer pelo evangelho! Devemos nos dedicar à tarefa!
4. SEGUIR AS REGRAS (v.5)
Qualquer jogo ou esporte tem regras, os atletas têm regras, mesmo que os soldados têm regras. Às vezes achamos difícil se submeter a essas regras.
ILUSTRAÇÃO: O atleta que desobedecer a ordem de não tomar certas drogas, mas sabe que outros
fazer. Às vezes, os trapaceiros vencer, e aqueles que seguem as regras,
perdeu!
Servir a Deus também tem regras. Você tem que conhecê-los e apresentar-lhes, enquanto outros não, e eles parecem prosperar e são conhecidos.
Quais são as regras do ministério?
i. Você tem que servir no Espírito, e não confiar na "carne".
ii. Devemos nos dedicar à oração e ao estudo da Palavra.
iii. Devemos viver uma vida de santidade.
iv. Ser manso e humilde.

Todos os custos dessa dor e lágrimas!
5 semeadura. Na esperança (v.6)
A terceira figura é diferente é a de um agricultor. É uma pessoa que sofre com a esperança. Parte do sofrimento do agricultor para plantar, sem qualquer garantia de que haverá uma boa colheita. Para plantas:
i. Você tem de investir - comprar boa semente e outros insumos.
ii. Você tem que trabalhar - revirar o solo, removendo pedras e ervas daninhas.
iii. Temos de esperar - após o plantio, você tem que esperar.

Tudo isso custa, às vezes, envolve sofrimento. Veja Salmo 126:6 a.
Exemplo de Paulo (v.9-10). "O sangue dos mártires é a semente da Igreja".
Conclusão
Ninguém gosta de sofrer. Assim, Paulo termina nesta seção encorajar Timóteo a certas verdades espirituais que têm a ver com o sofrimento (v.11-13).
"Trabalhar para o EVANGELHO"
TEXTO 2 Timóteo 2:14-26
Introdução
ministério cristão exige não só lutar e sofrer, mas também de trabalho. Há certas coisas que fazemos e outras coisas a evitar. QUATRO ver as coisas específicas que Paulo diz que devemos fazer:
1. Necessidade de manter a sã doutrina (v.16-18)
Uma parte fundamental do ministério cristão é para manter "boa forma de expressão (2 Tm 1:13), nós também temos que manter" boas depositar o "(2 Tm 1:14).No primeiro século, foi necessária devido à proliferação de "e vã tagarelice profana" (v.16-18). Paulo exorta Timóteo para evitar esses falatórios perigosos porque produzir três resultados:
i. Levar a iniqüidade (v.16). Muitas vezes, as pessoas que se dedicam à luta contra a doutrina, ou enfatizar coisas estranhas acabam vivendo muito mal, ou escondendo uma vida. Por quê?

o Porque Satanás está por trás deles, portanto, as pessoas envolvidas nestas coisas acabam enredados no pecado.
o Devido à falta de andar no Espírito. A "carne" domina-los, e acabam em sérios pecados.
o Por não se submeter à autoridade da Palavra de Deus. Ao não fazê-lo, eles se tornam presas fáceis para as coisas que estão na moda (o homossexualismo, divórcio, etc.)

ii. Produzir gangrena espiritual (v.17). Gangrena - uma doença que está comendo a carne. Há um paralelo no mundo espiritual. Educação ('palavra', 'logos') de pessoas que se dedicam a "e vã tagarelice profana" come na vida espiritual dos ouvintes.

EXEMPLO: A Teologia da Prosperidade geralmente mata o interesse em
missões.
Como pastores, somos chamados para proteger o rebanho dessas coisas.
iii. Levar a um afastamento da verdade (v.18). Centrando-se sobre esses "e vã tagarelice profana", que terminou desviando-se da verdade. Muito pelo contrário manter a sã doutrina e salvar a coisa boa!

A verdade é que nos salva a desviar-se da verdade, acabamos em uma mentira ea mentira (que vem de Satanás) mata.
Assim, Paulo diz que o resultado é que "perverteram a fé de alguns."
Para cuidar de membros da Igreja, nós nos dedicamos a trabalhar para manter a sã doutrina.
2. Tem que desenhar BEM A PALAVRA DE DEUS (v.15)
Uma boa maneira de manter a sã doutrina é "manejar bem a palavra da verdade" (v.15).
Paulo recomenda a Timóteo que não disputa sobre palavras (v.14), mas sim usar a palavra (v.15). O que significa isso?
Paulo diz:
i. "Tente trabalhar duro" ("Seja diligente ..."). Faça um esforço! Ao estudar a Palavra de Deus não é ocioso.

ii. "Tentar agradar a Deus" ("Try a Deus aprovado ..."). Muitas vezes estamos preocupados com a impressionar os outros, quando tentamos impressionar a Deus. Devemos procurar a sua aprovação, não dos homens.

iii. "Tente não se envergonhar" ("Try ... [sendo] trabalhador que não precisa
vergonha ").
Às vezes ficamos muito ruim, porque nós não seguramos bem a Palavra de Deus. A
O pior de tudo, você ficar mal perante Deus no Dia do Juízo - especialmente se
nossa má gestão do evangelho foi que os nossos ouvintes são perdidos ou
para enfraquecer na vida espiritual.
iv. "Tentar ensinar corretamente a Palavra de Deus" ("Try ... [ser]
trabalhadores ... que maneja bem a palavra da verdade ").
O termo grego traduzido como "que usou", significa "cortar uma linha reta."
O uso de um fazendeiro arando uma linha reta ou um açougueiro que corta embora
carne de um animal. Devemos aprender a interpretar e aplicar adequadamente
Palavra de Deus!
Se fizermos essas coisas, o que vai acontecer?
o Irá manter a sã doutrina.
o Salvar ouvintes.
o Edificação da Igreja.
o Fiquem com Deus.

Reflexão: O que vamos fazer este ano para melhorar a nossa movimentação da Palavra
Deus?
3. Você tem que crescer em santidade (v.19-22)
O servo de Deus tem de cuidar não só doutrina, mas também sua própria vida espiritual (cf. 1 Tm 4:16). Como ele faz? Paulo menciona dois aspectos gerais:




a. Você deve evitar o pecado (v.19-22)
Deus sabe que somos Seus filhos (v.19a), que lhes dá a certeza da salvação. No entanto, os filhos de Deus têm a responsabilidade para o pecado (v.19b), literalmente "ficar do lado do 'pecado.
Paulo observou que nem todos os utensílios em uma casa usada para bons propósitos (20). Esta "casa grande" é a igreja visível. Nem todo mundo na igreja visível são verdadeiras ou verdadeiros crentes (cf. 1 Tm 1:20, 2 Tm 2:17). O que o crente deve fazer é limpar do pecado e da "carne", que será de bom uso de Deus (v.21). Paulo aplica esta a Timóteo (v.22a).
b. deve seguir Justiça (v.22b)
Deus dá ao crente a justiça de Cristo, esta é a base da sua salvação (Rm 3:21-24). No entanto, o filho de Deus deve "adicionar à sua fé" (cf. 2 Pe 1:5-8), seguindo (literalmente, 'perseguindo') "a justiça, fé, amor e paz" (v.22b ). deve esforçar-se para adicionar à sua santificação experimental.
4. Necessidade de desenvolver um bom caráter (v.23-26)
Não é suficiente para crescer em santidade, devemos também trabalhar para melhorar nosso caráter. Paulo destaca quatro aspectos do caráter do Servo de Deus
a. não deve ser contencioso (v.14, 23-24a).
É verdade que a vida cristã envolve a guerra espiritual, mas devemos evitar ser litigioso. Para fazer isso, devemos desenvolver uma natureza pacífica, para equilibrar a tendência que muitos têm de lutar para impor nossas idéias aos outros, ou para defender firmemente nossas visões e interpretações da Palavra de Deus.
O servo de Deus tem para dirigir o jogo, e exercer a liderança, mas deve sempre evitar brigas verbais, e argumentos fortes.
b. Seja cortês (v.24b).
A palavra grega que significa "concurso" (cf. 1 Tessalonicenses 2:7) ou "soft". Cristo foi! Temos de estar bem com todos, até mesmo pessoas com dificuldades ou litigiosas.
c. Devemos ser mansos (v.25a).
Às vezes, o líder tem de enfrentar situações difíceis, ou pessoas contencioso. Nesses momentos é muito importante que o servo de Deus sabe que domina, e agir com moderação.
EXEMPLO: Moisés (No. 12)



d. Você tem que perseverar (v. 25b-26)
Senhor O trabalho exige muita perseverança. Temos de trabalhar, mas é Deus quem faz o trabalho (v.25b). O que o servo de Deus deve fazer é perseverar até o Senhor trabalhar na vida dos outros. Se você não perseverar, será difícil para resgatar os outros da armadilha de Satanás (v. 26).
Conclusão
O ministério exige trabalho duro, precisamos da ajuda de Deus (1 Co 15:10). Trabalhe bem para que o evangelho requer que nós cuidamos nossa própria vida espiritual.
"Defender o evangelho"
TEXTO 2 Timóteo 3:1-17
Introdução
Toda e líder espiritual o pastor é chamado para defender a fé. É parte de seu sagrado dever como servo de Deus.
1. POR QUE DEVE defender o Evangelho? (V.1-9)
Paulo diz que o evangelho é "o poder de Deus" (Rm 1:16). Em caso afirmativo, por que você está defendendo? Paulo menciona três razões:
a. Porque vivemos em tempos difíceis (v.1-4)
Quando nos aproximamos do fim do mundo, "tempos trabalhosos" (v.1). O "perigo" tem a ver com uma onda de mal que a humanidade infectar (v.2-4).Curiosamente, a palavra "perigoso" (do grego 'Halepa'), o uso dos dois gadarenos possuía, em Mateus 8:28 ("feroz").
O mal satânico é nada de novo (cf. Rm 1:24-32). No entanto, nos últimos tempos, vai ser pior (Mateus 24:12). Essas pessoas vão atacar a mensagem do evangelho da salvação, pois condena o seu comportamento, e chama para o arrependimento.
Infelizmente, o povo de Deus ainda será afetado por este mal. Esta se manifesta na apostasia espiritual nos últimos tempos. Assim, terá de defender o evangelho.Isso não vai ser fácil! Nós ganhamos um monte de inimigos - dentro e fora da Igreja.
EXEMPLO: o próprio Paulo, que acabou sozinho e abandonado (2 Tm 1:15, 4:10, 16).
b. porque há pessoas que negam a sua eficácia (v.5-7)
Um dos perigos dos últimos tempos é que alguns muitos?) Líderes da Igreja ("ter a aparência de piedade, mas negando a eficácia dela" (v.5). Em outras palavras, se a forma externa da espiritualidade, mas negando a eficácia dela. "Eficácia" (do grego "dynamis") do evangelho é o poder de Deus para mudar vidas (Rm 1:16). Em 1 Coríntios 4:20 Paulo diz que "o reino de Deus não consiste em palavras mas em poder."
Esses líderes não só estrangeiros para o novo nascimento, mas negou a existência de tal coisa. Paulo usa o pretérito perfeito, para ser traduzido ", mas negando o seu poder" (ver ABVD). Ou seja, ter negado o poder do evangelho de antecedência, basta conceber a vida cristã em termos naturais. Não ter experimentado o poder de Deus em suas vidas, serão entregues aos seus desejos carnais (v.6), e será seguido por pessoas que fazê-lo (v.7).
Assim, terá de defender o evangelho:. Isto não vai ser fácil para a última vez que a ofensa, todos eles vão ser felizes vivendo assim (como nos dias de Noé), e aqueles que querem viver piedosamente serão perseguidos (v. acórdão 0,12).
c. porque as pessoas resistem ao evangelho (v.8-9)
Neste contexto, para defender o evangelho é perigoso, pois muitas pessoas reagem. Paulo cita o caso de Janes e Jambres (v.8a). Segundo a tradição judaica, esses eram os magos egípcios que se opuseram a Moisés e Arão, 07:11 Ex. Esses magos também tinha a forma de homens de autoridade espiritual, mas não sabia nada sobre o verdadeiro poder de Deus. Seus poderes tinham um limite (veja Ex 07:22, 08:07, 18-19).
Falando dos líderes espirituais do seu tempo (que já antecipando o que virá nos últimos tempos), Paulo diz que eles eram homens "corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé" (v.8b). Essas pessoas não terão sucesso (v.9), mas vai trabalhar mais para promover o evangelho. Assim, terá de defender o evangelho.Não vai ser fácil!
2. COMO TER defender o Evangelho? (V.10-17)
Se queremos defender o evangelho, devemos saber como. Teremos de ser sábio, resoluto e pronto para sofrer. Paulo dirige a Timóteo, que terá de defender o evangelho depois da morte de Paul. A maneira de defender o evangelho é:
a. Após a Doutrina Apostólica (v.10a, 14)
Paulo discipulados Timothy, e ele era um bom aluno. Assim, Paulo pode dizer: "você tem seguido a minha doutrina" (v.10a). significa 'acompanhar' O verbo grego e, portanto, transmite o sentido de "conhecer bem". Tim passou um tempo com Paulo. Ele sabia exatamente o que ele ensinou, e como ele viveu. Assim, foi de 2 Timóteo 2:2! Agora, Paulo exorta a Timóteo: "persistir no que você aprendeu e que acreditava firmemente" (v.14). O verbo é "meno", que significa 'ficar' ou 'ser'.
Para defender o evangelho, temos de aprender bem a doutrina cristã, estar convencido da veracidade da mesma e ficar com ela (em um mundo de grandes mudanças). Isto é o que Paulo exorta Timóteo em 1 Tm 4:16. Tendo aprendido, devemos considerar que a doutrina (cf. 2 Tm 1:13-14).
b. Seguindo o exemplo dos Apóstolos (v.10b-13)
Nós também deve seguir um bom exemplo de vida. Isto é feito, se necessário, o perigo dos últimos tempos (v.2-4). Timóteo teve o privilégio de aprender sobre o testemunho de Paulo (v.10b-11). Ele enfrenta agora o desafio de seguir o terno, e colocar em prática em sua própria vida. Isso não será fácil, no contexto da imoralidade do passado recente. Assim, Paulo encorajou Timóteo com dois pensamentos:

i. O sofrimento pelo evangelho é normal em um mundo de pecado (v.12).

ii. Ill continuarem a fazer batota, e vai de mal a pior, mas também sofrem as conseqüências (v.13).

O que Timothy tem a fazer é "pendurar", sabendo que aqueles que têm o discipulado, e que tipo de vida tiveram (v.14).
c. Após a Autoridade Apostólica (v.15-17)
A luta dos últimos anos, terá a ver com a fonte de autoridade. O mundo vai estabelecer sua própria autoridade (humanista) - que lhe permitem continuar com suas vidas de imoralidade. O líder cristão deve conhecer bem a única fonte de autoridade divina, que são as Escrituras. Eles têm a autoridade:
i. Sendo inspirada por Deus (v.16a).
ii. Para promover a sabedoria (v.15b).
iii. Para ser útil no ministério (v.16b).

Se o líder cristão você tem esta autoridade, ser um homem completamente equipado para toda boa obra "(v.17).
Conclusão
Somos soldados de Cristo. Temos de lutar para o rei, e defender o Seu evangelho. Ele nos dá a autoridade para fazê-lo (Sua Palavra), nos dá o poder de fazer (o Seu Espírito), e dar-nos o direito de fazê-lo (a chamada). Então, faça isso!
"O Evangelho"
TEXTO 2 Timóteo 4:1-22
Introdução
No final da carta, Paulo diz adeus a Timóteo, como se veria novamente. Sua última palavra tem a ver com a pregação do evangelho. Paulo exorta Timóteo a continuar este importante ministério, e descreve sua experiência como pregador e defensor da fé.
1. Da exortação de Paulo (v.1-5)
a. A solenidade da Exortação (v.1)
Três coisas dar solenidade a exortação de Paulo:
i. O verbo que ele usa: "Conjuro-te", "Rogo-vos," Eu solenemente testificamos ". A palavra grega é "diamarturomai. Ver a mesma palavra em 1 Tim 5:21.

ii. O fato de que Paulo dirigiu a Timóteo, na presença de Deus. Tudo o que Paulo fez e disse, fê-lo consciente da presença de Deus (cf. 1 Tm 5:21, 2 Tm 2:14). Quanto mais isso!

iii. Lembro-me de que Cristo é Rei e Juiz. Cristo vier para julgar e reinar. O julgamento começa na casa de Deus (1 Pedro 4:17) e, especificamente, para os pastores e líderes.

b. A urgência da Exortação (v.2)
Timóteo deve não só pregar a palavra, mas deve fazê-lo de uma forma:
i. Constantemente ("Esteja pronto a tempo e fora de tempo"). Deve ser dedicado a esta tarefa de forma permanente. Veja o exemplo dos apóstolos (Atos 6:4). Eles foram baseados no exemplo de Cristo.

ii. Caso repreensão, repreensão, e exortar (veja 2 Timóteo 3:16). Em outras palavras, você deve aplicar pregação. Isso é muito importante. Devemos ser guiados na aplicação, pense nisso, aplicar a Palavra em nossa vida em primeiro lugar. A pregação deve produzir mudanças substanciais na vida dos ouvintes!

iii. Você deve fazer isso com "paciência" e "doutrina". Deus é responsável por usar a palavra para fazer as alterações, o pregador deve ser paciente e esperar que Deus faça a obra. Não tente substituir Deus!

c. A necessidade de exortação (v.3-4)
Por que Timóteo deve se envolver no ministério de pregação? Paulo dá uma série de respostas a esta pergunta:
i. Chegará um momento em que eles querem ouvir "sã doutrina", não "ter" e não "tolerado". Portanto, enquanto houver alguma liberdade e aceitação, énecessário pregar. A noite vem quando você não pode pregar (João 9:4).

ii. Chegará um momento em que você tem "comichão nos ouvidos". orelha 'sting' Les ouvir certas coisas, mas esta comichão é de origem satânica, e não divina. Portanto, para satisfazê-lo seria um erro grave. Que tipo de pregação irá querer que o povo descrito em 2 Timóteo 3:5-7?

iii. Chegará um momento em que heap maus professores, ou seja, professores que têm os seus próprios critérios, e incentivá-los a buscar as coisas da "carne" e "mundo".

iv. Chegará um tempo quando longe da verdade. Eles vão fazer isso de propósito. Talvez Deus vai entregar a ele (veja 2 Tessalonicenses 2:10-12).

Essas coisas vão destruir a pregação da Palavra de Deus nas igrejas. Paulo alerta Timóteo sobre isso, e exorta-o a fazer algo sobre isso antes que seja tarde demais.
d. Aplicação da Exortação (v.5)
Para cumprir com esta chamada, Timóteo deve:
i. Ser "sóbria". A palavra significa "virar a partir de vinho." Timóteo tinha que estar em alerta constante, como um vigia. Um descuido pouco, eo trabalho de Deus, pude ver muito preocupado.

EXEMPLO: Atos 20:28-31.
ii. Deve suportar as provações. Este é o resultado daquilo que Paulo escreveu em 2 Tim 3:12. Voltar ao tópico de 2 Timóteo 1:8, 2:9-10.

iii. Você deve fazer o trabalho de um evangelista. Ganhar almas deve estar sempre na mira de cada pastor e líder, até os professores.

EXEMPLO: O desafio do pastor de Callao (FH).
iv. Deve cumprir o seu ministério, isto é, 'tirar', 'totalmente completos. " Veja o exemplo de Paulo (Rm 15:19), e as palavras de Paulo em Colossenses 4:17.

2. A experiência de Paulo (v.6-22)
Ao concluir a carta, Paulo sabe que o fim de sua vida está prestes (v.6). Ele termina sua carta, dizendo algo de sua experiência no ministério da pregação. Ele faz a encorajar Timóteo, e para orientá-lo sobre as lutas que têm de cumprir esse ministério.
a. A fidelidade de Paulo (v. 7)
Paulo termina sua vida e ministério com a consciência limpa. Deus tem sido fiel.
i. Ele combateu o bom combate.
ii. Ele terminou a corrida.
iii. Manteve a fé.

Que tremenda confiança ea confiança era Paulo! Ele se assemelha muito ao Senhor Jesus (João 4:34, 17:4).
b. Outros Infidelidade (v.10, 14-16)
Enquanto os outros também foram fiéis (cf. v. 10b-12), nem todos eram. Paulo adverte de alguns incrédulos trabalhadores
i. Outros (v.10a).
ii. Alejandro (v.14-15).
iii. Muitos outros, que abandonaram Paulo (v.16).

c. A fidelidade do Senhor (v.17-18)
A beleza, para Paulo foi a fidelidade de Deus:
i. Ele não deixou (v.17a).
ii. Ele deu-lhe força (v.17b).
iii. Ele vai continuar a ajudar até o fim (v. 18).

Conclusão (v.8)
Servir a Deus é muito exigente. Nós nunca será popular. Vamos ter de encarar o mundo eo diabo. No entanto, há uma recompensa enorme - "a coroa da justiça".


TRIUNFANTE MINISTÉRIO

TEXTO 2 Coríntios 2:14-17
Introdução
Paulo era um grande servo de Deus, um homem de imensa fé e coragem. No entanto, também experimentou muitas lutas no trabalho. Paulo menciona uma dessas lutas em 2 Coríntios 2:12-13. Além disso, no versículo 11, Paulo se refere a Satanás como um dos maiores inimigos do ministério (compare Efésios 6:10-12).
No entanto, no versículo 14, Paulo muda de repente o tom eo discurso de triunfo que ele estava experimentando diariamente no trabalho. A questão é: como foi que Paulo podia sentir triunfante no ministério? A triste realidade é que muitos de nós, se formos honestos, fomos derrotados no ministério, escrita em um beco sem saída. Qual é a solução? Como podemos ser "mais que vencedores", em meio às lutas do ministério cristão?
1:. A CHAVE DO SUCESSO A Soberania de Deus (v.14a)
Qual é a chave para o sucesso no ministério cristão? Como Paulo pode ser tão positivo no meio das lutas do ministério? A chave é reconhecer a soberania de Deus.
a. Deus é soberano sobre Satanás
O grande inimigo do ministério cristão não é a "carne" (mas isso causa muitos problemas pastoral!), Ou o "mundo" (embora nós estamos em constante conflito com o "mundo"), mas o próprio Satanás. Ele está por trás das outras coisas! No entanto, o servo de Deus é chamado a concentrar-se em Satanás, mas transformar as suas vistas sobre as coisas celestiais (Colossenses 3:1-4, Hb 12:2-3).
Na luta contra Satanás, Deus já conquistou a vitória através de Cristo. Paulo descreve isso em Colossenses 2:15. Portanto, o servo de Deus são chamados a viver dentro desta vitória (porque ele está "em Cristo").
Paulo estava ciente da enorme oposição de Satanás no ministério (Rm 1:13, 1 Tessalonicenses 2:18, 1 Co 16:8-9). Encontrado o mesmo em Trôade (2 Coríntios 2:12-13). No entanto, Paulo aprendeu a reconhecer a soberania de Deus em tudo isso. Embora Satanás estava trabalhando para o mal, Deus usou para o bem (como é o caso de José - Gn 50:20).
REFLEXÃO: "Nós reconhecemos a soberania de Deus e do Seu triunfo sobre Satanás?
b. Deus é soberano sobre as circunstâncias
Às vezes, circunstâncias adversas surgem no trabalho. Isso é o que Paulo encontrou em Trôade. Houve uma grande oportunidade para servir ao Senhor, mas havia um problema - Eu estava sozinho e, portanto, ele confessa, "não tive descanso no meu espírito" (2 Coríntios 2:13). Isso o levou Paulo a Trôade sair e ir para a Macedônia. No entanto, à chegada ao Macedónia, os problemas não são resolvidos. Tal como foi reconhecido em 2 Coríntios 07:05, "quando chegamos à Macedônia, a nossa carne não teve descanso, mas fomos incomodados em todos ...." Mas entre todas as lutas, a experiência de Paulo foi que "Deus ... nos consolou com a vinda de Tito ..." (2 Coríntios 7:6).
Às vezes, Paulo também pode ver como as circunstâncias tão adversas que estavam no início, foram para melhor - para a soberania de Deus (Fl 1,12-14).
REFLEXÃO: Nós reconhecemos a soberania de Deus sobre as circunstâncias da nossa vida?
2:. A prova do sucesso do perfume de Cristo (v. 14b-16)
Como se manifesta essa vitória? Uma maneira é que o bom perfume de Cristo está espalhada por todo o mundo (v. 14b). Paulo está usando a imagem de um general triunfante, entrando na cidade de Roma, acompanhado por uma bela fragrância (a queima de incenso nas ruas). Para Paulo, o "perfume" é nada menos do que o "conhecimento" de Cristo. O nome de Cristo é como um ungüento derramado (Cantares 1:3). Assim, juntamente Paulo desenvolve seu ministério, bem como o nome de Cristo é proclamada (e conhecido por mais pessoas), produz um belo "perfume" em todo o mundo.
No entanto, Paulo passa a discutir dois outros aspectos da fragrância.
a. É uma fragrância diante de Deus (v.15)
A palavra que Paulo usou aqui ("eu ou o dia") é muito especial. É a palavra que foi usada no Velho Testamento sacrifícios, que eram um cheiro agradável a Deus (cf. Ex 29:18, Lv 01:09, compare Ef 5:2 e Fp 4:18). O serviço prestado a Deus que Paulo, apóstolo, era uma espécie de sacrifício (especialmente considerando o sofrimento que este serviço envolvido), no entanto, que uma bela fragrância emanada sacrifício diante de Deus - nada menos do que a fragrância em si Cristo.
Perfumes b. diante dos homens (v.16)
Esta mesma fragrância que emana dos seus serviços de homens apostólicos impactados. No entanto, eles senti-lo de maneiras diferentes de acordo com sua condição espiritual.
i. Para aqueles que estão perdidos - não havia um cheiro de morte. Algumas pessoas, quando em contato com alguém que serve a Deus (como Paulo), eles se sentem desconfortáveis. Sua presença não é nada agradável. É um 'cheiro de morte "para eles! Portanto, rejeitá-los, e longe deles. Esta recusa indica sua condição espiritual - estão indo para a danação eterna.

ii. Para aqueles que são salvos - foi um cheiro de vida. Outras pessoas, quando em contato com alguém que serve a Deus (como Paulo), são atraídos.Sua presença é muito atraente. É um 'cheiro de vida para eles! Assim, aproximar-se deles e procurar a sua presença. Esta pontos acordo com sua condição espiritual - são o caminho para a salvação.

Esta consideração leva Paulo a exclamar: "E para estas coisas, que é o suficiente?" (V.16b).
3:. AS IMPLICAÇÕES DO TRIUNFO Ética Ministerial (v.17)
Dado que Deus em Sua soberania, tem sempre o triunfo aos Seus servos, há certas implicações que Paulo menciona no verso 17. Estas implicações têm a ver com ética ministerial.
a. Nenhuma palavra paródia (v.17a)
Embora muitos possam fazer! Eles fazem isso porque não experimentar a vitória em Cristo. Este foi o caso com o falso "apóstolos", que tinha chegado a Corinto ea Igreja eram enervantes.
Infelizmente, vivemos em uma época em que muitas empresas do ministério. "Falsificar" a Palavra, pregando uma mensagem apelando para a "carne" e ganhar muitos seguidores. Portanto subestimar os verdadeiros servos de Deus, que muitas vezes têm menos seguidores.
Mas Paulo permaneceu calma, confiar em Deus, e não tentar copiar os falsos ministros.
b. Falar com sinceridade (v.17b)
O servo de Deus pode falar com franqueza, porque eles estão procurando um sucesso barato. A palavra "sinceridade" é muito interessante em grego. O termo,jeilikrineia 'significado', 'julgados pelos raios do sol. " A idéia é de uma limpeza total, não há nada escondido. É tão limpo, que nem os raios solares identificada uma mancha em sua vida e ministério.
O verdadeiro servo de Deus:
i. De Deus. A mensagem que é pregada é aquela que vem de Deus, literalmente, fora de Deus ('ek'). Assim como Cristo falou únicas coisas que ela ouviu o padre falar, portanto, deve ser cada servo de Deus. Ministério dele deve ser apenas um eco de Deus!

ii. Antes do servo de Deus Deus está ciente de que Deus está vendo o seu ministério. Assim, a pregação está ciente de que a própria presença de Deus.Isso faz com que você tenha muito cuidado com tudo que ele diz, e fala com honestidade tremenda, sabendo que ele será julgado por aquele que está testemunhando o seu ministério.
iii. "Em Cristo" O verdadeiro servo de Deus desenvolve seu ministério reconhece que "em Cristo", ou seja, o poder de Cristo.

Conclusão
Não servimos a Deus em triunfo, com um espírito positivo? Será que estamos espalhando um bom perfume de Cristo, ou o cheiro da nossa "carne"? O que as pessoas pensam de Deus, para testemunhar o nosso ministério?
LÍDER NO PODER DO ESPÍRITO
Introdução
Ao dar a Grande Comissão, Jesus enfatizou a importância do poder do Espírito Santo para fazer o trabalho (Lucas 24:49, Atos 1:8).
Hoje se fala muito do "poder espiritual". Nós os chamamos de exemplos de programas cristãos, eventos da cidade, livros ("Bom Dia Espírito Santo"), etc
Cristo alertou sobre os falsos profetas, que tendia a tornar as coisas o poder dramático (Mateus 7:15-16, 21-23). Mas também exemplificou a realidade de um ministério realizado no poder do Espírito Santo (Lucas 4:14-15).
1. A recepção do poder do Espírito
Os quatro Evangelhos falam do batismo de Cristo na água. Mencionando a manifestação do Espírito Santo como uma pomba (Mateus 3:16-17, Marcos 1:9-11, Lucas 3:21-22, João 1:32-33) . Estar nos quatro Evangelhos, deve ser de grande importância. Este é o modelo para o ministério cristão (João 20:21-22).
Isso foi profetizado no Antigo Testamento figura temos o "Servo do Senhor" (Isaías 42:1, Mateus 12:18, Isaías 61:1, Lucas 4:16-19).
Uma questão fundamental é que, quando recebemos essa unção de poder?
a. No tempo do Novo Nascimento

Pedro prometeu o dom do Espírito Santo a todos aqueles que se arrependem e crêem em Cristo (Atos 2:38). Paulo diz que todo crente tem o Espírito Santo (Rm 8:9), João é confirmado (1 João 2:20, 27). Paulo descreve esse momento em 1 Coríntios 00:13.
Cada crente deve ter alguma evidência da presença do Espírito Santo em sua vida
(Ver Atos 19:1-2).
b. Mais tarde, em momentos de necessidade

Os apóstolos receberam a unção em Atos 2. No entanto, dias depois, Deus lhes deu o preenchimento de novo o Espírito Santo (veja Atos 3:3-4, 12; 4:31, 5:03, etc.) A mesma coisa aconteceu com Paulo (veja Atos 09:17, 13:9). Portanto, não depende apenas da experiência do novo nascimento.


c. Mais tarde, como resultado de uma pesquisa

O crente tem o dever de buscar a plenitude também (Lucas 11:13). Um exemplo disso em Atos 4:29-31. Paulo exigidas de cada crente (Ef 5:18). Como posso olhar? Na oração, desejo de plenitude, vivendo em santidade, esperando o tempo de Deus, etc
Como disse o poder do Espírito Santo na vida de Cristo maneiras? Em duas principais:
i. Em sua vida diária, mostrando uma qualidade de vida diferente dos outros.

ii. Em seu serviço a Deus, demonstrando enorme poder e autoridade espiritual.

2. O poder de viver a vida cristã
Em Atos 6, quando a igreja necessária membros do serviço diaconal, a primeira exigência era a plenitude do Espírito Santo (Atos 6:3). Por que isso foi tão importante? Porque a eficácia do ministério cristão depende da qualidade de vida que temos.
Lucas diz que não só os apóstolos, mas outros líderes cristãos da Igreja primitiva, eram homens marcados pela presença do Espírito Santo. Sua vida testifica. Por exemplo: Estêvão (Atos 6:3, 8, 10, 55), e Barnabé (Atos 11:24).
Liderança exige muito da vida nos expõe a muitos riscos, dificuldades, tentações, etc Portanto, é necessário ter a presença do Espírito Santo em nossas vidas.
Curiosamente, quando Cristo foi cheio do Espírito Santo, este o levou para o deserto para ser tentado (Lucas 4:1-2). Sui ao longo da vida foi tentado (Hb 2:18, 4:15), resistiu a pelo poder do Espírito. Não só isso, mas o Espírito Santo estava nele, todos os frutos da Sua presença (Gl 5:22-23). Isaías descreve essa (profética), em Isaías 11:2. Cristo tinha uma qualidade de vida, que ganhou o respeito de muitos, e fez o povo para se aproximar dele
Por fim, ainda deu a Sua vida pelo poder do Espírito Santo (Hb 9:14).
Um dos problemas na igreja contemporânea é que, embora haja uma ênfase muito grande sobre o poder do Espírito Santo para fazer milagres, em muitos casos também, as pessoas que manifestam esse poder, não mostram os frutos do Espírito Santo. A ganância, orgulho e outras evidências de carnalidade tornar a vida desses grandes líderes espirituais, e não a simplicidade, humildade e quebrantamento de espírito.
Sansão é um dos mais claros exemplos do perigo de ter o poder do Espírito Santo para o ministério, mas não revelou a plenitude do Espírito Santo na vida diária. Durante algum tempo ele ainda pode funcionar bem, mas cedo ou tarde virá o fracasso espiritual.
DESAFIO: Como líderes, temos de aprender a "enfeitar" a doutrina de Deus (Tito 2:10).
É, portanto, necessário para receber a plenitude do Espírito (João 7:37-39).
3. A unção do Espírito no Ministério
Cristo, cheio do Espírito Santo, voltou do deserto, e começaram a desenvolver um ministério no poder do Espírito Santo (Lucas 4:14-15, 32, 35-36, 38-39, 40-41, 5:17). Esta foi a marca do ministério de Cristo - o poder! A chave? A investidura ea manifestação do Espírito Santo em Seu ministério (Mateus 12:28).
Cristo serviu ao Pai no poder do Espírito Santo!
O mesmo ministério confiado aos Apóstolos. Ele disse que seu ministério seria ainda maior devido à presença do Espírito Santo em suas vidas e ministério (João 14:12, Marcos 16:17-18).
Descobrimos que o cumprimento do ministério dos apóstolos na igreja primitiva (Atos 4:08, 31; 8:6-7, 29, 39).
REFLEXÃO
Como estamos no assunto da plenitude do Espírito Santo?
Será que temos o Espírito Santo em nossas vidas?
Será que temos a plenitude do Espírito Santo em nossas vidas?
Que provas temos isso?
REQUISITOS
Ministério Cristão

TEXTO 2 Coríntios 4:1-18
Introdução
Tendo descrito como "o mais eminente a glória" (v.10), do ministério do Espírito "(versículo 8), Paulo continua a falar sobre as exigências deste ministério.
NOTA: O operário fraudulento "promovido por força de lei, precisamente porque
disposta a se submeter às exigências do ministério do Espírito - o ministério cristão.
O que é exigido por este ministério? Em 2 Coríntios 4, Paulo aponta três requisitos básicos:
1. INTEGRIDADE (v.2-6)
Integridade é uma questão fundamental no ministério cristão. Integridade do ministério inclui diversas coisas que Paulo menciona.
a. Há coisas que temos de compreender (v.3-4, 6)
Primeiro, a integridade no ministério exige que entender duas coisas importantes:
i. Você tem que entender a verdadeira condição espiritual do homem (v.3-4). Compare 1 Coríntios 2:14, e veja Ef 2:01.

ii. Você tem que entender o trabalho que somente Deus pode fazer no ministério cristão (v.6). Compare Ef 2:4-6.

Essas coisas vão nos ajudar a trabalhar com integridade em relação ao evangelho.
PERIGOS DE HOJE: (1) Ter uma doutrina muito positiva do homem (que o homem pode
compreender a mensagem que pregamos, ea única coisa que temos que
fazer é fornecer a motivação que você precisa para vencer
atrações do pecado).
(2) Ter um excesso de dependência em que o pregador (ou igreja) pode
fazer para ajudar o pecador a "entrega" de Cristo.
b. há coisas a renunciar (v.2a, 5a)
Em segundo lugar, a integridade do ministério exige que abramos mão de certas coisas. Paulo destaca quatro coisas que precisamos renunciar, para manter nossa integridade no ministério:
i. Temos de dar "secreto e vergonhoso" (v.2a), literalmente "coisas escondidas de vergonha." Isto é, as coisas são feitas "em segredo", e são de propriedade de "vergonha". Essas coisas poderiam ser as ações feitas em segredo (pecados vergonhosos), ou atitudes, realizada em segredo (porque produzem vergonha, se a partir do ar.)

ii. Temos de dar "andar" com dolo "(v.2a). Cada crente deve "andar na luz" (1 João 1:5-7), ou seja, deve haver uma "transparência" em tudo que faz.Não deve haver tais "sutilezas" do mundo político e comercial, onde se procurou maneiras de tirar proveito de algo ou alguém.

iii. Você tem que dar a "adulteração" da Palavra de Deus - o evangelho (v.2a). A palavra grega usada "adultério" vinho e dourado. Como é isso? Às vezes, tendo alguns, mas geralmente é adicionar algo. Os judaizantes estavam adicionando a lei, o evangelho (compare Atos 15:01, 10-11). O evangelho é o poder de Deus (Rm 1:16). Mas se você 'adulterar', perde a sua eficácia!

iv. Temos de nos resignar a anunciar, anunciar-se (v.5a). Os judaizantes fizeram - eles trouxeram cartas, afirmando que eles foram grandes líderes da igreja em Jerusalém, etc (veja 2 Coríntios 3:1) mesmo. Esta é a grande perigo, hoje, todo mundo está promovendo.

Reflexão: O ministério cristão exige que sejamos totalmente diferente "mundo".
MODELO DE INTEGRIDADE - O Senhor Jesus Cristo
c. Há coisas que devemos fazer (v.2b, 5b)
Em terceiro lugar, a integridade no ministério exige que façamos certas coisas. Paulo aponta quatro coisas em particular que cada servo de Deus deve fazer:
i. Manifestando Verdade (v.2b). Satanás é o "pai" de mentiras, e mentiras, o mundo é "trevas" espirituais em. O servo de Deus deve combater esta fazendo brilhar a "verdade" na "escuridão". O objetivo do ministério cristão não é tanto para ter a "batida" de números, mas têm "sucesso"verdadeiro. Alguns líderes cristãos 'vender' a verdade, em um esforço para "comprar" o sucesso. Nunca devemos fazer isso (Pv 23:23).

ii. Recomendar a consciência de todos (v.2b). Vivemos e trabalhamos de forma que recomendamos aos nossos ouvintes ciente (veja 2 Coríntios 5:11). Não deve haver nada em nós que afeta a consciência dos outros - que é um pé de revés para eles. Exemplo de Paulo (1 Coríntios 9:18). Para ouvir todos os perdidos deve ter uma impressão em sua consciência, que são completos, e nós servimos a um Deus de amor por Ele e os homens, e não por interesse pessoal.

iii. Pregamos a Cristo como Senhor (v.5b). Nossa tarefa é proclamar Cristo (não uma igreja, ou um método, etc) - 1 Coríntios (2:2 comparado com 1 Co 1:22-23). Ver Cristo é o centro do evangelho e nós apresentá-lo como Senhor - Senhor de nossas vidas (como os ministros), e Senhor de todos os seres humanos (veja Atos 17:30-31).

iv. Apresentar-nos como servos dos nossos ouvintes (v.5b). Paulo usa a palavra "Doulos" ("escravo"). Os judaizantes queriam "escravizar" o Corinthians, têm poder sobre elas (veja 2 Coríntios 11:20). O verdadeiro servo de Deus nunca faria isso (veja o exemplo de Paulo - 2 Coríntios 11:21, 9; 1:24, e comparar o exemplo do próprio Cristo - Marcos 10:45, João 13:3-5, 14-15 .) Peter nunca esqueceu essa lição (1 Pedro 5:3).

Reflita: Será que estamos fazendo isso?
Integridade no ministério é difícil, mas o ministério cristão exige mais ainda. Exige:
2. SACRIFÍCIO (v.7-12)
Este não é um conceito popular em nosso tempo! Vivemos em dias onde o materialismo nos encoraja a buscar uma vida de facilidade e conforto. 'Sacrifice', negar a si mesmo, vai totalmente contra a cultura pós-moderna. No entanto, seguimos um Cristo crucificado e, portanto, o ministério cristão ainda requer uma atitude de sacrifício para o bem dos outros.
O que devemos sacrificar?
a. Você tem que sacrificar o nosso orgulho (v.7)
tudo, há uma tendência a querer realizar a sua. melhor no 'olhar' é muito importante hoje - eu estava também Paulo em tempo (especialmente na Grécia grega, a cultura que venerava a beleza corpo humano).
Paulo tinha um problema - a sua aparência não era muito atraente (a tradição diz que ele era plana, com pernas arqueadas, e um nariz aquilino.) Resultado? Osincrédulos observavam com desprezo (porque estava com medo de pregar em Corinto? Veja Atos 18:9-10, e compare 1 Coríntios 2:1, 3). Os judaizantes fez o mesmo (2 Coríntios 10:10).
Como Paulo? Ele não cair na armadilha de tentar encontrar coisas nele (atributos pessoais, tais como sabedoria) para compensar sua fraqueza física (veja 2 Coríntios 10:7-9, 12-18). Mas humildemente reconheceu sua fragilidade humana e comparada com um vaso de barro (2 Coríntios 4:7).
Paulo sacrificou o seu orgulho pessoal, que Deus recebe toda a glória em seu ministério!
Reflexão: Será que estamos dispostos a fazer o mesmo?
b. Devemos sacrificar nossos COMFORT (v.8-12)
Paulo foi treinado como um "rabino", poderia ter desenvolvido um ministério tremendo de educação, ou em Jerusalém ou em Antioquia (onde todos nós admiramos de seu conhecimento e dom de ensinar, o que seria convidada para todas as casas dos irmãos, que recebem convites de várias igrejas, para ensinar a Palavra de Deus.)
Mas em vez disso, um ministério dedicado ao evangelismo, viajando ao redor do mundo. Isso envolveu um tremendo sacrifício pessoal. Paulo menciona algumas delas em 2 Coríntios 11:23-28. Os montantes em 2 Coríntios 4:8-9 ("incomodado ... em apuros ... perseguidos ... abatidos ..."). Senti como se estivesse em seu corpo ", previsto pela morte de Cristo" (2 Coríntios 4:10).
Por que? Porque ele tinha aprendido um dos primeiros cristãos ministério extraordinário - não pode haver vida (outros) se não houver a primeira morte (self).
Cristo ensinou a Seus discípulos (João 12:24). Ele havia mostrado em sua própria experiência, através da morte na cruz que trouxe vida para muitas pessoas. Agora era Paulo ao vivo (2 Coríntios 4:11-12). Esta é a maior manifestação do amor! João 15:13, Romanos 5:7-8.
Reflexão: Será que estamos dispostos a sacrificar para que outros possam viver?
ministério cristão requer integridade e sacrifício. É relativamente fácil de fazer em determinado momento. Mas o ministério cristão exige este longo da vida. Essa fala de:
3. Perseverança (v.1, 13-18)
Como Paulo aguentar muitos anos no ministério cristão? Aqui estão alguns princípios que Paulo diz aqui, que o ajudou a continuar no ministério, e nós poderíamos ajudar-nos a perseverar na obra de Deus.
a. A Misericórdia de Deus (v.1)
Paulo era extremamente consciente da misericórdia de Deus em sua vida.
i. A misericórdia de Deus na salvação (1 Tm 1,12-16).
ii. A misericórdia de Deus na chamada para o ministério (2 Coríntios 4:01, 5:18).

Ao meditar sobre estas coisas, Paulo recebeu o incentivo que precisava para continuar, ano após ano no trabalho.
Reflexão: Você está ciente da misericórdia de Deus em nossas vidas?
Ou somos tentados a reclamar o tempo todo?
b. A Glória de Deus (v.15)
Outra coisa que levou Paulo a continuar no ministério cristão era a glória de Deus. Como Deus é glorificado através do ministério de Paulo?
i. Na conversão de muitas pessoas - a mudança em suas vidas para honrar e glorificar a Deus (cf. 1 Tessalonicenses 1:9-10).

ii. Na consolação espiritual que muitos crentes iriam receber, através do ministério de Paulo, e dêem graças a honrar e glorificar a Deus (2 Coríntios 4:15).

Quando Paulo estava tentado a jogar a toalha, pensei em como esta desgraça a Deus!


c. a recompensa eterna (v.14, 16-18)
Em terceiro lugar, Paulo foi encorajado a continuar no ministério, muito sofrimento, e sacrificar muito, porque ele estava de olho na recompensa celestial. Sua morte (quando ele chegou), conduziria à ressurreição (v.14), e da ressurreição teria recompensa eterna. Isso o motivou a Paulo para continuar no ministério (v.16-18).
Conclusão
O mundo mudou em 20 séculos. Nossas vidas são tão diferentes do Apóstolo Paulo! No entanto, as exigências do ministério cristão não mudaram:
1. Integridade.
2. Sacrifício.
3. Perseverança.
A GLORIA
Ministério Cristão
TEXTO 2 Coríntios 3:7-18
Introdução (v.1-6)
De todos os servos de Deus na Bíblia, Paulo é um dos 'gigantes'. No entanto, ele tinha muitos inimigos. Em Corinto, alguns "pseudo-apóstolos estavam fazendo a vida impossível (2 Co 11:13). Paul foi forçado a defender o seu ministério apostólico (2 Coríntios 2:14-17). Ao fazê-lo, expostos à acusação de ser vaidoso, e agindo da mesma forma que os "falsos apóstolos" (2 Coríntios 3:1). Paulo nega isso, e continua a descrever as características do ministério cristão verdadeiro.
Hoje, esta é uma questão de grande urgência! Há muitos "falsos apóstolos" e "obreiros fraudulentos". Precisamos ouvir o que Paulo diz sobre o ministério cristão.
Mas para entender o que Paulo diz que deve-se notar que em sua época, "obreiros fraudulentos" foram os judaizantes - pessoas que colocam ênfase muito grande sobre a lei de Moisés, e ensinou que você tinha que manter a lei para ser salvo.
Ao defender seu ministério, Paulo faz um contraste entre o ministério da Nova Aliança (fundada por Cristo), eo ministério da Antiga Aliança (definido por Moisés).
O que Paulo diz sobre o ministério da Nova Aliança (Igreja de Cristo)?
1. É um ministério do Espírito (v. 8, 14-17)
No versículo 6, Paulo diz que o ministério da Antiga Aliança era um ministério "da carta." A lei foi escrita em tábuas de pedra. O homem foi sobre o meio externo obedecer a essa lei. Todos os AT mostra a impossibilidade de fazê-lo.
A grande maioria dos judeus não têm o Espírito Santo. Portanto, como eles poderiam guardar a lei? Qual foi sua motivação? Só motivação externa:
i. Promessas de bênção (se obedecido) - Deut 28:1-14.
ii. Avisos de punição (se eles desobedeceram) - Deuteronômio 28:15-68.

Será que isso funciona? NÃO! Qual foi a solução? A Nova Aliança, que a lei será escrita pelo Espírito no coração do povo (Jeremias 31:31-33). Além disso, o Espírito de Deus habita nos corações dos povos (Ezequiel 36:26-27). O resultado seria obediente e, portanto, a salvação (Ezequiel 36:28).
Paulo havia pregado o evangelho em Corinto, e do Espírito Santo havia feito seu trabalho. Agora, os judaizantes queriam fazer os crentes de volta à Antiga Aliança", a letra." Paul é a firme oposição de qualquer legalismo!
Reflexão: O perigo de "legalismo" evangélicas! Para forçar as pessoas a se comportar em determinadas
Assim, apenas por meios externos.
EXEMPLO:! Dízimos Como desenvolver um ministério do Espírito?
2. É um Ministério da Vida (v.7)
O ministério "da letra" mortos (espiritualmente). Por quê?
i. A pessoa estava consciente que não poderia cumprir a lei - que é o que os matou (Rm 7:9).
ii. A desobediência resultou no julgamento de Deus - a morte (espiritual e física).

tremenda frustração! Os judaizantes queriam voltar para isso!
Paulo enfatiza que o ministério cristão é totalmente diferente - é um ministério que produz vida. Como?
i. O Espírito Santo nos ajuda a manter a lei - que nos dá vida (alegria, paz, etc.)
ii. A obediência traz a graça de Deus - a vida eterna (espiritual e física).

Reflexão: Que tipo de ministério que estão desenvolvendo?
3. É um Ministério da Justificação (v.9)
O ministério da lei produzida única condenação. "A alma que pecar, essa morrerá" (Ezequiel 18:04). Satanás estava encorajando os judaizantes para promover esse ministério.
Paulo enfatiza que o ministério cristão é um "ministério da justificação." Não entendemos essa doutrina? Muitos pastores e pregadores, sem perceber, ter um ministério de 'Doom'.
Paulo descreve o ministério da justificação em Romanos 3:21-24, diz, em Romanos 5:12-21, e descreve os resultados, em Romanos 4:6-8, 5:1 e 8:1.
Reflexão: Estamos promovendo um ministério de justificação?
PERIGO DE HOJE: satisfação "do Ministério da '!
4. É um Ministério da Gloria (v.9-11, 18)
Se o ministério da Antiga Aliança era "letra" (que matou e condenados), por que promoveu os judaizantes? Falou sobre a 'glória' da Antiga Aliança (Moisés, o templo, de revelações de Deus, etc) .
Paulo reconhece que o ministério da Antiga Aliança tinha alguma glória (v. 7, 9-11), mas salienta duas coisas:
i. Foi uma glória limitada (v.10).
ii. Foi uma glória temporária (v.7b, 13).

Mas isso indica que a glória da Nova Aliança é mil vezes melhor (v.10), e é algo que permanece
(V.11). Não só permanece, mas cresce (v.18).
Qual é a glória da Nova Aliança? Na pessoa de Cristo e da grande salvação que Ele traz.
Conclusão (v.12)
Ministério Cristão O
Introdução
Tudo que Deus faz revelam seu caráter. A Igreja é um "espelho", que reflete a magnificência do caráter de Deus. Em particular, a maneira pela qual Cristo constrói a Sua Igreja, faz a sua enorme sabedoria, claro. Estabelecido pela primeira vez os 12 apóstolos, para iniciar a evangelização do mundo. Então, a autoridade delegada para o "mais velhos", que foram colocados em cada congregação, para sua edificação e cuidado pastoral. Desta forma, a Igreja se espalhou pelo mundo, e tem sido sustentada mais de 2.000 anos.
ministério cristão ilustra dois princípios espirituais que têm a ver com a obra de Deus:
i. do poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza (2 Coríntios 12:9).
ii. Que a "loucura da pregação" expressa a sabedoria eo poder de Deus (1 Coríntios 1:22-24).

O chefe da Igreja colocou o "tesouro" do Evangelho, em três locais ou áreas:
i. Nas Sagradas Escrituras.
ii. No coração de todos aqueles que foram regenerados pelo Espírito Santo.
iii. No ministério cristão, esses "vasos de barro" que Paulo menciona em 2 Co 4:7.

Em Efésios 4:7-11, Paulo mostra que o ministério cristão é um "dom de Cristo" (v.7). Ou seja, é um presente que ele comprou para a Sua Igreja através de Sua morte e ressurreição. Esse ministério inclui vários itens (v.11), e afeta todo o corpo de Cristo (v.12-13). É através do exercício deste ministério que o corpo de Cristo recebe a sua construção (v.14-16).
Nada menos do que a Trindade está envolvida na organização do ministério cristão. Deus é o Pai, que instituiu o "ministério da reconciliação" (2 Coríntios 5:18), Deus o Filho pede ao Pai através da Sua intercessão e trabalho de mediação, e Deus o Espírito Santo que dá força e vitalidade para este ministério - um ministério "do Espírito" (2 Coríntios 3:8).
Dadas estas considerações, Paulo exclama: "Quem é suficiente para estas coisas?" (2 Coríntios 2:16). Quem é capaz de manifestar a sabedoria de Deus contida na "mistério" do evangelho? Quem tem o poder, a capacidade plena autoridade para exercer este ministério? A resposta tem de ser: "Ninguém, além da graça de Deus." Quem se atreveria a se envolver no ministério cristão, a menos que eles estavam totalmente convencidos da chamada de Deus para ele? É um ministério sagrado.
O que podemos dizer sobre o ministério cristão? Nota importante seguintes pontos:


1. Dignidade é GRANDE
ministério cristão tem a responsabilidade, cuidados e salvação eterna das almas dos homens. É o principal instrumento na mãos de Deus, para a renovação moral e espiritual do mundo e na edificação da Igreja. Isso indica a grande dignidade do ministério cristão. Trabalhando com Deus nessas questões, é uma tarefa digna de um arcanjo. Era a tarefa que o Senhor deu, durante seus últimos anos na Terra.
A glória do ministério cristão, é uma glória deste mundo não é caracterizada por ondas vão e pessoas superficiais no mundo este valor, mas para a glória de resultados eternos.
"Um pastor deveria se comportar com a dignidade de um homem que trabalha com a autoridade de Deus, lembrando sempre que fala aos homens, mas fá-lo no lugar de Deus." Portanto, o objetivo do cristão, o ministro não agradar aos homens, mas agradar a Deus.
"No momento em que dar ao luxo de pensar levianamente do ministério cristão, perdemos toda a autoridade espiritual e poder." É a dignidade do ministério que motiva o servo de Deus para manter sua compostura e bom comportamento, no balanço da vida. Não importa as circunstâncias, o ministro cristão deve agir sempre com dignidade, porque tem um ministério sublime.
Este sentimento de grande dignidade do ministério cristão é algo que todo líder espiritual deve cultivar e manter. Deve agir com a consagração de vencimento. Deve ser humilde, mas também defender o que é a sua posição exaltada neste mundo como agente de Deus. A dignidade do ministério deve ser refletida na dignidade do caráter do ministro.
2. Necessidade VITAL
O ministério cristão tem dois objetivos principais: a honrar a Deus e salvar a humanidade. Essa salvação exige o aperfeiçoamento dos santos e edificação do corpo de Cristo (Ef 4:12). ministério cristão aponta para ele. Os crentes precisam ser ensinados a Palavra de Deus, discípulo, eles são incentivados e correta. Só então poderemos atingir a maturidade espiritual.
Em resumo, poderíamos dizer que o ministério cristão de servir como canal de comunicação, em que o Cabeça da Igreja (Cristo), o ministro aos membros do Seu Corpo.
A Bíblia usa várias metáforas para descrever a missão do Servo de Deus
o é um "pastor" que cuida do rebanho de Cristo.
o é um 'steward', que gere os benefícios espirituais de seu Senhor.
o é um "vigia", que monitora e alerta de perigo para a Cidade de Deus.
o é um "agricultor", que é responsável pelo plantio de Deus - o plantio, irrigação, adubação e remoção de ervas daninhas.
o é um "construtor", que construiu o Templo de Deus.
o é um "embaixador", que representa o eterno Deus aqui na terra.

Essas coisas mostram claramente a enorme importância e necessidade do ministério cristão.



3. Enfrenta muitos desafios
O ministro cristão é um lutador, que está liderando a batalha espiritual. Por conseguinte, é sábio para contar o custo do ministério, antes de ser colocado ao serviço de Deus. Há quatro fontes de dificuldades que impedem o desenvolvimento do ministério cristão:
a. A Igreja
Estar na frente de uma congregação não é fácil. Tendo que cuidar do bem-estar de um bando inteiro tem um monte de servo de Deus. Ter que se alimentar de cada crente com a Palavra de Deus, arcar com todos os seus defeitos e fraquezas, abordando todos os comentários negativos e críticos, vigiar e orar para cada "ovelha", e estar ciente de todos os ataques a que estão expostos, é uma tarefa extremamente árdua. Aqueles que aspiram ao ministério cristão deve estar preparado para enfrentar muitas dificuldades e desalentos.
b. O Mundo
O servo de Deus se torna o inimigo do "mundo". Para os incrédulos não gosta de ser chamado para buscar a seu arrependimento e conversão. O "mundo" se sentir desconfortável em frente a um ministro cristão. Muitas vezes, o servo de Deus, exposto ao ridículo e à rejeição do "mundo", e deverá ficar com bastante amor e graça.
c. Satanás
Embora seja verdade que Satanás ataca e tenta todos os crentes, ele faz isso com muito cuidado para ministros de Cristo. Ele sabe que se pode derrubar um servo de Deus, o prejuízo é incalculável. Portanto, atacar os ministros com uma ferocidade enorme. Esforços para impedir o seu ministério, bombardeando sua mente com uma multidão de tentações, as tentativas de desencorajar ou distraí-lo espiritualmente. Os ataques à sua saúde, sua família, seu casamento, através das crianças, a economia, etc
d. Auto-
Sem dúvida, a pior parte das dificuldades no ministério cristão a partir do mesmo ministro. Sua tendência natural, o egoísmo, preguiça, para satisfazer seus próprios desejos, que impedem seu trabalho como servo de Deus. É freqüentemente a principal batalha é no seu próprio coração.
Quando há poucos resultados, o ministro não é recomendado, quando há muitos resultados, o ministro é 'inflacionado' com o seu próprio orgulho. Quando os irmãos da congregação é criticado, ele se torna seu inimigo, ao felicitá-lo, cai na armadilha da bajulação.
O único remédio contra essas coisas é a cruz de Cristo. O ministro tem de aprender a disciplina necessária para levar a cruz e morrer para si mesmo. Isso custa muito!
4. Respiração é acompanhado por GRANDE
Tendo tomado conhecimento das dificuldades que caracterizam o ministério cristão, é preciso equilibrá-lo com uma consideração sobre os aspectos positivos do serviço de Deus. Que coisas incentivar o ministério cristão?
a. Os Frutos Espirituais
Um pecador arrependimento produz uma enorme alegria no céu. Este encontra eco no coração do servo de Deus. Ver uma pessoa ir de 'morte' de 'vida' produz uma alegria imensa no coração do ministro. Da mesma forma, para ver esses crentes crescer e amadurecer na vida cristã, incentiva e motiva o homem de Deus. Os apóstolos experimentaram esta (1 Tessalonicenses 2:19, 3:6-9, 2 João 4).
b. El Amor de los Santos
Quando um homem se preocupa com uma congregação, uma das coisas que a "colheita" é o amor e gratidão de muitos membros da igreja. É neste amor, que o ministro é grande consolo. As palavras de amor que você ouve, a mostra de afeto que ele recebe, o respeito e admiração óbvia da congregação, este servo de Deus abençoa e incentiva-o a manter no local.
c. Uso Pessoal
A tarefa de pregar e ensinar a Palavra de Deus, e vigiai em oração para os fiéis, faz com que o servo de Deus crescer em sua vida espiritual. ministério cristão permite um maior desenvolvimento pessoal em sua vida espiritual. Isto é de grande valor no ministério cristão.
O servo de Deus não só pode como deve passar horas lendo e estudando as Escrituras. Pode e deve passar horas diante do trono da graça. Pode e deve ser inteiramente dedicado às coisas espirituais. Isso ajuda a vencer as tentações, do desânimo e dificuldades na vida. Ter acesso à graça de Deus, para prosseguir a sua vida pessoal. Em outros poupança, se salva.
d. A Eternidade Recompensa
O trabalho que é dedicado a receber uma recompensa eterna. O anjo disse a Daniel ", pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento, e os que converterem a muitos para justiça, como as estrelas sempre e eternamente" (Daniel 12:3). O apóstolo Pedro disse ao "velho", "E quando o Supremo Pastor, recebereis a coroa da glória" (1 Pedro 5:4). O próprio Paulo disse: "Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Além disso, eu é a coroa da justiça, que me dará o Senhor, justo juiz, naquele dia "(2 Tm 4:7-8).
Cristo é o servo de Deus acompanha e fortalece todo o seu ministério terrestre, e então eu começo a glória, para abençoar com recompensas para o ministério que ocupou durante seu serviço na Terra. No final de sua vida e ministério pode-se dizer, como fez o Senhor:
"Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me deste a fazer.
Agora, Pai, glorifica-me no seu ... "(João 17:4-5)
"O PASTOR E OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI"

Introdução
No primeiro século, Paulo enfrentou grandes desafios:
• cumprir a Grande Comissão, entre os gentios, pregando o evangelho em todo o Império Romano.
• plantação de igrejas e líderes espirituais, que estabelece em cada congregação.
• o ensino da fé para os crentes novos.
• a sã doutrina para defender (contra os "judaizantes", e os neoplatônicos, que negavam a ressurreição do corpo).

Seu depoimento: 2 Tm 4:6-7
No século XXI, vivemos em tempos de grandes mudanças:
• tecnologia (Internet, etc.)
• ) Geopolítica (emergência da China como uma superpotência, etc.
• Social (redefinição do casamento, os homossexuais, etc.)
• ecológica (aquecimento global, etc.)
• filosófica (New Age, o pós-modernismo, etc.)
• teológica (o 'Teologia da Prosperidade ", G12, etc.)
• Igreja (o "Terceira Onda", do ecumenismo, etc.)

Essas alterações afetam os crentes, e, portanto, afetar a tarefa pastoral.
Essas mudanças indicam que estamos próximos da segunda vinda de Cristo.
O principal desafio é preparar a Igreja para o tempo da Segunda Vinda.
Como vamos fazer? Como pastores e líderes espirituais, temos:
1. Desenvolver uma vida de santidade
Nunca foi fácil viver uma vida de santidade. A Igreja primitiva vivia em um contexto de paganismo e imoralidade sexual (ver a carta aos Coríntios).
É mais difícil do que nunca para viver uma vida de santidade, o mundo entra em um frenesi moral (do tempo dos Beatles). Música, roupas, internet, etc. Todos promove a promiscuidade sexual, homossexualidade, etc
Bíblia predisse que, antes da Segunda Vinda, o mundo seria como "Dias de Noé" (Mateus 24:37; comparar 2 Tm 3:1-5).
.
Como promover uma vida de santidade? Ensinar o seguinte:
i. «É possível» (veja o exemplo de Enoque, que viveu nos dias de Noé, Hb 11:5).
ii. "É o que Deus requer" (Hb 0:14, 1 Pedro 1:14-16).
iii. "Somos cidadãos de outro país" (1 João 2:15-16, Colossenses 3:1-4).
iv. "Nós vivemos na luz da eternidade" (1 João 2:17)
v. "Outros já fizeram isso antes" (1 Pe 4:3-5).

2. Promover a vitalidade espiritual
Não é o suficiente para não pecar, temos de ser fortes na vida cristã. Satanás está constantemente a tentar minar a vida espiritual dos crentes. Cristo advertiu sobre o perigo do amor frio nos corações de pessoas que dizem ser "cristãos" (Mt 24:12).
HOJE, o faz com tremenda facilidade.
i. O materialismo que nos rodeia.
ii. Uma vida de prazer.
iii. Uma vida de entretenimento.

Essas coisas entram na Igreja! vida espiritual são bastante fraco e superficial.
Como promover a vitalidade espiritual?
i. Ensinar a importância de ter um tempo devocional disciplinada (lendo a Bíblia e rezar.)
ii. Incentivar uma vida espiritual sério na Igreja, evitar elementos de "entretenimento" espiritual (, concerto elogio por exemplo, tardes esportivas, etc.)
iii. Ter um discipulado dinâmico, exigente e inspiradora.
iv. Realizar missões (OM, JOCUM, etc) ..
v. Ensine a vida de grandes servos de Deus do passado.

3. Cuidados a ter com a Igreja de enganação espiritual
Cristo advertiu do perigo de engano espiritual (Mateus 24:4-5, 24).
Hoje podemos ver evidências de "enganação espiritual" na Igreja Cristã.
i. Falsa doutrina (negando a criação, negando o inferno, a teologia da prosperidade, etc) ..
ii. práticas False (estranhas manifestações do Espírito Santo, ecumenismo, etc) ..
iii. Falsos líderes (chamados ministros "ungidos").

Como vocês reagem a isso?
i. Ensino "todo o conselho de Deus".
ii. Ensina a Bíblia sistematicamente.
iii. Esteja ciente dos erros que estão entrando na Igreja.
iv. Ensinar esses erros e mostrar porque eles estão errados.
v. Promover uma atitude da Igreja da avaliação de todos os que escutam.

4. Incentivar a tarefa missionária da Igreja
No meio da contenda, a Igreja não deve ser paralisado, ou apenas observando a área circundante. Há necessidades tremendas para pregar o evangelho e cumprir a tarefa missionária.
EXEMPLO: O mundo muçulmano.
i. O pastor deve saber como os crentes estão sofrendo nestes países (por exemplo, a Arábia Saudita, Irão, etc.).

ii. O pastor deve saber como Deus está trabalhando nesses países.

iii. O pastor deve encorajar a igreja a orar por aqueles países.

Hoje existe muita informação disponível, e há muitas formas de comunicar estes factos à Igreja. O pastor deve promover as missões, especialmente entre os jovens.
5. Manter sua própria vida espiritual
Paulo foi capaz de completar a tarefa, porque cuidava de sua própria vida espiritual (1 Coríntios 9:26-27). Timothy encorajados a fazer o mesmo (1 Tm 4:16).
O pastor deve defender zelosamente a sua própria vida espiritual.
Como?
i. Manutenção da vida boa oração.
ii. Ler e estudar a Bíblia constantemente.
iii. Praticando o 'sacrifício' em sua vida pessoal, para manter a sua força espiritual.
iv. Crucificar a "carne".
v. Esperar que a Segunda Vinda.

"A liderança de Moisés
• CONTEÚDO

• PÁGINAS
• 1. Elaboração de um Líder (Êxodo 1-2) p. 2-3
• 2. O convite para que eu Ministério (Êxodo 3) p. 4-5
• 3. A chamada ao Ministério II (Ex. 4) p. 6-7
• 4. O desânimo no Trabalho (Êx 5-6) p. 8-10
• 5. Autoridade Espiritual (Êxodo 7) p. 11-13
• 6. Sensibilidade espiritual (Êxodo 8-11) p. 14-15
• 7. Crise no Ministério (Êxodo 14) p. 16-17
• 8. Enfrentando críticas (Êxodo 15:22 - 17:07) p. 18-20
• 9. A Arte da Delegação (Êxodo 18) p. 21-22
• 10. Intermediário entre Deus e os homens (Êxodo 19) p. 23-24
• 11. Comunhão com Deus (Êxodo 24) p. 25-26
• 12. A fidelidade no ministério (Hebreus 3:5) p. 27-28
• 13. Questionado sobre Liderança (Números 12) p. 29-30
• 14. Ansiosa para ver a glória de) Deus (Êxodo 33-34 p. 31-33
• 15. Fiel até o Fim (Dt 31-34) p. 34-35

"Introdução"

Na vida cristã é muito importante ter bons modelos a seguir. Isto é especialmente importante na tarefa de liderar o povo de Deus. É minha convicção que, hoje, um dos problemas na Igreja Evangélica é a falta de bons modelos de liderança cristã. Na verdade, há uma falta de bons modelos de liderança em todos os níveis - negócios, família, política e educativa. Mas o que mais nos preocupa é a falta de bons modelos de liderança espiritual. Onde estão esses pastores ou líderes espirituais, dos quais podemos dizer com convicção: "É isso que eu quero ser?"
Dada a falta de liderança espiritual bom, o desafio que temos é de tentar ser um bom modelo para os outros. Mas como fazê-lo, caso contrário, não temos ninguém a seguir? A resposta está em transformar os nossos olhos para o Senhor Jesus Cristo. A Bíblia descreve como: "O autor e consumador da nossa fé" (Hebreus 12:2). Ele é o nosso modelo de excelência!
O apóstolo Pedro era um homem muito fraco e, a princípio não como um líder, levantando-se para negar o Senhor Jesus. No entanto, Pedro era um grande privilégio - passou três anos ao lado de Jesus. Assim, quando ele foi restaurado e cheio do Espírito Santo, Pedro se tornou um grande líder. Sem dúvida uma das chaves para a sua liderança foi que tomou Cristo como o seu exemplo e modelo. Em sua primeira carta, quando ele escreve aos cristãos do primeiro século (incluindo vários líderes, como vemos em 1 Pe 5:1-4), ele afirma: "... porque também Cristo padeceu por nós, deixando-nos um exemplo que deve ser seguido Seus passos "(1 Pedro 2:21).
Enquanto escrevo estas palavras, Pedro tinha em mente a cena inesquecível de Cristo lavando os pés dos seus discípulos, e as palavras pronunciadas por Cristo na época: "Por exemplo, eu tenho dado que, como eu fiz, você também deve fazer "(João 13:15).
Alguns, talvez, pensar, "Mas é impossível ser como Cristo!" Em certo sentido isso é verdade, mas a Bíblia nos diz que devemos pelo menos tentar. Além disso, a tentativa de seguir o exemplo de Cristo é a característica fundamental de um verdadeiro crente. Como João, "o discípulo amado, disse:" Aquele que diz estar nele, também deve andar como Ele andou "(1 João 2:6). Afinal, o mesmo nome, "cristão", que significa "pequeno Cristo".
O que significa seguir o exemplo de Cristo? Curiosamente, em 1 Pedro 2:21, a palavra "exemplo" é a tradução de uma palavra muito especial em grego -'jupogrammos. Este termo significa 'escrever', e foi usado para o material escrito que a professora colocou sobre uma mesa, para que a criança pode copiar letra por letra. Ele também aprendeu a escrever.
Isso é o que Deus Pai nos tem dado na Pessoa do Seu Filho - uma cópia, para que aprendamos a viver uma vida agradável ao Pai.. O que fazemos, nos estudos que se segue é a tentativa de traçar o caminho que Cristo viveu, em algumas áreas específicas, por isso sabemos como nos comportamos como pastores e líderes espirituais.

"O Cristo MODELO agente"
Texto de Isaías 42:1-7
Introdução
Nós nos chamamos de "servos" ou "servos". Parece bom (embora alguns não!), Mas o que? O que significa ser um "servo"? Cristo oferece o modelo, um modelo muito exigente (cf. Fl 2:07, João 13:13-17, Lucas 22:27).
Um perigo na liderança cristã é o abuso de autoridade. Qual é o remédio? Seguindo o padrão de Cristo. Este modelo foi predita no Antigo Testamento (em "Hinos do Servo" de Isaías), e cumprido nos Evangelhos (cf. Mt 12:18-21).
Para aprender de Cristo, devemos levar em conta três aspectos do seu ministério, como "servo" o ideal:
1. A PESSOA DO SERVO (v.1)
Quem é o Servo? Observamos a expressão "meu servo" (v.1). Ser um "servo de Deus 'é um grande privilégio (Josué 1:1-2, Ezequiel 34:24). Aqui, o termo é aplicado a Cristo. Quais são suas características básicas, tais como "Servo"?
a. Escolhido por Deus ("a minha escolha")
Note-se que é Deus quem está falando. Ser um "servo de Deus significa representar, ser dedicado à sua empresa. Esta não é uma questão a ser voluntária, mas para ser chamado (Hb 5:4-5). Somente Deus tem o direito de chamar alguém para ser seu servo (Moisés, por exemplo, David).
Reflexão: Você é claro sobre a sua vocação?
Você está consciente do grande privilégio de ser um "servo de Deus"?

b. agradável a Deus ("em quem a minha alma se deleita")
A palavra sublinhada expressa uma emoção forte, "prazer" (Lv 26:34, 1 Crônicas 28:4). Estas palavras são aplicados a Cristo (Mateus 3:17, 17:5). Por quê? Pela Sua vida de santidade (Ele reflete claramente a imagem de Deus) por sua vida de comunhão com Deus, pela Sua temor de Deus (Sl 147:11, compare Hb 5:7), e por Sua submissão à vontade de Deus (Primeiro de Seu batismo, e, em seguida, ao longo de seu ministério).
Reflexão: Não usamos a nossa posição de fazer o que gostamos de nós, ou tentam ser
agradável a Deus? 2 Tm 2:04
c. útil para Deus ("ele trará justiça às nações")
Qual é o propósito de um servo? Ser útil para o mestre. Deus Pai quis "justiça", Cristo foi dedicada a ele (v.2-4). Durante sua vida, praticaram a justiça (Lucas 2:51, João 8:10-11), e ensinou a justiça (Mt 05:21 ss); o fim de sua vida sobre a morte, para estabelecer a justiça.
Nós, como líderes espirituais, temos de ser "justo" (em nossa vida pessoal), nós ensinamos a "justiça" (no nosso ministério na Igreja), devemos promover a"justiça" de Deus (através da evangelização e ação social).
Reflexão: Somos útil ou inútil para Deus?
2. NATUREZA DO SERVIDOR (v.2-4)
Tendo visto a forma como a vida do "Servo de Deus, vamos considerar o que deveria ser a natureza do Servo. Cristo nos dá um excelente exemplo, é mostrado aqui profeticamente.
a. Tranquility (v.2)
Este é um marco importante no servo de Deus! Perigo - Moisés (Nm 20:1-11), lhe custou caro. Qual era o problema? A falta de fé (v.12a), falta de glorificar a Deus (v.12b). Falta de expressar a atitude de um verdadeiro servo (v.8b)!
Quão diferente era o Cristo (Is 42:2)!
Reflexão: O que é o nosso caráter como servo de Deus?
b. Suavidade (v.3a)
O ministério necessárias para manter um equilíbrio entre firmeza e suavidade. Cristo era forte com os fariseus e hipócritas, mas gentil com os desprezados (João 8:3-11). Há pessoas na Igreja estão "feridas", cujas vidas espirituais apenas "fedendo". Nosso caráter é muito importante - reforçar ou nós quebramos estas pessoas?
Ilustração: Paulo (1 Tessalonicenses 2:7).
Reflexão: Será que temos esse tratamento moles (especialmente com os mais fracos)?
c. Verdade (v.3b)
Um aspecto muito importante no caráter do agente é a verdade. Em nosso contexto Latino abundante tentação de mentir. É muito triste ver esse recurso em um pastor. Cristo é a Verdade, Ele ministrou na verdade. O resultado foi uma grande vitória "(Mateus 12:20). Deus é um Deus de verdade, por isso, Ele honra o que fala a verdade. Mentir é a linguagem de Satanás.
Reflexão: Será que estamos totalmente certos?

d. Perseverança (v.4)
O ministério não é fácil, muitos estão desanimados, e 'jogar a toalha ". O servo de Deus nunca deve fazer isso! É preciso preservar. Vemos essa qualidade na vida de Cristo. Ele tinha um ministério muito difícil (João 1:10-11). Não foi aceite pela maioria das pessoas conheceram (Lucas 4:24). Até mesmo sua família não entender (João 7:3-5). Os discípulos não entendê-lo e, eventualmente, os líderes judeus rejeitaram.
Mas o que Cristo fez, apesar de todas essas dificuldades? Veja Lucas 9:51, João 13:01, João 0:27, 1 Tessalonicenses 3:3-4.
Reflexão: Qual é a nossa atitude para com o sofrimento?
O grande mistério do culto cristão é ministro de muito fraco, cercada por muitos problemas. No entanto, qual é o resultado do nosso ministério? Aqui, o modelo de Cristo ajuda-nos. Vamos ver:
3. SUCESSO DO SERVIDOR (v.5-9)
O sucesso do servo não está em dúvida. Mas baseado no que é sucesso no ministério?
a. com base na força de Deus (v. 5-6a)
Temos uma descrição tremendo de Deus em v.5. Este é o Deus que fala em v.6a, e que promete segurar e salvar o servo. 'Holding' significa 'pegar' ou 'apoiar fortemente "(Apoc. 1:16, 2:1). O sucesso no ministério cristão, não se baseia em que eu me seguro em Deus, mas Ele me sustenta.
"Guardar" significa "proteger" ou "preservar" (ver Sl 64:1, 140:1, 4).
Isto é realizado na vida de Cristo? Claro que sim. Herodes foi protegido (como um bebê e adulto), protegido os habitantes de Nazaré (Lc 4), e protegido de líderes judeus.
Reflexão: Será que estamos dispostos a confiar a proteção de Deus?
b. com base na finalidade de Deus (v.6b-7)
Apesar de todos os obstáculos que surgiram durante sua vida terrena, o ministério de Cristo teve um tremendo sucesso. Ele estabeleceu o Novo Testamento (Mateus 26:28 e! Pacto foi uma nação universal! Dirigido a uma liberação enorme quantidade de pessoas (v.7). "Uma multidão que ninguém podia dizer - de toda tribo, língua ( Apocalipse 7:9).
Reflexão: Que tipo de sucesso que estamos procurando?
Cristo ungido MODELO MASCULINO
TEXTO Lucas 4:14-19, 28-30 (61)
Introdução
A unção de cima é de vital importância para a liderança cristã. É uma questão de grande urgência. Em muitos setores da Igreja Evangélica, é a falta de umaverdadeira unção que está matando as congregações. Cada pastor deve procurar a unção do Espírito Santo para o ministério! Em Cristo, temos um tremendo exemplo de um homem ungido com o poder espiritual.
A palavra "Cristo" significa "ungido" (e não apenas no nome, mas na realidade), ele foi ungido sem medida. Tudo o que ele fez, ele fez no poder do Espírito Santo (ver Lucas 11:20 e Mateus 12:28).
Como faço para receber a unção, e quais são as características de ter a unção do Espírito Santo?
1. A recepção do Espírito (v. 14)
Se você quiser experimentar a unção do Espírito Santo no ministério, nós temos que começar a pensar sobre como receber o Espírito.
a. receber a plenitude (Lucas 1:35)
João Batista recebeu a plenitude do Espírito Santo desde o ventre (Lucas 1:15; comparar v.41). É inconcebível que foi diferente no caso do Senhor. O Espírito Santo operou na sua concepção, e é provável que, desde essa época de Cristo foi cheio do Espírito Santo.
No nosso caso, nós recebemos o Espírito Santo no momento do novo nascimento, é impossível ser um crente sem o Espírito Santo (Rm 8:9). No entanto, nem todo crente tem a habitação do Espírito (Ef 5:18). Se Paulo comandos de cada crente a buscar a plenitude do Espírito Santo, quanto mais não preciso disso no pastores e líderes da igreja?
EXEMPLO: Os diáconos da Igreja apostólica (Atos 6:3).
Reflexão: Será que temos a plenitude do Espírito Santo? Que provas temos disso?
b. Manter a plenitude (Lucas 2:40, 49, 51-52, 3:21, 4:1)
Uma coisa para receber a plenitude do Espírito Santo é mantê-lo de outra forma. Como o Senhor? Basicamente, foi por seu modo de vida (Lucas 2:40, 49, 51-52, 3:21, 4:1). Que tremendo exemplo para nós! É através da obediência e submissão à vontade de Deus, vamos manter a plenitude do Espírito em nossas vidas.
2. A demonstração do Espírito (v. 15, 18-19)
Como é a unção do Espírito manifestado no ministério de Cristo?
a. Na pregação do Evangelho (v. 18)
Todo pregador necessita da unção do Espírito Santo! A história da Igreja em destaque muitos exemplos de pregadores cheios do Espírito Santo (John Wesley, Jonathan Edwards, George Whitefield, Charles Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, etc.).

Cristo também tinha essa unção. Como você nota a unção na pregação?
o Autoridade (Mateus 7:29)
o Grace (Lucas 4:22)
o Condenação (João 7:46, 8:7-9)

Reflexão: Será que temos presente a prova da unção do Espírito para pregar?
b. Educação (v.15)
A unção de Cristo também era evidente em seus ensinamentos. No ensino, o Senhor cativou as pessoas (Marcos 12:37, Lucas 21:38), trouxeram à luz os ensinamentos tremenda da Palavra de Deus (Lucas 4:25-27), fez-lhes compreender as coisas profundas da Palavra de Deus . Esta é a marca da unção no ensino da Bíblia!
Reflexão: Como podemos ensinar a Palavra de Deus? "Queremos manifestar a unção de cima?
c. No Ministério Pastoral (v.18b)
No ministério, encontramos pessoas que estão muito danificadas pelo pecado - corações quebrados, vidas destroçadas, espíritos deprimidos. Essas pessoas precisam de uma atenção pastoral especial. O Senhor é excelente nesse aspecto - o Espírito Santo guiou a cada necessidade.
EXEMPLOS: A mulher samaritana, a mulher apanhada em adultério, Maria Madalena, etc
Paulo também foi o caso (ver 1 Tessalonicenses 2:7, 11).
Reflexão: Não buscamos a unção do Espírito Santo no trabalho pastoral?
d. Na Pastoral Social (v.18c)
O Espírito Santo levou Cristo a ter compaixão tremenda para os doentes. Mas não só a compaixão, e também a capacidade de fazer algo sobre isso. Quando João Batista teve seu momento de dúvida (era realmente Cristo é o Messias?), É interessante notar a resposta de Cristo. "Eu sou o Messias", disse Cristo, "porque os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados" (Lucas 7:22).
Isto implica que temos de ir a muitos pacientes a encontrar a cura? Veja João 5:1-3, 5-9.
Reflexão: Será que temos compaixão pelos necessitados? "Nós expressamos a plenitude do Espírito
Santo para servir a física e economicamente necessitados que nos rodeiam?
3. O controle do Espírito (v. 14, 16-17, 29-30)
Muitos servos de Deus devemos confessar que temos a unção no ministério como deveríamos. A questão é: por que não? A resposta tem a ver com a nossa vontade de deixar o Espírito Santo controle nossas vidas. Como Cristo?
a. Em sua vida cotidiana (v.16b)
O Senhor foi levado pelo Espírito em sua vida diária (Lc 4:1, 14). Este foi o fruto de sua comunhão com Deus - a direção contínua do Espírito Santo em sua vida.Em cada detalhe da sua vida, Cristo foi sujeito à direção do Espírito Santo. Ele estava consciente de não ter vindo para fazer a Sua vontade, mas a vontade daquele que o enviou (o Pai). E o Espírito Santo fez saber a vontade do Pai. Cristo cumpriu em sua vida, o que Paulo diz em Gálatas 5:16, 18.
Reflexão: Nós nos submetemos à orientação do Espírito em nossas vidas diárias?
b. No ministério (v.17)
Por que o Senhor ler de 61? Poderia ser simplesmente porque essa era a quantidade de leituras para esse dia. Mas é mais provável que ele mesmo escolheu esta leitura para começar o seu ministério em Nazaré. Ele estava perfeitamente controlado pelo Espírito Santo! Assim, podia discernir os pensamentos dos ouvintes (v.23).
Mesmo quando chegou o momento de sua morte, vemos o Senhor Jesus que trabalham em relação com o Espírito Santo (Hb 9:14).
Reflexão: Não nos permitimos o controle e no ministério?
c. Perseguição (v.29-30)
Mesmo quando ele foi perseguido sob a pressão total das pessoas eo tempo que o Senhor não deixou de estar sob o controle do Espírito. Quando ficou claro que eles queriam matar (v.28), não reagem da 'carne', mas foi guiado pelo Espírito Santo. Quando o momento chegou, ele simplesmente se virou e andou pelo meio de todos (v.30).
Reflexão: Como reagimos sob perseguição?
CRISTO MODELO PREGADOR
O texto de Mateus 9:35-10:08
Introdução
Uma das tarefas mais importantes que temos no ministério é pregar a Palavra de Deus. Isto era verdade na vida de Cristo (Mc 1:38-39). Assim, como pregadores tomarmos Cristo como modelo. Quais foram as marcas do Senhor, como um pregador?
1. Um pregador incansável (v.35-36)
O ministério que o Senhor! As pessoas queriam ouvir, e tinha um enorme fardo para eles. Ser solteiro, estava livre para viajar a qualquer lugar, independentemente de onde ele iria passar a noite. Como Deus, o Pai estava guiando ele (através do Espírito Santo), e onde quer que fosse, ele pregou.
O que o motivou? A resposta está na V.36. As pessoas tinham tanta necessidade! O Criador veio buscar os perdidos - e como muitos haviam perdido! Por isso, dedicou-se incansavelmente para o ministério da pregação. Ele fez, e não para ser famoso ou ganhar dinheiro - mas apenas para servir ao mundo necessitado.
Reflexão: Como podemos desenvolver o nosso ministério de pregação?
2. Pregador do) Gospel (v.35a
O que Cristo pregou? O evangelho. Mas o que foi o evangelho que ele pregava? Testamento ensino sobre a manifestação do reino de Deus (Is 52:7). Quais foram as principais questões que pregou o Senhor? (1) O rei deste reino - Deus o Pai, (2) os requisitos do reino (Mt 5-7), e (3) as características do reino (Mateus 13).
Na pregação, ele também ensinou. O Senhor tinha um ministério muito importante. Seu ensinamento foi sempre baseada na Palavra de Deus. Ele não veio para dar uma "palavra nova", mas reafirmam a Palavra de Deus, tal como consta nas páginas do AT.
3. INTEGRAL Um ministro (v.35d)
A importância dada à pregação não cegos às necessidades dos seus ouvintes. Eu podia ver os que estavam doentes, e aqueles que foram em qualquer condição.Senti uma responsabilidade para eles. Esta simpatia foi uma marca do reino! Assim, ele cuidou deles e os curou.
O que podemos aprender com isso? Que, como pregadores, temos de ter compaixão para com as pessoas em necessidade física e materialmente. Não devemos esperar que as pessoas só vêm, domingo após domingo para ouvir pregar, mas temos de ver o seu material, e tentar fazer algo sobre isso.
EXEMPLO: A potência de 5.000.
4). Um discípulo de outras (9:36-10:08
Embora ele fosse Deus, Cristo não estava ciente de que foi fornecida a todo o trabalho que precisa ser feito. Então, o que fez? "Ele foi morto tentando fazer todo o trabalho sozinho? Não, Ele viu a necessidade de assistentes. Então, ele ordenou aos seus discípulos a orar por mais trabalhadores. Em seguida, enviou-lhes, em resposta às suas orações.
Não havia nada ministerial "zelo! O Senhor, porém um grande pregador, não captura todo o ministério para si mesmo. Ao contrário, ele queria que as pessoas a segui-lo no trabalho, e discipulado para que possam fazer bem.
Reflexão: Somos discipular outros para o ministério?
CRISTO MODELO DE ORAÇÃO
O texto de Mateus 26:36-46, Marcos 14:32-42, Lucas 22:39-46
Introdução
A oração é um dos pontos fracos na vida de muitos pastores e líderes cristãos. No entanto, uma das características de Cristo, durante sua vida terrena, foi a sua vida de oração.
Exemplos: Depois de duro trabalho de um dia (Marcos 1:35), antes de nomear os Doze
(Lucas 6:12), depois de alimentar os 5.000 (Marcos 6:45-46), etc
Por que o Senhor passou muito tempo para a oração? Para responder a esta, temos que observar algumas das características da vida de oração do Senhor.
1. Comunhão com o Pai
Desde a eternidade, Cristo como o Filho de Deus, usufruíam de uma comunhão íntima com Deus, o Pai. Aqui na terra, o Senhor desejava manter a comunhão com Deus, e fê-lo através da oração.
NOTA: Isso já nos diz algo muito importante - a oração não é simplesmente uma questão de
encontrar algo de Deus (pedidos), mas sim, é, em primeiro lugar, uma comunhão
com Deus. Portanto, a falta de oração é um problema sério no ministério.
Por que buscar o Senhor para ter comunhão com o Pai? Podemos citar pelo menos duas razões
a. A alegria de estar na presença do Pai
i. Como o Filho de Deus
Como já observamos, desde a eternidade, Deus Pai e Deus Filho gostado da mais íntima comunhão (João 17:5, 1:1, 18). Não é surpresa, sendo que sobre a terra, o eterno Filho de Deus escolheu para manter a intimidade da comunhão com o Pai.
ii. Como é criação de Deus
Também em Sua natureza humana, como criatura de Deus, Jesus queria desfrutar de uma comunhão íntima com o Criador (Salmo 16:11).
Reflexão: Não sabemos nada sobre essa alegria na oração? Sem isso, a vida se torna oração
rotineiro e enfadonho.
b. a alegria de ouvir a voz do pai
Uma coisa muito importante na vida cristã é ouvir a voz de Deus. Os profetas gozavam este, e todos aqueles que andaram com Deus.
Exemplos: Abraão (Gênesis 17:1-8), Moisés no deserto (Êxodo 33:7-11).
A Voz de Deus conforta, estimula, orienta, incentiva, etc Cristo passou algum tempo em oração para desfrutar desta experiência (veja Is 50:4).
Reflexão: Será que alguma experiência com isso?
2. Disciplina pessoal
Para ele, além de ser um privilégio e uma necessidade, a oração foi também uma disciplina espiritual. Eu não acho que o Senhor orou apenas quando senti-lo, mas ele orava com regularidade, fazendo um sacrifício pessoal, deixando de lado outras coisas e outras pessoas, para fazê-lo. Nota:
a. A Prática Diária
Lucas é o evangelista que faz mais referências à vida de oração de Cristo (Lucas 3:21, 5:16, 6:12, 9:18, 28). Cristo orou todas as manhãs, tardes, momentos especiais, em constante oração.
Reflexão: Será que temos a prática da oração?
b. Sacrifício A Prática
Para rezar desta forma, foi necessário sacrificar outras coisas ou pessoas. Às vezes o Senhor sacrificou (, o conforto do sono, o companheirismo dos outros, etc.), Às vezes sacrificando as pessoas (Mc 1,35-38), muitas vezes sacrificado para os discípulos (Marcos 6: 45-46).
Reflexão: Será que estamos dispostos a fazer tal sacrifício para orar?
3. PROCUROU A VONTADE DO PAI
Cristo foi muito claro sobre isso: mesmo que Deus, não veio para fazer a Sua vontade, mas de quem o enviou (João 5:30, 6:38). Foi, portanto, muito importante saber o que a vontade do pai.
Exemplo: Abraão (Gênesis 18:16-21).
Dia após dia, Jesus buscou a vontade do Pai através da oração. Vemos isso no Getsêmani, quando Satanás veio tentar Cristo (Mateus 26:37-42).
A oração é o caminho para saber o que a vontade do Pai (2 Coríntios 11:7-9)
Reflexão: Nós oramos para esta finalidade?
4. Orou com BOW
Hebreus 5:7, temos uma enorme descrição da oração de Cristo. A primeira coisa que notamos é que ele ofereceu "orações e súplicas". Por que usou essa palavra, eo que isso implica? O verbo grego carrega a idéia de "trazer algo e apresentá-lo para outro." True orações são ditas (mecanicamente, memória, ou de rotina), nem estão a procura de qualquer coisa com a demanda, mas são oferecidos com respeito e reverência (como acontece com as ofertas, veja Hb 5:3, e comparar Apo 8 :) 3. A oração de Cristo foi parte de sua adoração.
O autor afirma que as orações de Cristo foram ouvidos por uma razão muito específica - "de sua admiração. Porque" Aqui é uma das marcas mais interessantes da oração de Cristo - rezava sempre com uma atitude de enorme piedade. Não havia nada de irreverente nas orações de Cristo - não em palavras, ou a sua atitude ou motivação. Suas orações eram uma espécie de oferenda ao Pai, com grande reverência.
EXEMPLO: "Pai nosso ..." (Mateus 6:9-10; compare João 17:1, 25).
Reflexão: Como devemos orar? Qual é a nossa verdadeira atitude para com Deus - a sós, e
quando estamos à frente dos outros? Como superficial, irreverente são muitos
nossas orações!
Conclusão
Que modelo tremenda de oração dá-nos Cristo! Devemos pedir-Lhe para nos ensinar a orar (Lucas 11:1).

PRIORIDADES DO MINISTÉRIO
"Conhecer a Cristo"
Filipenses 3:7-10 TEXTO
Introdução
O contexto de Filipenses 3 - alerta a Igreja de ter cuidado com "maus obreiros" (v.2). Estes trabalhadores foram os falsos "judaizantes", pessoas que depositam sua confiança "na carne" (v.3). Paulo poderia ter sido tão (v.4-6). Mas ele faz uma confissão de que é a marca de todo verdadeiro crente (v. 7). O amor de Cristo domina a sua vida!
Qual foi o seu objetivo como um crente e um apóstolo? Qual é a marca de um verdadeiro servo de Deus? Paulo coloca nas palavras de Filipenses 3:7-10. Nós responder a três questões fundamentais:
1. O QUE FAZ SABER DE CRISTO?
a. um conhecimento intelectual
Paulo usa o termo é "gnose", que para os gregos era um sentido intelectual. Paulo tinha visto muitas coisas intelectualmente, foi um grande estudioso. Seu conhecimento intelectual seria um dos seus "confiança na carne" (v. 4).
MAS - quando ele veio a conhecer a Cristo, este conhecimento superou qualquer outra. Verifique se o seu
descrições de Cristo "(Colossenses 1:15-22, 2:9, 3, 1 Coríntios 1:30).
Reflexão: O que sabemos de Cristo? Quanto valor este conhecimento?
b. A Relacional Conhecimento
Para Paul, um judeu, a palavra "conhecer" Discussão de ter um relacionamento íntimo (Gn 4:1; na Septuaginta usou a palavra 'ginosko). Assim, "conhecer a Cristo" significa "ter um relacionamento pessoal profundo com Cristo." Isso foi o que Paulo tão apreciada. Antes de sua vida como um judeu era 'cool' e mecânica, cheio de regras e legalismo. Quando 'conhecido' a Cristo, essa relação mudou sua vida (Fp 3:7-8). Assim, ele poderia dizer, Phil 1:21.
Reflexão: Qual a importância da nossa relação com Cristo?
Quão profunda é essa relação?
* Esta deve ser a prioridade número um na vida de um servo de Deus.




2. Por que é importante conhecer a Cristo
Este conhecimento de Cristo é de importância vital para o crente, por três razões:
a. É a essência da vida cristã
A vida eterna é conhecer a Cristo (João 17:3), e esse conhecimento implica uma relação profunda e íntima (Ap 3:20).
ILUSTRAÇÕES - os discípulos (Marcos 3:13-14), Zaqueu (Lc 19:1-10).
b. É a chave para o sucesso na vida cristã (ver Daniel 11:32 b)
A vida cristã só terá sucesso na medida em que crescemos no conhecimento de Cristo. É a relação íntima com Cristo que produz e promove:
i. Alegria espiritual (Lucas 24:32, 01:27 Col)
ii. Espirituais fruto (Jo 15:4-5)
iii. Poder Espiritual (2 Coríntios 4:10, 2:20 Gal)

c. É a chave para o sucesso no ministério cristão
Existem três objetivos principais no ministério cristão:
i. Traga todo o conhecimento de Cristo (2 Coríntios 2:14; Ef 4:13).
ii. Faça Cristo seja formado em todos (Gl 4:19, Rm 8:29, Gl 5:22-23).
iii. Levar os crentes à maturidade em Cristo (Cl 1:28; Ef 4:14-15).

Como podemos levar outros a um conhecimento mais profundo de Cristo, se nós não temos isso?
3. O que mais podemos saber CRISTO
O que Paulo diz em Filipenses 3:7-10 nos ajudar a responder esta pergunta.
a. Ter fome e sede espiritual - Esta é a marca de uma pessoa que sabe muito sobre Deus (Sl 27:4, 42:1-2, 63:1-2). Paulo amava a Cristo "(Filipenses 3:7-8), quis saber mais e mais (Filipenses 3:13-14).
b. Taxa de Cristo sobre todas as coisas - Paulo claramente que fez (Fp 3:7-8). Anteriormente valorizado coisas agora considerado "perdido" por comparação, Cristo é a "excelência".
c. Permitir que outras coisas para ganhar a Cristo - é fácil de enganar. Sabemos que temos valor Cristo quando as coisas. Paulo diz, "por quem eu perdi tudo" (vers. 8).
d. dar tempo para conhecer a Cristo - você tem que ler a Bíblia, orar, meditar, perseverar. Investimos tempo em que nós verdadeiramente valorizamos!
Conclusão: Cristo é o grande tesouro, a pérola de grande valor (Mateus 13:44-46).
"Prioridades do Ministério
Ps Alex Duarte
"DESCUBRA O PODER DE DEUS"
Filipenses 3:10-11 TEXTO
Introdução
A vida cristã é uma vida de poder (do grego "dynamis"). Paulo fala disto mesmo em 2 Tim 1:07, Rom 1:16. Um verdadeiro crente é uma pessoa que experimentou o poder de Deus em suas vidas. O líder precisa saber o poder de Deus em seu ministério. MAS, dois perigos graves:
i. Quando os líderes não sabem o poder de Deus (2 Tm 3:5). Eles vêem a vida cristã como uma série de regras (1 Co 4:20). Esse foi o problema com os "judaizantes".

ii. Quando os líderes estão interessados apenas no poder de acontecimentos dramáticos (por exemplo, Simão, o Mago, Atos 8:18-21).

Há um poder que é mais importante do que isso! Cristo fala em João 5:20-21, 14:12. O poder espiritual interior, transformando vidas e dando força para viver a vida cristã, e alcançar um ministério frutífero.
Deve ser uma prioridade no ministério.
• Cristo teve, ao longo de sua vida e ministério (Lucas 4:14, 18; Atos 10:38).
• Paulo tinha (1 Tessalonicenses 1:4-10, 2 Co 6:4-7).

Como Moisés, Paulo desejava experimentar mais e mais esse poder (1 Co 2:1-5). Era seu desejo de todos os crentes (Ef 1:15-20).
Este deve ser o nosso maior desejo, também, como líderes espirituais.
Por que nós precisamos desse poder espiritual?
Como podemos ter?
1. A necessidade do poder espiritual
a. A fim de enfrentar as lutas da vida cristã
O poder é necessário o poder de Deus para iniciar a vida cristã (Efésios 2:1, 5), e para manter a vida cristã. Paulo na prisão (Filipenses 1:13); tem inimigos (Filipenses 1:15-16). Um muito difícil, mas não foi desencorajado (Fl 1:12-14, 18-19). Por quê? O poder de Deus em sua vida. Ele tinha muito a aprender Phil 4:11-13 ("força", "endunamo ').
b. Para lutar contra o pecado
Paulo era um apóstolo, mas não estava isenta de tentações. Ele lutou contra o pecado, em duas áreas
i. Contra a "carne". Precisamos de crucificar a "carne". Rom 8:13. Diga "não" ao pecado. 1 Pedro 1:14-15. Paulo testifica isso em 1 Coríntios 9:26-27.

ii. Contra o "mundo" (1 Pe 4:3-4). Paulo teve outras lutas (Gl 6:14). Quando os materiais avançados e para a Igreja cresce, é preciso mais poder espiritual para resistir à sedução do "mundo".

c. para o serviço cristão
serviço cristão não é fácil. Nós precisamos de:
i. Na pregação do evangelho. Atos 4:33. Não é fácil pregar o evangelho. (2 Tm 4.2). Ela exige que o poder de Deus. As pessoas estão "mortos". Há muita decepção, poucos resultados concretos.

ii. Discipular os novos crentes. Eles têm muitas coisas para corrigir, muitas coisas para aprender, muitas batalhas a enfrentar. Depoimento de Paulo (2 Coríntios 11:28-29). Então, os apóstolos foram dedicados à oração (Atos 6:4).

iii. Para enfrentar o pecado. Isto exige o poder espiritual (1 Coríntios 5:4-5).

iv. Ao lidar com outros líderes. má atitude de outros líderes espirituais desencorajar-nos espiritualmente.
EXEMPLO: David com Saul, Paulo e Barnabé com João Marcos.
v. Para liderar a igreja. Não é fácil estar na frente de uma congregação, dando sempre aos outros, resolver problemas, etc Precisamos de muita energia espiritual para perseverar no trabalho. É por isso que Paulo disse a Timóteo: "Observe a si mesmo" (1 Tm 4:16); "suportar as dificuldades como um bom soldado de Jesus Cristo" (2 Tm 2:3).

d. Na luta contra Satanás
Paulo avisa que a nossa principal luta não é contra "carne e sangue, mas contra forças espirituais (Ef 6:12). Então, o que o líder deve fazer é "ser forte('endunamoo') no Senhor e do poder (" kratos ") do seu poder" (Ef 6:10).
2. OBTENÇÃO DE ENERGIA ESPIRITUAL
a. Você tem que sentir a sua necessidade (2 Coríntios 3:5-6).
b. Você tem que querer isso (1 Co 2:4-5).
c. Você tem que pedir (Lucas 24:49, Efésios 1:15-20).
d. Devemos estar dispostos a sofrer (Fl 3:10, 2 Coríntios 12:9)
e. Devemos morrer para nós mesmos (Fp 3:10, 1 Co 2:1-5)
f. Devemos viver em santidade
g. Devemos viver em humildade (2 Coríntios 4:7, 2 Co 12:9).

Conclusão
Este poder está à nossa disposição. É o poder de Deus agindo em nós (Efésios 1:19-20). Esse foi o poder que Paulo queria experiência no ministério cristão (Filipenses 2:10).
"Prioridades do Ministério
Ps Alex Duarte
"Mudar para a maturidade espiritual"
Filipenses 3:12-15 TEXTO
Introdução
O desejo de todo pai é ver seus filhos crescer e amadurecer. Se o fizerem, se importa!
Deus quer que todos os seus filhos crescer e amadurecer espiritualmente (Efésios 4:11-15).
Os líderes espirituais precisam fazer, para seu próprio bem, e levar outros à maturidade espiritual (1 Timóteo 4:12-15).
Paulo indica que este era o seu desejo (Filipenses 3:12-15).
O que é maturidade espiritual?
Como alcançar a maturidade espiritual?
1. EVIDÊNCIAS de maturidade espiritual
a. Um conhecimento profundo de Cristo - aplicado para o ministério.
EXEMPLO: O apóstolo João (vemo-lo como um evangelho.)
b. A experiência do Poder de Deus - manifestado no ministério.
EXEMPLO: o profeta Eliseu (2 Reis 2:01 - 08:15, 13:14-21).
c. Um conhecimento profundo das Escrituras - como interpretar e aplicar
corretamente.
EXEMPLO: Ezra (Esdras 7:10).
d. Um profundo conhecimento da Doutrina - ou seja, como avaliar tudo à luz dos mesmos.
Exemplo: Paulo (Romanos, Efésios, Colossenses).
e. A sabedoria humana e espiritual - a fim de funcionar corretamente, e sabe como resolver
problemas no ministério.
EXEMPLO: Moisés (Êxodo, Deuteronômio).
f. auto-controle - controle seu corpo e mente, e controlar suas reações e palavras.
Exemplo: José (Gênesis 39-50).
g. testemunho permanente abundante de frutas - atingir e manter um bom testemunho
fidelidade a Deus, ao longo dos anos, e dará fruto para a glória de Deus.
EXEMPLO: Daniel (Daniel 1:19-21, 6:1-4, 9:1-19, 10:1).

2. Maturidade espiritual
Deus é responsável por nosso novo nascimento, mas nós somos responsáveis por nossa maturidade espiritual.
Todo crente e líder é tão maduro quanto você quer ser!
Em Fl 3:12-15, Paulo nos dá algumas dicas de como alcançar a maturidade espiritual.
a. Humilde - Paulo era um grande servo de Deus já havia concluído duas viagens de missão, escrevendo várias cartas, etc Mas o que você pensa de si mesmo (neste momento em sua vida e ministério)? Escreve: "Não que eu já tinha alcançado, ou que seja perfeito ..." (v.12a).
* O que pensamos de nós mesmos?
b. Craving crescer espiritualmente - Paulo não estava disposto a ser como era, queria crescer e amadurecer mais. Escreve: "... mas vou prosseguindo, para ver se eu entendo que para que também eu sou alcançado por Cristo Jesus" (v.12b).
* Estamos satisfeitos com nossa condição espiritual agora?
c. Esqueça as conquistas do passado - um grande truque na vida e no ministério cristão, é olhar para trás e ficar satisfeito com algumas experiências que temos nos últimos anos. Paulo já havia conseguido muito - estava a ser julgado pelo imperador, pelo impacto que tiveram sobre o Império Romano. Contudo, Paulo diz:"Irmãos, não julgo que o haja alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo o que está por trás ..." (v.13).
* Será que estamos vivendo no passado?
d. Esforce-se para Crescer - Esta é a ênfase no Paul. Eu não estava feliz com apenas servir a Deus mais, queria crescer mais espiritualmente. E eles tentaram fazê-lo! Como um atleta bem espiritual, Paulo diz: "... avanço para o que está à frente eu prossigo para o alvo ..." (v.13b-14).
* O que estamos fazendo para crescer e amadurecer espiritualmente?
Conclusão
Vivemos em uma era global caracterizado por imaturidade pessoal (o hedonismo, o egoísmo, o egoísmo, a superficialidade, a "sentir" ao invés de "pensar" gratificação instantânea, etc.). O perigo é que a propagação da Igreja da imaturidade.
A Igreja precisa de líderes que são espiritualmente maduros.




"Prioridades do Ministério
Ps Alex Duarte
"Muito fruto"
Colossenses 1:10 TEXTO
Introdução
Um dos propósitos de Deus para nossa vida espiritual está a dar frutos (João 15:16. Porquê?
i. Porque que glorifica a Deus (João 15:8).
ii. Porque ele faz nossas vidas são úteis.
iii. Porque que Deus cumpre os Seus propósitos neste mundo.

Isso deve ser outra prioridade em nossas vidas. Assim, Paulo ora ", frutificando em toda boa obra" (Colossenses 1:10).
AVISO: João 15:6, Mateus 7:16-20.
Como podemos produzir frutos espirituais em nossas vidas?
1. Permanecer em Cristo (Jo 15:4-5). Existem dois tipos de "frutos" que devemos:
• O "fruto" do Espírito Santo (Gálatas 5:22-23).
• Os "frutos" de resultados no ministério (Cl 1:6).

Tanto as frutas são o produto do Espírito Santo, que é canalizado para as nossas vidas através de Cristo.
2. Usando os dons que Deus nos tem dado (1 Co 0:07, Rm 12:6). É o nosso
responsabilidade de saber qual é o nosso presente, e
uso, a dar frutos.
3. Deixemo-nos guiar por Deus (João 5:19). Se tentarmos fazer o trabalho em nosso próprio caminho
de acordo com nossos critérios, haverá pouca fruta. Precisamos saber
a vontade de Deus (Ef 2:10, Atos 16:6-10).
4. Buscando a glória de Deus (Mateus 5:16). Não devemos buscar o nosso fruto espiritual
glória, nós procuramos dar muito fruto para a glória de
Deus. Deixe Deus guiar-nos a dar os frutos que ele quer.
Conclusão
O dia do julgamento irá avaliar nossas frutas (1 Coríntios 3:12-15).
Nossa recompensa está nos céus "(Mateus 25:20-21, 23).


O SERVO SOFREDOR
"O sofrimento e TRIUMPH
O que serve "

Introdução
Nas duas primeiras músicas do Servo (Isaías 42:1-9 e 49:1-7), Isaías enfatiza a missão do Servo (trazer justiça para as nações), e como seria difícil cumprir essa missão. Nas últimas duas canções (Is 50:4-9 e 52:13 - 53:12), o profeta descreve o sofrimento implícito de trazer justiça às nações.
Quando lemos a última música, sentimos que estamos pisando em "terreno sagrado". Às vezes você só quer ler o texto, é para os outros a comentar, antes de uma leitura sublime e sagrado. No entanto, ao ler Isaías 53, notamos duas questões principais:
i. O Servo Sofredor (v.4-9).
ii. O triunfo do Servo (v.10-12).

Deixe estes pontos em maior detalhe:
1. O sofrimento do servo (v.4-9)
Lembre-se que estamos a ler uma descrição profética da morte de Cristo, escrito cerca de 750 anos antes do evento. No entanto, a narrativa é tão detalhada que alguém poderia pensar que está lendo a história de uma testemunha ocular (vem à mente o Salmo 22, cujo conteúdo é bastante semelhante).
No entanto, notamos que Isaías não entendia tudo o que você escreveu (ver 1 Pedro 1:10-12). Vivemos no século 21, temos duas grandes vantagens sobre Isaías, no entendimento de Isaías 53.
• ao vivo após os acontecimentos (daí, podemos ler Isaías 53, à luz das contas que temos da morte de Cristo nos Evangelhos).

• que temos em nossas mãos todos os escritos do NT, que compõem um inspirado comentário de Deus sobre os acontecimentos envolvendo a crucificação.

Pergunte-nos, como ele sofreu o Servo do Senhor?
a. Ele tomou as nossas enfermidades (v.4a)
O que significam essas palavras? Alguns interpretam este versículo à luz do que lemos no versículo 5 ", e pelas suas pisaduras fomos sarados", e concluem que a expiação de Cristo adquiriu a cura física de cada crente. No entanto, existem algumas dificuldades em aceitar esta interpretação:
i. A realidade é que todo crente não sofre a saúde física.
ii. A morte geralmente é o resultado da doença e, eventualmente, morre a cada crente.
iii. O poder que nos cura não é o poder do sangue de Cristo, mas o Espírito Santo.
iv. Isaías 53:4 é citado em Mateus 8:17, em relação ao ministério de cura de Cristo, não Sua morte na cruz.

Assim, concluímos que a morte de Cristo não se compra a cura física de cada crente.
O que é 53:4 significa que o Servo do Senhor foi identificado com o sofrimento físico dos seres humanos. Além disso, ele se empenhou em tal sofrimento, tanto que ele próprio sentiu a dor dos doentes. Observe os verbos de v.4:
• "Levou as nossas doenças." Esta palavra, em hebraico ("pote"), significa "erguer" ou "impulso". É o verbo usado em Gênesis 7:17, para a ação da água para aumentar a arca. Como as águas suportou o peso da arca (e todos os animais e conteúdo humano), o Senhor "carregado" com todo o peso do sofrimento físico que o rodeava durante seus anos na Terra.

• "As nossas dores." Em hebraico, o verbo é "cheio", que significa "carga" ou "transporte". Em Isaías 46:4 e 7, esse verbo é usado para descrever Deus carga e levando o seu povo.

Portanto, podemos dizer que essa descrição profética do Servo, indicou que identificam tanto aqueles que sofrem, que se aproximam deles para aumentar as suas taxas, e ajudá-los a tomar suas dores.
Neste momento, pedimos ao Senhor para nos curar, e nós podemos confiar nele para ele, mas mesmo que não sejam saudáveis, o Senhor nos ajudará a tomar a dor eo fardo da doença, e todas as suas conseqüências físicas e emocionais.
Mas o que notamos é que Isaías 53:4 indica que esta tarefa é o Senhor. Portanto, dizemos que carregar os fardos dos outros faz parte do sofrimento do Servo de Deus.
Às vezes isso é o que ela significa para nós também, se nós somos servos de Deus. Devemos estar dispostos a suportar os problemas dos outros (o seu sofrimento e dor). Isso vai nos custar muito, mas nós seguimos os passos do Servo do Senhor que carregou doenças Village.
b. levou nossos pecados (v.4b-6)
Isaías vai do ministério terreno de Cristo, Sua morte na cruz. Mais uma vez, estamos lendo o que parece ser uma testemunha ocular. Isaías fala como alguém que, com a morte de Cristo, acredita que morreu no julgamento de Deus (cf. Gl 3:13). Mas isso foi um erro profundo por parte daqueles que estavam assistindo à morte de Cristo. Então, Isaías passa a explicar os fatos por trás da morte do Senhor (v.5-6):
i. Sofreu por nossos pecados (v.5a).
ii. Seu sofrimento trouxe a paz para o pecador, e cura espiritual (v.5b).

Como devemos responder a esta verdade? Com fé e gratidão.


c. Ele foi oferecido como um sacrifício (v. 7)
O Servo enfrentou a morte como um manso cordeiro.
Iluminação - quando um cordeiro morre, morto há pouco tempo um escândalo.
Mas por que o Servo do Senhor morreu tão pacificamente? Porque eu estava indo voluntariamente a morte em nosso lugar. Ele veio ao mundo para morrer!Tínhamos perdido (v.6), e Ele veio para carregar todos os nossos pecados. Então, calmamente assumida morte.
d. morreu e foi sepultado (v.8-9)
Por que Isaías acrescenta a estes versículos? Parecem quase redundante. Se ele foi crucificado, é óbvio que morreu, e se ele morreu, é óbvio que ele foi enterrado.Então, por que Isaías diz? Existem certas lições que devemos aprender com estes versos:
i. O Servo não deixaram descendentes (v.8)

Morrer sem deixar descendentes foi trágica para um judeu. Significava que seu nome desapareceu da história. Parecia que a pessoa não conseguir nada na sua vida e passa para a eternidade depois de uma vida sem sentido.
ii. Ele foi sepultado com os ímpios (v. 9)

Embora, na realidade, as coisas estavam de cabeça para baixo. Morreu entre os maus (os ladrões), e foi sepultado no túmulo de um homem rico. Mas a maneira em que Isaías escreve, indica que quando Cristo morreu não havia nenhuma glória. Deus não interveio no último momento para resgatá-lo. Morreu, foi sepultado, e isso é tudo.
Era isso injusto? Sim, totalmente injusto. Mas a vida é assim às vezes. Isaías diz que ele era o desejo do Pai que ele morrer dessa maneira (v.10).
Observação: Às vezes temos que viver essa vida. Às vezes, como servos de Deus, devemos
entrega aos outros, levando as suas lutas e dificuldades. Às vezes, mesmo nós temos que ser
dispostos a "morrer" a muitas coisas que queremos para o bem dos outros.
Como Paulo disse: "A morte opera em nós, mas a vida em vós" (2 Coríntios 4:12).
Mas se a morte de Cristo marcou o fim de tudo, não só teria sido um homicídio culposo, mas teria sido algo totalmente trágico. Portanto, é enorme a dizer que as coisas não eram assim. No terceiro dia, ressuscitou. Triunfou!
2. O TRIUNFO DO SERVO (v.10-12)
Na última linha deste Song Servo quarto, as coisas mudam radicalmente. O sofrimento leva à vitória.
Isso ilustra um dos princípios fundamentais da Bíblia, a morte é vida (João 12:24).
Como? Considere os seguintes detalhes.
a. O propósito de Deus foi cumprido (v.10b)
Este é um grande conforto quando estamos sofrendo. A tarefa do servo é fazer a vontade do Pai, o Mestre, que o enviou. A grande satisfação de cada funcionário é fazer o que as solicitações do mestre, e agradável.
Pensamos que, quando estamos sofrendo. Se você sofre para fazer a vontade de Deus, pelo menos podemos nos consolar com este pensamento - 'Eu sofro para cumprir o propósito de Deus. Dói-me, mas Deus se agrada. " Isso, para o crente, deve ser de grande importância e deve ajudá-lo a passar por momentos de dor, no ministério cristão.
b. Muitos foram salvos (v.11b)
O texto diz: "meu servo justo justificará a muitos". Esta era sua missão! Trazer justiça para as nações. Ele completou a sua lição de casa!
Não podemos fazer justiça para os outros, como Cristo fez, mas podemos pregar a justiça de Cristo. E embora nos custe muita dor, o quão bonito é saber que o meu sofrimento (no ministério) vai premiar a salvação de muitos.
Considere o testemunho de Paulo, apóstolo e servo de Deus (2 Co 4:10-12)
c. O Servo "será satisfeito" (v.11a)
Como satisfazer vai ser?
• Muitos descendentes espirituais (ver sua "semente, v.10).
• A vida eterna ("Ele deve prolongar os seus dias", v.10).

Nós também, como servos de Deus, temos grandes recompensas para servir a Deus, e sofreu no ministério. Um dia a gente vai entrar na alegria do Senhor.
d. O Servo será recompensado (v. 12)
A recompensa do servo tem três aspectos:
i. A vitória sobre os inimigos.
ii. Glória por toda a eternidade, a mão direita do Pai.
iii. Reinará pelos séculos dos séculos.

Veja Fp 2:9-11 e Apocalipse 5.
Conclusão
Somos servos de Deus. Qual é o nosso destino? Leia Apocalipse 21:1-4 e 22:1-5. Nós, também, espera a vitória, a glória eo reino.
"REFORÇO servo"

Introdução
No estudo anterior vimos um enfraquecimento do Servo. Enfrentando todas as dificuldades encontradas no ministério, o que o Pai o Servo de reforçar e ajudar a perseverar no ministério? Esta é uma questão de grande importância para cada pastor e líder da Igreja, porque todos nós enfrentamos lutas no ministério.
No Cânticos do Servo vemos três coisas que Deus fez para ajudar o servo.
1. O Servo foi apoiado pelo Senhor
No início dos Cânticos do Servo, lemos a promessa do Pai: "Eu protejo" (Is 42:1). Esta frase indica, implicitamente, que o ministério do servo do Senhor não ia ser fácil. Sua missão era vasto, sua humanidade, a fraca oposição era grande, e havia sempre a tentação de ser desencorajado. Como ele poderia perseverar no ministério? Deus, o Pai prometeu prendê-lo (Is 42:1, 6).
No v.1, hold 'do verbo "é" Tamako. Esse verbo é usado para a ação de Arão e Hur, para segurar as mãos de Moisés, quando ele intercedeu por Josué, que estava lutando contra os amalequitas (Êxodo 17:12). É maravilhoso ver como, em Isaías 42:6, Deus Pai promete manter o Servo em Suas mãos, e salvá-lo do mal.

Quando Deus nos chama a servi-Lo, Ele conhece nossas fraquezas, você também conhecer a grandeza da tarefa, eo poder do inimigo contra nós. É por isso que ele prometeu apoio aos seus servos (ver Isaías 41:8-14).
Como é que Deus nos sustenta?
i. Esteja conosco para sempre (Isaías 41:10, Mateus 28:10)
Exemplo: Paulo em Corinto (At 18:9-11), ea tempestade (Atos 27:21-23, 33-38)
ii. Reforçada ("eu te fortaleço," É 41:10) - a palavra hebraica ('amats') tem o sentido de 'endurecer' (Dt 15:07). O resultado desta "endurecimento" do ministério da respiração e do espírito, para os grandes desafios e lutas tremendas que enfrentamos no trabalho (Dt 3:28; 31:6-7), é também a capacidade de ser corajoso ministério (Josué 1:6, 7, 9).

iii. Ajudar (Is 41:10). A palavra hebraica ("aleatória") significa "círculo" e, portanto, "proteger" ou "defender" (Dt 32:38). Deus é nosso ajudador, e vai nos ajudar a lutar a batalha (2 Crônicas 32:8). Quando o povo de Deus, conseguiu derrotar os filisteus, Samuel colocou uma pedra no local da batalha, e chamou-lhe "Ebenezer", dizendo: "Até aqui tem nos ajudou o Senhor" (1 Sm 07:12). Devemos colocar nossas pedras de recordação, identificando formas diferentes ou momentos em que Deus tem nos ajudado no ministério!

Qual é o resultado do apoio emocional e espiritual, por Deus? Lemos sobre isso em Isaías 41:11-14.
Se somos servos de Deus, e se estamos no ministério, porque Deus nos chamou para fazer isso, temos o direito à sua proteção. No entanto, antes de cair na armadilha do "triunfalismo" barato, anote o seguinte ponto:
2. O Servo Sofredor foi reforçado para
Em Isaías 42, a promessa do Pai (para apoiar e assistir o empregado) foi por eles para conseguir uma tarefa difícil. No entanto, ao mesmo tempo, movendo-se os Cânticos do Servo, descobrimos que o propósito do apoio divino não era apenas para cumprir uma tarefa difícil, mas para suportar o sofrimento que servir a Deus implicaria.
Temos que pisar em terra, e enfrentar a realidade que é a presença de Deus conosco não garante uma vida livre de sofrimento.
Exemplo: o sofrimento dos cristãos em países muçulmanos.
Isto era verdade do Servo. Em Isaías 50:6 lemos que o servo deu o seu corpo para aqueles que causam o seu sofrimento. filme «A Paixão de Cristo" mostrou que, em grande detalhe (embora tenha sido muito exagerada).
Há um versículo interessante em Hebreus 9:14. Falando de Cristo, o autor de Hebreus diz: "que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo ...." O Espírito Santo estava em Cristo, por todo o seu sofrimento, ajudando-os a lidar.
Vemos isso claramente em Isaías 50:7. Em Lucas 9:51 lemos que Cristo "o rosto para ir a Jerusalém." Experiente muitas tentações para evitar a morte na cruz.Pedro foi tentado a fazê-lo (Mateus 16:21-23), Satanás tentou Ele (no Getsêmani), sua "carne" tentou induzi-lo (João 12:27). Mas ele manteve sua determinação de obedecer ao Pai. E ele o fez, porque o Espírito Santo estava segurando. Por isso, não fui rebelde, não volta a ligar ou a missão que o Pai lhe dera (Is 50:5).
Esta foi também a experiência de Paulo (Atos 20:22-24, 21:8-13).
"Deus nos deu a graça de fazê-lo? Talvez um pastor ou líder tem uma participação muito sofrimento de sua parte. Talvez você esteja enfrentando o desafio de voltar a uma situação de sofrimento. Você está pedindo a Deus para remover esse sofrimento? Talvez o que devemos fazer é pedir ao Senhor por Sua ajuda a suportar a dor eo sofrimento que encontramos no ministério.



3. O Servo foi homenageado com os Homens
Qual foi o resultado do sofrimento do Servo? Foi acolhido e honrado por Deus! Lemos isto em Isaías 50:7. Ele não estava envergonhado.
Aqui é um princípio muito importante. Deus não nos fazem sofrer sem razão (Lam 3:33). Há sempre um propósito por trás do sofrimento, e sempre será uma bênção para ele.
Embora o Servo foi desprezado e rejeitado pelos homens, no final foi extremamente honrado por Deus (Isaías 49:7 b). Essa foi sua justificativa diante dos homens, que dizia: "Você vai ver os reis e os príncipes se levantarão ..." Por quê? Porque Deus é fiel "(Isaías 49:7 b). Lemos sobre esta reivindicação também é 52:13, 53:12.
Paulo descreve em Filipenses 2:9-11. O livro de Apocalipse confirma isso. O Servo é agora Rei dos reis e Senhor dos senhores (Apocalipse 11:15). Ele retornou com a glória que tinha com o Pai antes da fundação do mundo (João 17:5).
Esta é a maneira que Deus trabalha sempre. Ele cuida de Seus servos, e reivindica a honra depois do seu sofrimento (Is 52:13).
Exemplos: Job, David, Joseph.
Qual tem sido a nossa experiência? Será que estamos dispostos a esperar, confiando em Deus? Não devemos nos defender, mas deixar que Deus nos defender.Devemos deixar que Deus levantar-nos a seu tempo e sua maneira.
Conclusão
O ministério é difícil, sim, mas com Deus, somos mais que vencedores ...
"A fraqueza do agente"
Introdução
Hoje, você ouve um monte de "poder espiritual" ministérios de sucesso ... ... Livros inteiros foram escritos sobre experiências espirituais no ministério ... há relatos sobre isso. Mas muito poucas pessoas falam de "fraqueza espiritual". Não muitos livros são escritos com esta ênfase. Nós todos queremos falar sobre nossas conquistas e sucessos, mas não de nossas lutas e fracassos.
Tudo isso nos deixa com a idéia de que o único ministério que vale a pena ter, é um grande sucesso. Isso leva a uma mudança de nomes. Anteriormente, os ministros foram conteúdo a ser apresentado como "o Servo de Deus", agora querem ser "ungido", "O Apóstolo", etc
Mas quando estudamos as músicas do Servo de Isaías, vemos algo muito diferente. Embora a missão que o Pai me deu foi enorme (para estabelecer a justiça no país), as descrições do Messias, enfatizar a sua fraqueza.
Esta fraqueza era visto em sua humanidade. Como veremos, o Servo do Senhor demonstrou o princípio de que Paulo afirma em 2 Coríntios 0:09: "Meu poder se aperfeiçoa na fraqueza." Ou, como Paulo em 2 Coríntios 4:7: "Temos este tesouro em vasos de barro ...". O servo era um "vaso de barro", eo fato de que ele está nos dizendo algo importante sobre a liderança espiritual.
Aqui estão alguns aspectos da fraqueza do Servo:
1. A fragilidade do Servo (Isaías 53:2 a)
Em primeiro lugar, Isaías descreve o agente como um "ramo" (Is 53:2 a). A mesma palavra é usada em Jó 14:07. O termo deriva de uma palavra hebraica que significa "O mamar, e às vezes é usado no sentido de um bebê que ainda mama (Gn 21:7, Nm 11:22, 1 Sm 01:23). No entanto, aqui em Isaías 53:2, a palavra a ser usada metaforicamente, como um termo emprestado da agricultura. Significa um renovo que está crescendo no tronco de uma árvore foi cortada. Portanto, a palavra representa fraqueza e fragilidade, é uma planta muito frágil.
Se perguntarmos, o que "tronco" é aproximadamente, a resposta é "o tronco de Davi" (Isaías 11:1, Jeremias 23:5). Na OT, a dinastia de Davi expressa tremenda glória e poder (especialmente nos dias de Davi e Salomão). No entanto, para o nascimento de Cristo, o "tronco" estava em condições muito ruins. Um descendente de Davi, um homem chamado José (apresentada na Bíblia como o herdeiro do trono de Davi), era nada mais que um carpinteiro que lutam para ganhar a vida na cidade de Nazaré. Que a ironia era, para levar sua esposa para Belém, a cidade ancestral de Davi, e achar que ainda tinha acesso a uma sala onde Maria pudesse dar à luz. Humanamente falando, a Cristo, foi um bom começo para uma vida, cuja missão era trazer a justiça às nações.
Em segundo lugar, Isaías exprime a fraqueza do Servo, descrevendo-o como "raiz" de uma planta e uma planta que cresce em terra seca (Is 53:2 a). Essa "terra seca" poderia falar da nação de Israel, sob o jugo romano - materialmente pobre e explorado. Mas é mais provável que falar de "árido" espiritual um. Quando Cristo nasceu, o povo de Israel estava espiritualmente falida, com líderes espirituais e bárbara hipocrisia corrupta entre aqueles que são considerados os mais espiritual da nação (os fariseus). Ele não era encorajador próprio contexto em que a nutrir um ministério santo, o que afetaria as nações!
Em conclusão, Isaías apresenta o Servo de Jeová como uma muda grande - uma muda frágil, seca, falta de força e resistência. A impressão que Isaiah é uma pessoa que está lutando por sua vida. Que maneira de descrever o Messias, o Filho eterno de Deus! Nascido em uma humilde casa ... foi criado em uma cidade uma má reputação (ver João 1:46) ... trabalhava como carpinteiro ... Não havia nada que indicasse que ele estava sendo uma grande figura. Ninguém considerado de grande importância, pois estavam crescendo (ver João 1:10-11).
Por que o mundo dessa forma? Para ser um fiel Sumo Sacerdote (Hb 4:15).
E nós? Vamos ver o que Paulo diz em 1 Coríntios 1:26-29.
2. O Servo foi desinteressante (Isaías 53:2 b)
Devido à sua fragilidade e fraqueza, o Servo era pouco atraente, fisicamente falando.
Isaías aponta três coisas sobre o Servo de Isaías 53:2 b:
i. Não foi "aparentemente" Nele A palavra hebraica ("rebocar") significa "forma", e aplica-se a beleza física. Esta palavra é usada de Raquel (Gênesis 29:17), José (Gn 39:6) e Davi (1 Sm 16:18).

ii. Não houve uma "beleza" Nele termo hebraico ('Jadar ") significa" glória "," magnífico "," majestade ". David foi dado este como um rei (Sl 21:5), Cristo foi como Deus (1 Cr 16:27-29), mas a carne foi retirada dele (João 17:5).

iii. Não havia beleza nele "não era atraente." No texto original, a palavra indica que não havia nada vale a pena assistir no Servo de Jeová. As pessoas apenas o que iria acontecer na rua sem olhar para uma segunda vez.

"Não havia nada nele de classe ou posição, riqueza, poder ou grandeza externa, nada para atrair os olhos dos homens, tão brilhante ou impressionante"(Pieper).
"Não havia rei, um rosto, ou Majestade, ou o aparecimento da realeza. Esperavam um rei, mas foi dado um carpinteiro" (Culver).
No Salmo 22:06 nós temos uma indicação de que o Servo pensava em si mesmo, expressa dramaticamente: "Eu sou um verme e não homem." Mas O incrível afirmação do Filho eterno de Deus! Era visto como fraco, frágil, inconsistente e desprezado como um verme, apenas um verme!
E nós? Toda vez que nunca se sentiu assim? Muitos de nós, talvez, lutar com baixa auto-estima. Nós não pensamos muito. E na verdade, talvez não exista nada em nós que pode impressionar os outros, então às vezes nós buscamos uma maneira de atrair atenção, se destacam. Nós fazemos isso consciente ou inconscientemente.No entanto, devemos lembrar que estamos a seguir os passos de um homem que não tinha nada impressionante por si só, não a beleza externa e elegância.
Por que esse Deus? Por que vocês chamam essas pessoas para serem seus servos? Devemos sempre lembrar 2 Co 4:7. Deus trabalha para que ele receba a glória, não nós. Ele quer cuidar de nossa própria fraqueza e tendência ao orgulho.
3. O Servo era "homem de dores" (Is 53:3)
Como se isso não fosse suficiente, como tinha dito para entender a aparente fraqueza do Servo, o produto Isaías para descrever o Servo do Senhor, como um"homem de dores e experimentado no sofrimento"
A primeira frase significa: "um homem caracterizado pela dor." A palavra ("makob ') significa' problema '. É a palavra que descreve o sofrimento do povo de Israel no Egito (Ex 3:07). A dor era muito forte! O funcionário sabia que ele estava sofrendo de dor. A dor da morte de um pai em uma idade jovem. Ele também sentiu uma dor profunda, vendo o sofrimento dos outros. Ele quebrou meu coração para pensar sobre o destino dos pecadores. Cristo era um homem muito sensível, e conheci um monte de lágrimas e sofrimento.
A segunda frase é "experimentado no sofrimento". A palavra hebraica ('choliy ") significa" doença ", e também a dor que acompanha a doença. Nós nunca lemos que Jesus ficou doente. Mas isso não significa que não tiveram esses sentimentos que acompanham a doença.
Por que isso? Para identificar conosco, pecadores, que sofrem grande doença e dor (ver Isaías 53:4 e Hebreus 2:10, 14-18).
O Servo do Senhor deixou a Glória, que nunca experimentaram estas coisas, e viveu por 33 anos na terra, expostos a toda sorte de, com dor e angústia. Ele entendeu muito bem o impacto e as consequências do pecado. Ele chorou diante do túmulo de Lázaro, e sofreu muito para ver a angústia de uma viúva eo medo de o pai de uma menina que estava morrendo.
Muitos dos servos de Deus tiveram experiências semelhantes ao longo dos anos!
Exemplos ...
E nós? Não sabemos o que é sofrimento? Nós experimentamos algo da debilidade profunda que muitas vezes é acompanhado de sofrimento - quando nos sentimos desanimados, desamparado, frustrado e irritado com o ministério? O Servo do Senhor experimentou estas coisas, e devemos estar dispostos a sofrer nós.



4. O servo foi rejeitado pelos homens (Isaías 53:3)
Vivemos em um mundo de "aparências". Isso não é nada novo. O mundo do Senhor não era tão diferente. Cada período da história sabe nada sobre isso. Os pontos fracos do servo levaram o mundo para devolvê-lo. Aqui está como Isaías descreve esta recusa, em Isaías 53:3:
i. Ele foi "desprezado". A palavra ("basaj") significa "desprezo". O termo é usado quando Michal David desprezado para dançar diante da arca do Senhor (2 Sam 6:16). Ele também é usado para os inimigos do povo de Deus nos dias de Neemias (Neemias 2:19). Como chocante foi a atitude do mundo para o Servo do Senhor!

ii. Ele foi "julgado". Ou seja, foi abandonado, deixado sozinho. Ninguém queria andar com ele (especialmente no final da sua vida.) Veja João 6:66.

iii. Não avaliado - "não acredito", diz Isaías. Não coloque qualquer valor sobre ele, apesar de todo o bem que ele fez durante sua vida.

Ao considerar o servo desta forma, as pessoas deram para trás. Eles tinham vergonha dele não quer ser visto com ele Inacreditável! Era o Filho de Deus, Rei dos reis e Senhor dos senhores. Mas fez-se sem reputação. Tomou o mais humilde e desprezado da existência humana (Filipenses 2:7-8). Como observou um comentarista, o empregado estava completamente incompreendido por sua aparência tão insignificante.
"As circunstâncias como humilde servo não atraiu a qualquer coisa em uma nação que estava à espera de um rei messiânico, cheio de glória e poder militar"
Já tivemos algumas dessa rejeição, como servos de Deus? A rejeição de pares, líderes da Igreja, esposa, família, amigos, etc.?
Conclusão
Por que Deus permite essas coisas. Por duas razões:
i. Constantemente a depender d'Ele (por Sua graça e poder do Espírito Santo).

ii. Por que damos a Ele toda a glória. O problema de ter um ministério bem sucedido é que facilmente cai na armadilha de não dar glória a Deus, mas a estratégia usada para glorificar o homem, etc etc
"O MINISTÉRIO DO SERVIDOR"
Introdução
O ministério é a nossa forma de cumprir nossa missão A Bíblia indica que pode haver alguma flexibilidade no ministério. Por exemplo, havia um grande contraste bonito entre o ministério de João Batista (no deserto, vivendo uma vida de austeridade) e do ministério de Cristo (em cidades e aldeias, comendo e bebendo).Alguns dizem: 'Não importa como nós o ministro, desde que cumprir nossa missão. " Mas as coisas não são tão simples. Nossa missão ea mensagem que devemos proclamar, determinar como ministro. Veja 1 Coríntios 1:21-24.
Hoje, o tema do ministério cristão é de grande importância. Infelizmente, há muita confusão na Igreja sobre este assunto.
• Ministérios que têm por base as manifestações do "poder".
• Ministérios que são baseados em aparências. ("A fachada")
• Ministérios que são baseados em alta finança.
• Ministérios que são baseadas em ter "sucesso" (principalmente econômica).
• Ministérios que são baseadas no uso da tecnologia.

A pergunta é, como o Senhor ministrou? Como atuou o Pai, no cumprimento da sua missão? Estas questões não são meramente histórico ou teológico, mas são de vital importância para o nosso ministério. O Senhor deve ser nosso modelo de um ministro (João 20:21).
Vamos dar uma olhada em algumas coisas que podemos aprender, dos Cânticos do Servo, como o ministério do Senhor.
1. Foi um ministério fundamenta na Palavra (Isaías 50:4 a)
Deus Pai preparou o Senhor para o ministério, dando-lhe "a linguagem dos estudiosos, para aprender a falar uma palavra ao cansado" (Is 50:4 a). Ele fez, porque o Seu ministério era para ser um ministério da Palavra.
Ele próprio era a "Palavra de Deus, o Verbo feito carne (João 1:1) Portanto, não é de estranhar que o seu ministério era um ministério da Palavra. Vemos isso claramente nos Evangelhos. Marcos diz: "Depois que João foi preso, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho ..." (Marcos 1:14). Mateus escreve:"Desde então começou Jesus a pregar ea dizer ..." (Mateus 4:17). Lucas relata o ministério da Palavra no poder do Espírito Santo (Lucas 4:14-15, 18). João começa seu evangelho de uma maneira diferente. É um evangelho cheio de "sinais" realizados por Cristo. No entanto, a verdadeira ênfase no Evangelho de João é colocada na pregação e ensino do Senhor. Em João 3, Jesus fala a Nicodemos, em João 4, falando com a mulher samaritana em João 5, falando com líderes judeus, em João 6, fala para a platéia que tinham sido alimentados, etc Um dos versos-chave do Evangelho de João é João 7:46, "Nunca homem algum falou como este homem."
O Senhor fez muitas outras coisas além de falar. Ele fez grandes milagres, curou enfermos, ministrada para os indivíduos, um discípulo dos apóstolos, ele desafiou os líderes judeus, etc No entanto, a ênfase prioritária, a questão foi fundamental para seu ministério de pregação e ensino da Palavra de Deus. Por quê? Porque isso foi enviado pelo Pai (Marcos 1:38).
Este deve ser sempre o foco central no ministério cristão. É verdade que podemos fazer "boas obras", estas obras são importantes, pois eles glorificam a Deus e expressar o seu amor para um mundo necessitado. No entanto, agindo "a palavra" (ação social) deve ser sempre acompanhada pela explicação da palavra '"(pregar). Por quê? Porque a fé vem pelo ouvir, eo ouvir pela Palavra de Deus. Este é o método que Deus escolheu para o ministério cristão.
2. Foi um Ministério Fundamentada em comunhão íntima com Deus (Isaías 50:4 b)
O ministério da Palavra deve ser baseada em uma comunhão íntima com Deus. Esta foi a sua experiência do Servo do Senhor. Obviamente, Jesus sabia que a Palavra de Deus. Como judeu, lido e estudado cuidadosamente o Antigo Testamento e pregado (Mateus 5-7). No entanto, uma das principais diferenças entre o Senhor e os fariseus e os escribas era de que o seu ministério da Palavra, foi baseado em uma íntima e verdadeira comunhão com Deus, o Pai.
Dia após dia, o Senhor despertou para ouvir o que o Pai tinha para dizer (Is 50:4 b). A frase, "acorda meu ouvido" não deve ser entendida no sentido de ser fisicamente desperto, mas aponta para o fato de que eles são espiritualmente receptivo. Ele ouviu que estava aberta, e não o olho!
Nesta intimidade com Deus, o Senhor recebeu a direção do Pai (Marcos 1:35-39, Lucas 6:12-13). Ele também recebeu as palavras que eu tinha que falar (João 7:16-18, 8:28, 38; 12:49, 17:8). Nem sempre foi fácil falar essas palavras (por exemplo, João 6:53-56, 60), mas o servo nunca foi desobediente à palavra de Deus (Is 50:5). As palavras que o Pai Lhe deu para falar resultou na rejeição, da crítica, o sofrimento ea morte. Apesar disso, a pregação.
Estamos prontos para isso? , Podemos evitar o confronto com situações às vezes mal, não dizer o que pensamos (de acordo com a Sua palavra). Isso está errado.Mostra uma falta de submissão à direção de Deus, e uma falta de coragem.
O ministério do Senhor era um ministério profético, como todo o ministério cristão deveria ser. Ou seja, sempre tinha uma palavra de Deus para falar ao povo. O doce recebeu todas as manhãs.
É o nosso ministério assim? Como podemos alcançar este ministério? A chave está neste versículo, Isaías 50:4 b, "acordar de manhã após manhã, acordei meu ouvido ...." É que a nossa experiência, como servos de Deus? Será que todas as manhãs, a primeira coisa que ouvimos é o Verbo de Deus? Como temos um ministério profético, se não passou muito tempo no "segredo" do Senhor (Jeremias 23:16-18, 21-22)? Ministério nunca terá uma "profético" da palavra, se não tivermos a disciplina diária de ouvir a voz de Deus. "A espada afiada e uma flecha polida (Is 49:2) não aconteceu de uma só vez" (Motyer) - foram o resultado de um processo de atenção à voz de Deus.
Se o servo do Senhor tinha que fazer isso, quanto mais nós devemos fazê-lo nós mesmos, se queremos uma palavra significativa a dizer à nossa geração?
Hoje, nós conversamos muito. O mundo está cheio de 'vozes', exigindo nossa atenção. No entanto, temo que estejamos vivendo em tempos semelhantes aos de Samuel, de quem a Bíblia diz, "ea palavra do Senhor era rara naqueles dias não havia visão aberta" (1 Sm 03:01). E a explicação é esta - os servos de Deus(por exemplo, Eli) não a escuta da Palavra de Deus. Portanto, Deus teve que falar através de um menino chamado Samuel.
Talvez muitos de nós precisamos fazer nossas as palavras de Samuel, disse que neste contexto, "Fala, porque o teu servo ouve" (1 Sm 03:10).
3. Foi um Ministério da Ternura (Is 42:2)
O Senhor era forte - cheia de acção, ao meio-dia de manhã e à noite. Às vezes era também muito directa (como quando falou aos fariseus). No entanto, é interessante notar que quando Isaías descreve o ministério do Senhor, a ênfase em sua afeição. "Não chore, nem levantará a voz, ou ser ouvido nas ruas"(Isaías 42:2). Ele não iria chorar e gritar (o termo em hebraico é a palavra usada para descrever o grito que abalou a Esaú, quando soube que seu irmão tinha enganado, em Gênesis 27:34).
Os judeus esperavam um Messias grande, um herói conquistador, que faria guerra contra os romanos, e expulsos da Palestina. O Senhor veio como um rei, sim, mas foi um pastor King. Não veio com grande pompa e cerimônia. Não tentou impressionar pela forma como falou. Ele foi desenvolver um ministério silencioso, despretensioso.
Por quê? Como lemos em Isaías 50:4. O Senhor veio para servir ao cansado e oprimido. "Vinde a mim todos que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei" (Mateus 11:28). Ele veio para atender as pessoas que estavam cansadas de suas vidas, cobrado pelos seus pecados, e desejosos de viver uma vida diferente.
Hoje, alguns dizem que não devemos falar com o povo dos seus pecados, pois eles já têm problemas suficientes, nós só fazê-los sentir pior. Eu não acho que o Senhor tinha aceite esta forma de pensar. O que não evitam falar sobre o pecado (porque o Espírito Santo quer se convencer do pecado), mas fale do pecado de ânimo leve, ou seja, não condena as pessoas, dando a impressão de que somos fanáticos, mas com mansidão e humildade . Nós pregamos aos pecadores, sabendo que nós mesmos também são pecadores.
Será que temos esse tipo de ministério? Veja 2 Timóteo 2:24. Devemos sempre lembrar que a delicadeza ea ternura são frutos do Espírito Santo.
4. Foi um Ministério de Fomento (Isaías 42:3 a)
Quando as pessoas estão cansados e sobrecarregados, e não o suficiente para ser concurso com eles, precisamos ter um ministério de encorajamento espiritual e emocional. Devemos ser verdadeiros Barnabé (Atos 4:36). Algumas pessoas são como cachoeiras canas - foi 'hit' para a vida, as circunstâncias em que vivem, o impacto do pecado em suas vidas, etc. Tem, Outras pessoas são como o fumo do linho - estão vivos, mas quase extinto neles.
O Senhor veio para estas pessoas, não só para aqueles que se sentem bem consigo mesmas. "O Servo pede para abençoar, e não destruir. Soberano é um Rei, grande em misericórdia, e não um tirano "(Duane Lindsey).
Que tipo de ministério precisava dessas pessoas? Havia uma necessidade fundamental, para não ser atingido, e não ser destruído.
EXEMPLO: Um grupo de crentes aconselhamento uma menina deprimida. Indicaram que ela estava possuída por demônios, e tentou exorcizá-los. Simplesmente destruiu emocionalmente e espiritualmente.
Qual cansados e carregados "necessidade de Pessoas é algo positivo, elas precisam ser reforçadas. Sua vida espiritual precisa ser revivida. É muito mais fácil de quebrar para curar, para destruir o ventilador.
Exemplos: "Quem me tocou?" (Marcos 5:31). Veja também Marcos 9:23-24, João 5:06.
Como Deus poderia ser gentil e encorajador? Manter uma íntima comunhão com o Pai (Isaías 50:4). Deus, o Pai deu-lhe um ministério de ternura, e sabedoria para tentar ferir as pessoas em necessidade.
Como tratar as pessoas - especialmente os mais fracos e 'lame' emocionalmente e espiritualmente? Quão sensíveis são essas pessoas?

5. Foi um Ministério da Perseverança (Is 42:4)
ministério cristão não é fácil. Servir a Deus não é fácil. Muitos pastores e missionários deixar o ministério depois de alguns anos! O trabalho do Senhor exige perseverança espiritual.
O Senhor ministrou apenas três anos e meio. No entanto, ele teve um papel enorme a jogar - tinha que dar justiça às nações. Ele encontrou muita oposição no trabalho - de Satanás, líderes religiosos, líderes políticos, a sua própria família, o povo de Nazaré, e às vezes até mesmo de seus discípulos. É por isso que as palavras de Isaías 42:4 a, são importantes, "Ele não deve falhar nem será desencorajado até que estabeleça a justiça na terra."
i. Ele não deve falhar (a palavra significa "enfraquecimento" e é usado em referência aos olhos de Isaque, que foram enfraquecidos ao ponto que quase perdeu a visão, Gen. 27:1). O Senhor não perdeu sua força espiritual (comparar com a visão de Moisés, Dt 34:7).

ii. Não desanime (literalmente, «não quebrou ') é a mesma palavra em hebraico usada em Isaías 42:3 a. É

Algumas pessoas se cansam do ministério e deixar o trabalho, outros irão "queimar". Muitos perseverar, mas o trabalho com pouco vigor e entusiasmo (aparentemente, mais a seguir economicamente sustentável, ou para manter as aparências.) Continue ano após ano no trabalho, mas sem melhores resultados.
O Servo do Senhor não era. Apesar de toda a oposição que enfrentou, a despeito de todas as coisas que humanamente falando, teria desanimado - o Senhor perseverou no ministério com paixão e vigor. Como ele poderia resistir? Duas coisas foram importantes. Ele manteve os olhos em Deus, o pai, e andou por dia na plenitude do Espírito Santo (ver Isaías 49:4-5).
Somos nós perseverar, com paixão e vigor? Há uma grande promessa em Isaías 40:28-31.
6. Foi um Ministério da Fé (Isaías 49:4)
Uma das surpresas foi o ministério serva, não vi muitos frutos em sua vida. Assim, às vezes ele foi exposto à tentação de ser desencorajado (veja Is 49:4 a). Durante sua vida, muitas pessoas abandonaram (João 6:66). Questionado sua própria família. Seus discípulos não entendiam, e, finalmente, mesmo que eles o abandonaram e fugiram.
Como ele poderia resistir à tentação de ser desencorajado? Aprender a andar pela fé e não por vista (2 Co 5:7). "Meu caso é diante do Senhor", disse (Isaías 49:4). "A minha recompensa virá de Deus como lemos em Isaías 53:11" Ele verá o fruto do trabalho de sua alma e ficará satisfeito. " Abraão viveu como ele fez - pela fé (Hebreus 11:9, 13).
Será que às vezes se sente desanimado no trabalho? Nós sentimos que estamos a gastar muita energia, mas vê pouco ou nenhum fruto espiritual? Alguns pastores são abençoados com um ministério de 'colheita', mas outros têm um ministério de "semeadura". Veja Sl 126:5-6. Será que estamos dispostos a fazê-lo? Será que estamos dispostos a esperar pelos frutos, confiando em Deus para a colheita ou recompensa?
Conclusão
Quando o Senhor voltou para o céu, havia apenas 120 no Cenáculo, como resultado de seu ministério de três anos. E que Ele era o Servo do Senhor, ungido com o poder do alto, podem fazer milagres e maravilhas! No entanto, quando Pedro pregou alguns dias mais tarde, 3.000 foram convertidos em menos de uma hora.
Tem incomodado o Senhor para que? De jeito nenhum. Ele compreendeu bem o princípio da semeadura e colheita. "Eu vos enviei a colher aquilo que não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho" (João 4:37-38). Pedro nunca poderia ter colhido desta forma, se o Servo do Senhor não tinha feito o seu trabalho antes.
Se não estamos vendo muito fruto, pode ser porque estamos colocando a fundação, estamos semeando. Outros construir sobre o que nós fizemos, e os frutos virão em seu devido tempo. O importante é servir a Deus no ministério, como fez o Senhor.
"A MISSÃO DO SERVIDOR"
Introdução
missão "A palavra 'indica que o servo de Deus, enquanto o ministério da palavra' 'indica como.
Mas o que a missão cristã? Tem sido tradicionalmente entendida como "a proclamação do evangelho de Jesus Cristo" ou "a tarefa de fazer discípulos". Nesse caso, a ênfase tem sido colocada em um "evangelho espiritual", que visa atender as necessidades da alma (ou espírito) do homem. No entanto, nos últimos anos, muitos na igreja da missão cristã são definidos da seguinte forma: "todas as ministrando o evangelho de Cristo para todo o ser humano", ou seja, a ênfase tem sido colocada em um "evangelho social ".
Quando estudamos a Bíblia, vemos que um conceito muito importante na missão cristã é o "reino de Deus". Este foi o tema central da missão, tanto João Batista (Mateus 3:2) como o Messias (Mateus 4:17) - embora houvesse grandes diferenças entre eles quanto ao modo de cumprir essa missão!).
Ao estudar as músicas do Servo, uma pergunta interessante é: "Qual foi a missão do Servo?"
Embora reino 'a palavra' não é usado nas canções do Servo, um conceito central que encontramos nesses cantos é "justiça" (hebraico, 'mishpat') 1. Como um termo tão importante, devemos estudar em detalhe. Mas também devemos prestar atenção aos dois verbos utilizados em conexão com este substantivo - "ele trará justiça às nações" (Is 42:1, 3), e "para estabelecer a justiça na terra" (Is 42:4 .) O primeiro verbo tem a ver com a missão de "anunciar" a justiça, enquanto que o segundo verbo tem a ver com a tarefa de praticar a "justiça". Estas duas acções abrangem a missão do Servo.

1. Anunciar o Evangelho do Reino
Servo da missão está claramente definido no Cântico primeiro ", ele trará justiça às nações" (Is 42:1, 3). Mas o que isso significa? O que é isso?
A palavra 'mishpat "significa" uma decisão judicial »ou« decisão de caráter legal "(cf. Nm 27:21," julgamento ", Dt 16:18," O Julgamento "), mas também pode significar que é "justo" ou "direita" - "um pouco. fim ou seja"
Agora vamos olhar para os verbos utilizados no que diz respeito à missão do Servo. A primeira palavra é 'yatsar' que significa 'ir'. Também traduzido como 'produzir' (Gênesis 1:12, "produz") ou "proclamar" (Is 2:3, "vontade"). Cristo não tanto!
Produção de Justiça 'a. O Servo para o Mundo
Como? O mundo é caracterizado pela injustiça (Rm 1:18). Deus reage contra esta injustiça, "raiva", ou seja, aplica o seu "julgamento". Este é o grande problema do ser humano (não a pobreza, ou alguma outra necessidade "social").
Portanto, a missão confiada ao servo foi para resolver esta situação. Sua tarefa era produzir justiça a um mundo de injustiça.
Como ele fez? De duas maneiras:
i. Através de sua vida - uma vida de obediência absoluta à lei de Deus (Gálatas 4:4). Ele veio como o "Segundo Adão" (1 Coríntios 15:45), e fez justiçaao seu povo (Rm 5:19). Produziu uma situação de 'justiça' que não existia, o que fez para o povo que ele representava (o escolhido de Deus.)

ii. Pela Sua morte - uma morte expiatória e propiciatória (Rm 5:18). Ele havia satisfeito a justiça de Deus em nome de terceiros.

Essa "justiça", o funcionário agiu em nome dos outros, Deus permitiu a "justificar" os pecadores, pelo menos, aqueles que depositam sua confiança em Cristo (Rm 3:24-26). Este é o coração do Evangelho (cf. Rm 1:17), mas infelizmente é um assunto sobre o qual muito pouco é pregado, compreendido e menos ainda, para a maioria dos crentes.
Há outro detalhe que observamos. Esta "justiça", que é produzido pelo agente, está ligada a um negócio. Assim, em Isaías 42:6 Deus diz: "te darei por aliança do povo ...." Este acordo é descrito em maiores detalhes em Isaías 53, e menciona Cristo na instituição da Ceia do Senhor (Mateus 26:28). Deus estabeleceu um pacto com Adão (um pacto de obras), mas estabeleceu uma nova aliança com o "segundo Adão" (uma aliança de graça). Veja 1 Coríntios 15:21-22 e Romanos 5:12-21.
Proclamação da Justiça 'b. O Servo para o Mundo
Embora o texto original de Isaías 42:1 (em hebraico), afirma, "trazer justiça para as nações", é interessante ver como Mateus cita este texto (em grego) em Mateus 12:18: "os gentios proclamamos a justiça ". Ou seja, ter produzido uma situação de justiça, a tarefa do Servo é anunciar ao mundo inteiro esta "justiça", que abrange a falta de justiça diante de um Deus santo. Sem esta declaração, a produção de 'justiça' sentido perfeito.
Como proclama que "justiça"? O Servo fazer ", através da verdade" (Is 42:3). Este é um conceito muito importante, especialmente quando falamos com um membro da Igreja Católica Romana. Embora a "justiça" que o Servo conseguem estabelecer a justiça é "estrangeiro", como disse Martin Luther (ou seja, não a nossa, no sentido de que nós não obtivemos com nossos próprios esforços), portanto, não a justiça é uma farsa. "Justiça" é real, verdadeira, de fato, é de poupança (que é o suficiente para salvar). Portanto, deve ser proclamada e deve ser declarada.
EXECUÇÃO - A nossa missão é uma extensão da missão de Cristo. Nós não podemos produzir "justiça", porque Cristo já fez, perfeito e completo, mas podemos anunciá-lo (Mateus 28:18-20). No entanto, temos de assegurar que a nossa proclamação da "justiça" é na verdade "(1 Tessalonicenses 2:3-4, 2 Coríntios 2:17, 4:2).
Em primeiro lugar, devemos lembrar que a proclamação do Evangelho é mais do que apenas o anúncio de uma oferta (com uma ênfase exagerada sobre os benefícios do evangelho, e pouca referência às condições que a mensagem da salvação é necessário). Vamos considerar o que estamos reivindicando é umapechincha. Em outras palavras, é algo sério (como uma aliança de casamento), não para celebrar este contrato de ânimo leve. Isso deve explicar em detalhes o que a "justiça" que Deus dá ao pecador, para ser compreendido e aceito (juntamente com todas as condições impostas por Deus.) Para isso, precisamos de todos os trabalhos preparatórios, antes que você pergunte o pecador a aceitar a aliança que Deus oferece (ver Moisés fez isso, quando era a aliança entre Deus e Israel, em Ex 24,3-8) .
Hoje foi "barato" do evangelho. A natureza do pecado e da obra de Cristo, não são explicadas em pormenor suficiente. Ele salienta também o amor de Deus, a Sua misericórdia e perdão.
Precisamos voltar para o verdadeiro evangelho mais a sério. Por quê? Porque só um evangelho sério (profundidade) é o que realmente conseguiu fazer o que lemos em Isaías 42:7 (compare Isaías 61:1-3). A obra da salvação é muito grave, mas não foi necessária a morte do Justo. Há coisas profundas que Deus tem para fazer em nossas vidas, para nos salvar. Assim, o que é necessário é uma profunda e séria proclamação do evangelho, de modo que o plano de salvação é realmente compreendido, e assim tornar efectiva
2. Praticando o Evangelho do Reino
Consideremos agora a segunda frase que Isaías usa para descrever a missão do Servo: "para estabelecer a justiça na terra" (Is 42:4). O verbo (em hebraico) é'soma', que significa 'lugar' ou 'set'. Esse verbo é usado quando Deus colocou o homem no Jardim do Éden (Gênesis 2:8), e quando Deus pôs uma marca na testa de Caim (Gn 4:15).
O evangelho de 'justiça' de Deus não só precisa ser proclamada, mas também colocados dentro deste mundo de "injustiça".
O mundo em que vivemos é um mundo de "injustiça": "injustiça" para com Deus (idolatria), e "injustiça" para outras pessoas (todos os tipos de imoralidade). A missão que Deus tem a intenção de realizar é o de restaurar a "justiça" para o mundo, vemos que a "justiça" aplicada a todos os níveis da existência humana - vida restaurados para um relacionamento correto com Deus, e vidas restauradas para relacionamento correto com outros seres humanos.
Esta foi parte da missão de Israel. Caso exemplificar a justiça de Deus em um mundo marcado pela injustiça tremenda. Deve ser uma luz para as nações, de modo que eles estão perto de Deus ("missão centrípeta '). Infelizmente, eles não; desonrar a Deus com o seu comportamento, e levou para as nações da verdadeira fé (Ml 1:11-12).
O que Deus fez nessa situação tão infeliz, foi levantar um servo, que seria a realização de verdadeiros "Israel" (Isaías 49:3). Ele ia ser uma luz para as nações, foi para proclamar o ano da redenção e da liberdade espiritual (Lucas 4:19).
Como ele fez? Sublinhando a necessidade de viver uma vida coerente com os princípios do reino de Deus (cf. Mt 5-7). Que João Batista (Lucas 3:7-14), e modelados Cristo em sua própria vida e ministério.
O mundo foi rápido a reagir. Apesar de algum pensamento, e veio para a Luz (João 1:14, 2:11), a maioria rejeitou a Sua mensagem - preferiram as trevas do que a luz (João 3:19-20), e termos-chave Luz do mundo numa cruz cruel.
Se realmente vamos chegar a este aspecto da missão cristã, então como fazemos? Colocando em prática em nossas vidas diárias, os valores do reino de Deus. Isso inclui os seguintes aspectos gerais:

• A espiritualidade do reino (ou seja, ter um relacionamento com Deus, que caminha de mãos dadas com um bom relacionamento com nossos vizinhos).
• Uma ética do reino (ao vivo pelo Sermão da Montanha).
• A pena do reino (se preocupar com os necessitados deste mundo)
- Uma atitude de reino (preocupante para reconciliar os perdidos com Deus)
Exemplos: A Igreja Primitiva em Jerusalém.
A preocupação de Paulo é para os pobres.
As epístolas de Pedro e Tiago.

Primeiro, temos de viver, então nós ensinamos outros, e outros discípulos a fazer o mesmo.
Ao mesmo tempo que a Igreja cresce na América Latina, este é um dos maiores desafios. A Igreja Evangélica tornou-se 8 a 10% da população, no entanto, o impacto sobre a ética da sociedade em geral tem sido mínimo (em alguns casos, a ética dos países diminuiu, em vez de ser melhorado) . Quais são a ética dos membros das Igrejas? Qual é a ética dos líderes da igreja?
Embora seja difícil e desconfortável, devemos insistir no desenvolvimento de vida coerente com os valores do reino de Deus. Não será uma tarefa fácil. Isaías 42:4 indica que o Servo "não deixará nem desanimar" até que tenha estabelecido a justiça de Deus neste mundo.
Conclusão
Quem é a missão do Servo destina? Primeiro, o povo de Israel (Isaías 49:5 b), depois se estende para nós gentios (Is 49:6). É uma tarefa enorme! Quem é o suficiente para ela? Deus, mas através de nós. Sentimo-nos privilegiados e agradecidos por isso e tentar concluir essa tarefa com excelência, tanto como indivíduos e como Igreja.
"Chamada e A PREPARAÇÃO DO SERVIDOR"
Introdução
Aqueles que são pastores e líderes de igreja, devemos considerar realmente "servos" de Deus? Não entendemos bem o conceito de "servo"? Não nos sentimos confortáveis com esse título?
Hoje em dia existem muitas pessoas que querem ser "apóstolos de Cristo", pela simples razão de que o título indica poder e autoridade.
Mas se somos "servos de Deus", como temos vindo a ser? Será que é porque alguma preparação que nós recebemos na igreja ou em um seminário? Ou é a verdadeira vocação de Deus? Tomemos o exemplo de Cristo (que distingue e humilde "serva do Senhor") como um modelo para responder a essas perguntas.
1. Ao chamado para servir
Por que estamos no ministério? Certamente todos nós temos contas diferentes, mas o fator comum que todos nós temos é que nos sentimos chamados por Deus.Mas, o que é o chamado de Deus? Quão importante é a chamada ao ministério? Quais são as implicações deste convite para o nosso trabalho na igreja?
Há duas características essenciais da chamada:
i. Um senso de obrigação ...
ii. Um sentimento de dedicação a assuntos de outro ...

Nós dois recursos nas primeiras palavras atribuídas ao Senhor durante Seu ministério terrestre: "Você não sabe que no meu Pai de negócios deve ser de mim"(Lucas 2:49). Há algo que era necessário para Cristo, e que era para estar no negócio de seu pai. Ao longo de sua vida, ele manteve as duas ênfases. "Eu vim para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou."
750 anos antes, Isaías descreveu estas coisas na "Hinos do Servo".
a. a eleição do Servo
Temos referências a este apelo no "Hinos do Servo". Em Isaías 42:1, uma das primeiras coisas que lemos é que o Servo "foi escolhido" por Deus.
Observe como o verbo "escolher", é colocado em paralelo com a palavra "servo":
"Eis o meu servo, a quem sustenho;
Meu escolhido, em quem a minha alma "
O paralelismo sinônimo (uma característica da poesia hebraica) indica que os termos "servo" e "escolhidos" são sinônimos. Ser um "servo" de Deus, significa ter sido escolhido por Deus para ser. O Divino Mestre teve uma tarefa que era necessário para cumprir, e para isso eu precisava de um servo. Dada a natureza da tarefa, ele escolheu cuidadosamente qual o instrumento poderia ser usado para executá-lo.
EXEMPLO: Em 1 Sm 17:40, David foi um grande trabalho a fazer - para derrotar Golias, e defender a honra de Deus, e salvar a nação de Israel. A arma que ele tinha era um estilingue, então ele foi para o fluxo e escolheu cinco pedras. Observe duas coisas:
i. Ele escolheu as pedras (o mesmo verbo usado em hebraico, temos em Isaías 42:1). Não escolhidos aleatoriamente, mas o escolhido por um.

ii. pedras lisas escolhido (não qualquer pedra). Para a tarefa que tinha que cumprir, David precisava de algum tipo de pedras. Não deve ser muito grande ou muito pequeno, nem deve ser angular. Portanto, escolheu cinco pedras que enchiam as características necessárias para realizar a tarefa.

No caso do Servo, vemos o mesmo princípio. Deus fez um grande trabalho a fazer - revelar para a humanidade, a fim de salvar o mundo. Ele poderia ter usado um grande anjo para fazer isso (por serem seus servos, e executar muitas tarefas de Deus), ou poderia ter usado um homem grande líder. No entanto, a tarefa que ele tinha de jogar era tanta que nem um anjo, nem um grande ser humano, cheio de exigências. Por isso, escolheu o Seu único filho, mas ele tinha as qualidades necessárias para a tarefa. Apenas uma outra pessoa faria.
Isto é o que Deus faz quando você tem uma tarefa que precisa ser realizado.
• Quando ele tinha que salvar Israel do Egito, escolheu Moisés (Sl 106:23).
• Quando eu precisava de um rei para governar a nação de Israel, escolheu a Davi (Sl 89:3).

Se estamos na pastoral, ou servir a Deus em uma posição de, o desejo de liderança, e espero que o mesmo tem acontecido conosco. Deus tinha e tem um trabalho a fazer, e escolheu você para fazê-lo. Não peguei ninguém, por acaso, teve o cuidado com quem você selecionou para essa tarefa.
ILUSTRAÇÃO: Uma dona de casa, comprar batatas ou frutas, e selecionados, um por um
com cuidado.
Como tremendo saber que Deus nos escolheu pessoalmente para realizar uma tarefa Yours!
O Servo de Call b.
Para alguns, pode ser muito detalhado para distinguir entre "escolha" e "chamar", no entanto, essas duas ações são diferentes. A chamada é quando a escolha feita em segredo seja tornado público, e anunciou abertamente.
EXEMPLOS:
• Saul, foi escolhido por Deus (1 Sm 09:16), e então chamou (1 Sm 10:1, 20-24).
• Paulo, foi escolhido por Deus antes de seu nascimento (Gl 1:15 a) e, em seguida convidou a caminho de Damasco (Gálatas 1:15 b, Atos 9:10-16) e Antioquia (Atos 13:1-2 .)

Nós também fizemos essa distinção, no caso do Servo (Isaías 49:1, 42:6).
Há dois detalhes a considerar:
Fui chamado desde o ventre de sua mãe (Isaías 49:1).
Mesmo antes de seu nascimento, foi revelado (a Maria), que ele seria o servo do Senhor (Lc 1.31-33). Isto era verdade também de outros servos de Deus (por exemplo, Sansão, Juízes 13:5, João Batista, Lucas 1:13-17).
No caso do Servo, é interessante notar que, uma vez que estabelece uma relação entre sua vocação e sua criação. Veja Is 49:5, que diz: "Aquele que me formou desde o ventre para ser seu servo". É o paralelo com 49:1 indica que a formação do Servo estava intimamente relacionado ao seu chamado. O homem que chamou desde o ventre materno, foi formado no ventre. O Servo foi criado (física, mental, psicológico e emocional) de tal maneira que possam cumprir o chamado de Deus em sua vida. Veja Hebreus 10:05.
APLICAÇÃO: Já pensamos sobre isso? Deus nos criou «à ordem» para a tarefa que nos
Dado. Este não é apenas verdadeiro de nossa formação no estômago, mas
também todas as experiências que tive na vida (choque e
quedas). Tudo tem estado sob o controle daquele que nos escolheu e nos chamou.
ii. Chamava-se "na justiça" (Is 42:6).
O que isso significa? Em Isaías 45:13 usa uma expressão semelhante à fala de Ciro. Isso indica que a palavra "justiça" não aponta para a estatura moral de quem é chamado. Ciro não foi chamado por Deus para a sua justiça pessoal! "Justiça" A palavra 'deve ser entendido em relação aos propósitos de Deus, e não o caráter da pessoa chamada. A expressão significa simplesmente que o agente foi convidado para fazer cumprir um trabalho justo e justo.
No caso do empregado, não há dúvida sobre isso. Ele veio para manifestar o Pai, e trabalhar bem para os pecadores. No entanto, nem todos aceitaram isso.Muitos líderes judeus questionaram seu trabalho árduo. "Quem é você para perdoar pecados?" "Quem é você para falar de Deus dessa maneira?" "Quem é você para falar assim?
Às vezes isso acontece conosco também. Muitas vezes o nosso trabalho é questionada. Às vezes, os incrédulos, mas também "crentes".
EXEMPLO: Um antropólogo questionar o nosso direito de evangelizar os nativos.
Mas é muito mais doloroso quando nosso trabalho é questionada por outros crentes.
EXEMPLO: Quando um outro pastor contesta a forma como trabalhamos, a nossa estratégia, nossos
metodologia ou nosso ministério.
Mas se Deus nos escolheu, nos chamou e nos fez, então podemos estar certos de que a tarefa que nos foi confiado é uma tarefa justo.



2. PREPARAÇÃO DE SERVIÇO
Normalmente, quando escolhemos uma pessoa para um emprego, nós fornecemos as ferramentas necessárias para fazê-lo.
EXEMPLO: Se você contratou um chef de um restaurante, você vai precisar, facas,
panelas, baldes e qualquer apego à preparação de alimentos, incluindo
os mesmos alimentos que você preparar.

Isto também é verdade no ministério cristão. Quando Deus nos escolhe e nos chama, nos dá os recursos necessários para realizar a tarefa.
De que forma foi elaborada pelo agente para a tarefa que Deus lhe deu, eo que podemos aprender com isso?
a. foi preparado espiritualmente
Lemos isto em Isaías 42:1 b. Esta afirmação é enfatizada em Isaías 61:1. Ele era o 'Cristo', porque era o ungido de Deus, foi cheio do Espírito Santo "sem medida."
Por que isso foi importante? Porque Cristo foi para servir a Deus e ao homem e, portanto, necessário o enchimento do Espírito Santo para cumprir o seu chamado.
Não começou Seu ministério a ser equipado com o Espírito Santo (no batismo). Em seguida, passou a ministrar no poder do Espírito Santo (Lucas 4:14, 18; 5:17, Mateus 12:28).
Seu ministério se tornou o modelo para o ministério dos apóstolos. Eles não começou seu ministério para receber o poder do alto (Lucas 24:49). Eles precisavam do equipamento do Espírito.
Esta é ainda a grande necessidade no ministério cristão. Hoje há uma grande variedade de ministérios, os avanços tecnológicos, fontes de financiamento, etc Mas vitalmente necessário e muitas vezes ausente, é a manifestação do poder do Espírito Santo (1 Tessalonicenses 1:5). Onde está a prova disso - em nossas vidas e as vidas das igrejas?
b. estava preparado mentalmente
Quando o Senhor foi batizado, ouviu as palavras de Isaías 42:1. Por que era tão do agrado do Pai ao Filho? Pela Sua vida impecável - como uma criança, jovens e adultos. Ele era um homem empenhado em obedecer a Deus.
Nossa vida, encantando o Pai? Ou será que vimos o nosso chamado e ministério, a maneira como vivemos, a maneira como conduzimos nossa vida familiar, etc pessoal?
c. foi preparado MINISTERIAL
Para servir a Deus nós temos que ter dons espirituais. Qual foi o dom ou dons do Senhor? Ele tinha o dom da cura, o dom de evangelismo, o dom da profecia, o dom de ensinar, o dom da pregação. Em Isaías 49:2 lemos: "Ele fez minha boca como uma espada afiada ...."
No caso do Senhor, como foi essa preparação? Em parte, foi a partir de seu nascimento. Mas foi também preparada e equipada para o ministério ao longo de sua vida. Todas as suas experiências, antes de entrar no ministério, eram parte de sua preparação para o trabalho a realizar. Por 30 anos, estava pronto para trabalhar no serviço de Deus.
Este treinamento e equipamento suprirá todas servo de Deus ...
MOISÉS: Formado em casa, espiritualmente, mentalmente capacitados em corte de Faraó, preparado para liderar o povo no deserto, cuidando de ovelhas. Aos 80 anos ele estava pronto para servir a Deus.
DAVID: Treinado como um pastor, em comunhão com Deus, como um jovem treinado na arte da guerra, treinado como um adulto, a tarefa de conduzir os homens - até que ele finalmente estava pronto para ser rei.
PAUL: Treinado como uma criança, nas Escrituras e as tradições judaicas, em seguida, de formação acadêmica aos pés de Gamaliel, preparado como um perseguidor da igreja, para o sofrimento que ele iria receber como um pregador do evangelho - até que ele estava pronto para ser um apóstolo.
Como temos nos preparado?
• Desde o nascimento (presentes e personalidade)
• Em casa (e da formação psicológica emocional).
• Na vida (experiência profissional).
• Na igreja (na vida cristã e de serviço).
• Num seminário.

Deus tem investido fortemente na aqueles que Ele chama. Nós reconhecemos isso? Você valoriza? "Nós levamos todo esse treinamento e equipamentos?
Conclusão
Por que Deus faria isso? Por que escolher, chamar, e prepara os seus servos? É para glorificar a Si mesmo por nós (cf. Isaías 49:3 b).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SLIDE